Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

domingo, 5 de junho de 2016

Ao Domingo com... Duarte Nuno Braga

A forma mais simples de alcançarmos os nossos sonhos é sermos nós próprios. Acredito que se algo é para nós, e se disso estivermos convictos, não há nada que nos possa impedir de o alcançarmos. É dessa forma que a escrita aparece na minha vida. Foi necessário acreditar de que seria capaz de promover uma mudança profunda em termos profissionais e, mais do que tudo, combater o medo que envolve as mudanças, pelo receio de falhar.
«A Confissão do Navegador» é corolário de uma entrega de dois anos a um projecto entusiasmante. Contemplei cada momento da obra. Desde o planeamento da estrutura, da pesquisa, passando pela escrita e revisão até à divulgação e lançamento da
obra que vivi intensamente. Se conseguirmos apreciar cada momento das nossas vidas, incluindo aqueles que nos são menos confortáveis, estaremos a caminhar a passos largos como colecionadores de pequenas felicidades. E, no fim, quando fizermos a contabilidade, poderemos ver que valeu a pena.
Esta narrativa pretende desnudar a vida de Duarte Pacheco Pereira, uma figura que ficou na sombra da história e que merecia, sem dúvida, um lugar de destaque ao lado de celebridades como Vasco da Gama ou Cristovão Colombo. Na verdade, é revelado muito mais do que a grande aventura do herói português. Entreguei ao romance muito de mim, enquanto autor, imprimindo rasgos de uma vida apaixonada, preenchida e intensa. Escrevi o amor e escrevi o mar.
E, em exclusivo para o blogue «O Tempo entre os meus Livros», deixo o meu primeiro rascunho, em jeito de making of da sinopse do livro:


Ano de 1493. Depois de reunir com D. João II e Cristovão Colombo, a vida de Duarte Pacheco Pereira e o destino do reino ficariam profundamente marcados. 
«A Confissão do Navegador» é um empolgante romance histórico que nos leva a vivenciar as emoções das viagens marítimas dos descobrimentos e da conquista das Índias. 
Numa época envolta em segredos, conspirações e amores proibidos, o capitão português, pejado de fé e perseverança, enfrentou a fúria dos oceanos, combateu exércitos poderosos e realizou descobertas de importância vital para o país. Porém, na rota das suas viagens, Duarte descobriu muito mais do que poderia sequer imaginar.

Duarte Nuno Braga
autor do livro A Confissão do Navegador

Sem comentários:

Enviar um comentário