Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

domingo, 26 de dezembro de 2010

Ao nosso redor?


  • Edição: 1
  • Editor: Livraria Bertrand
  • Data de publicação: 1979

Este livro de páginas amarelecidas pelo tempo chegou-me às mãos, via BLX, recomendado já não sei por quem. Embora o título seja significativo, "Só acontece aos outros - Histórias de violência", a capa de outros tempos sugere-nos assuntos de outras épocas, que já não têm nada a ver com a nossa realidade. Mas não! A violência é um assunto contemporâneo, habitando ao nosso lado muitas vezes disfarçada, camuflada, sobretudo a violência contra os mais fracos - as mulheres e as crianças.

A acção decorre entre 1970 e 79. Foram reportagens realizadas pela jornalista Maria Antónia Palla, no semanário já desaparecido O Século Ilustrado, e que retratam casos de violência vivenciados em Portugal, tendo ficado por esclarecer muitos dos mistérios que lhes estavam subjacentes.

Podiam muito bem ter constituído o início de vários romances... Prendem-nos logo pela forma como estão escritos só que, na realidade, são pequenas-grandes histórias verídicas de violência gratuita e outras de actos irreflectidos e brutais, onde a omissão dos vizinhos está presente e contribui para a realização de vários crimes. O que nos faz perguntar: O que se esconde ao nosso lado? Será que olhamos devidamente ao nosso redor? Denunciamos ou fingimos não ver?

  • Terminado em 26 de Dezembro de 2010

Estrelas: 4*

Sinopse

Jornalista corajosa e independente, uma das mais prestigiadas da nossa imprensa, Maria Antónia Palla desde sempre se interessou pelos "casos humanos", muito especialmente aqueles que envolviam as mulheres e as crianças.
"Só acontece aos outros" reúne alguns dos muitos casos em que interveio como repórter e a sua escolha assenta em duas linhas gerais: são histórias de violência e histórias em que a violência recaiu sobre mulheres e crianças.
Contadas de uma maneira directa, como reportagens que são, não excluem, no entanto, a visão emocionada de quem, por muito que habituada à realidade, não se conforma com ela.


4 comentários:

  1. Tenho esse livro e li-o em 1985, segundo o registo feito no mesmo. Lembro-me bem deste livro pois na época fiquei deveras impressionada com os casos. Ainda não havia uma mediatização tão grande como hoje e o livro na altura foi de certa forma uma pedrada no charco. Lamentavelmente, casos parecidos continuam a ocorrer na nossa sociedade.

    ResponderEliminar
  2. Se calhar foi algum comentário teu que eu li, Teresa!

    ResponderEliminar
  3. Acho que não Cris. Há tantos anos que não pegava neste livro... Quando li o teu post é que reparei que apesar de o ter lido há tantos anos, retenho ainda na memória as impressões com que fiquei depois de o ler. Na altura fiquei muito marcada por este livro. Como já disse,naquela altura não havia tanta mediatização e portanto não se sabia a dimensão deste flagelo.

    ResponderEliminar
  4. Fiquei com a ideia de teres falado nele no site da Presença... mas se calhar estou a fazer confusão, bjinhos

    ResponderEliminar