Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 17 de abril de 2019

"O Rapaz do Gueto de Varsóvia" de Eva Weaver

NY, 2019. Um avô e o seu neto. O primeiro tem uma história para contar, uma história que nunca revelou a ninguém. Só agora está pronto a fazê-lo. O neto de 13 anos escutará, tem a certeza.

Um flachback: Varsóvia, 1938. O avô, Mika, é agora neto de alguém e tem 12 anos. Tem uma ligação especial com o seu avô, que vê como o pai que já não possui. O avô manda fazer uma casaco grosso, especial, porque tem vários bolsos com esconderijos. Vamos seguir a história desse casaco e do que lá foi escondido durante toda esta leitura.

Leitura que prendeu a minha atenção desde o início. Fiquei até ao seu final à espera de ler aquela parte onde é dito que os personagens principais (Mika, por exemplo) existiram mesmo... Porque senti tanto as palavras do autor! Senti-as vivas, sofridas, verdadeiras. Vivi no gueto com as descrições feitas. O tom cinzento e negro de muitas vidas desperdiçadas. Esta primeira parte (Sim, porque há uma segunda parte no livro! Ao dizer isto já estou a desvendar mais do que devia!) é de uma veracidade terrível. O relato é feito na primeira pessoa. Os nossos sentimentos ficam ao rubro, podem crer! O Gueto de Varsóvia retratado com a mestria de quem sabe descrever o Horror.

Depois vem a segunda parte. Desconcertante. Que no princípio instigou em mim sentimentos de raiva e onde disse para mim mesma, muitas vezes, "Bem feito! Mereceste!". Mais não digo porque não vos quero estragar a leitura.

O final deixa o leitor descansar. Talvez se baseie num enredo menos provável que o resto do livro mas gostei mesmo assim. Como referi: respirei fundo, descansei finalmente. 

Uma história ficcionada mas fortemente baseada em muitos factos reais conhecidos por todos nós, que vem sublinhar e dar realce a todos os heróis que lutaram bravamente durante a II Guerra, mais concretamente no Gueto de Varsóvia, e que permanecem desconhecidos até hoje. Uma ode a todos eles. Um livro diferente dos que já li sobre este tema, que nos mostra os dois lados de uma guerra.

Terminado a 15 de Abril de 2019

Estrelas: 6*

Sinopse
Um relato de guerra pelos olhos de uma criança e do seu carrasco. Uma história emocionante sobre coragem e o poder do perdão.

Baseado em factos reais

«Eu tinha 12 anos quando o casaco foi feito. Nathan, o nosso alfaiate e querido amigo, começou a costurá-lo para o meu avô na primeira semana de março de 1938. Esse foi o último ano de liberdade para Varsóvia e para todos nós.»

Quando a Polónia é ocupada pelos nazis, os judeus são escorraçados para um gueto imundo e insalubre, aguardando um destino terrível. Entre eles está o jovem Mika, que, depois da morte do avô, herda o seu casaco, descobrindo nos bolsos secretos um grande tesouro: um fantoche. Apesar de ser apenas um simples fantoche de um príncipe, transforma-se para Mika num símbolo de esperança. Inspirado pelo projeto que o avô começara, o rapaz cria uma trupe de fantoches para animar as crianças do gueto.

Aos poucos, a sua fama espalha-se por entre todos os que procuram um pouco de cor e alegria entre a morte e a cinza. Até que, certo dia, o talento de Mika é descoberto por um oficial alemão, que leva o rapaz para entreter os mesmos soldados que perseguem e matam os seus amigos e familiares. Mas, se quer sobreviver, a única alternativa de Mika será tentar agradar ao seu inimigo.

Um relato dos dois lados de uma guerra cruel e uma viagem épica sobre sobrevivência, que atravessa continentes e gerações, desde Varsóvia até aos gulags da Sibéria.

De que forma se pode alimentar a esperança em tempos tão negros?

Cris

Sem comentários:

Enviar um comentário