Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quinta-feira, 28 de abril de 2011

A rainha branca de Philippa Gregory


Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 448
Editor: Livraria Civilização Editora
ISBN: 9789722630122

De Philippa Gregory li "Duas irmãs, um rei" e gostei muitíssimo! Esta escritora possui uma escrita que nos prende logo do início e é com mestria que os factos reais são mesclados com lendas e ficção, tornando o enredo rico e permitindo-nos entrar na época, visualizando até os trajes, sentindo e odiando tal qual as próprias personagens! Para mim isso faz toda a diferença e distingue um bom livro de um livro óptimo!

E assim, com este livro, viajamos para Inglaterra, de 1464 a meados de 1485, pela mão de Isabel Woodville, da casa de Iorque e futura rainha. As guerras intermináveis pelo poder, entre primos, e pela linha de sucessão que levam a assassínios e a combates sem fim; o(s) rei(s), suas amantes e traições; o papel das mulheres, muito limitado por um lado mas determinante por outro no que concerne às intrigas na corte; o mundo da magia e da bruxaria; tudo nos é contado com um toque de realismo e, ao mesmo tempo, de ficção que me encantou de sobremaneira! 


Depois de ler o livro gosto especialmente de saber quais os pormenores que são ficção e os que não o são e a autora, através de algumas notas, explica-nos um pouco do seu processo criativo. Recomendo vivamente para quem gosta deste género de romances, como eu!



Terminado em 27 de Abril de 2011

Estrelas: 5*

Sinopse

A história do primeiro volume de uma nova trilogia notável desenrola-se em plena Guerra das Rosas, agitada por tumultos e intrigas. A Rainha Branca é a história de uma plebeia que ascende à realeza servindo-se da sua beleza, uma mulher que revela estar à altura das exigências da sua posição social e que luta tenazmente pelo sucesso da sua família, uma mulher cujos dois filhos estarão no centro de um mistério que há séculos intriga os historiadores: o desaparecimento dos dois príncipes, filhos de Eduardo IV, na Torre.

Sem comentários:

Enviar um comentário