Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

sábado, 30 de junho de 2012

Na minha caixa de correio

   

O Dom do Dinis de Ana Terceiro e Paulo Rosa


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 280
Editor: Alphabetum Editora
ISBN: 9789898590015

Não é um comentário sobre este livro que pretendo fazer. Não há comentários a fazer quando o que se tem pela frente é uma montanha de Fé, Esperança e Luta.
Por mais que eu escreva não consigo transmitir devidamente todos os momentos pelos quais passaram e ainda passam todos os dias os pais do Dinis e este menino especial. Especial pelo amor que dá e que recebe dos que à sua volta convivem.
Peguem neste livro. Folheiem-no, leiam partes dele, e comprovem o que digo: Só pais realmente especiais são merecedores de um menino tão especial. Fiquei deveras impressionada com as dezenas de anestesias que esta criança já foi sujeita. Esperemos que o seu caminho por cá se fortaleça e que o seu dom ilumine este mundo por muito tempo! 

Terminado a 26 de Junho de 2012

Estrelas: 5*, pela força do Dinis e dos pais


Sinopse


O Dom do Dinis é uma história real de determinação e coragem, de uma luta desleal travada com o destino que decidiu comunicar-nos aos 11 meses de vida que o nosso filho Dinis padecia de uma síndrome genética com complicações neurológicas muito complexa e rara, designando-se pela literatura médica como Leucoencefalopatia (LCC), calcificações e quistos cerebrais. Uma doença incurável e sem gene conhecido.






sexta-feira, 29 de junho de 2012

Novidade Bertrand


Não te mexas
de Margaret Mazzantini
Timoteo é um dos cirurgiões mais conceituados de Itália, casado com uma mulher lindíssima, com quem vive num apartamento de luxo e numa villa junto ao mar. Tudo na sua vida parece envolto em sucesso e glamour. Mas eis que a filha de quinze anos tem um acidente e é levada em coma para o hospital onde ele trabalha. Enquanto um colega faz uma delicada operação à cabeça da rapariga, o agonizante Timoteo prende irremediavelmente o leitor na teia da sua espantosa confissão. É que, debaixo do verniz da sua vida encantadora, reside uma história sórdida, degradante, da mais estranha das paixões. Timoteo partilha connosco o seu fatídico romance com uma mulher que, desde o primeiro momento, corrói tudo aquilo que ele julgava saber acerca de si próprio.
O arrepiante retrato de um homem extraordinariamente seguro de si que perde todo o controlo sobre a sua vida e as suas emoções tem arrebatado leitores do mundo inteiro e deu origem a um filme homónimo, protagonizado por Penélope Cruz.

Novidade ASA


O SEGREDO DE SOPHIA
de Susanna Kearsley
Carrie McClelland é uma escritora de sucesso a braços com o pior inimigo de qualquer artista: um bloqueio criativo. Em busca de inspiração, ela decide mudar de cenário e visitar a Escócia, onde se apaixona pelas belas paisagens e pelo Castelo de Slain, um lugar em ruínas que lhe transmite uma inexplicável sensação de pertença e bem-estar. Tudo parece atraí-la para aquele lugar, até mesmo o seu coração, que vacila sempre que encontra Stuart Keith, um homem que acaba de conhecer mas lhe é, também, estranhamente familiar.
Com o castelo como cenário e uma das suas antepassadas – Sophia – como heroína, Carrie começa o seu novo romance. E rapidamente dá por si a escrever com uma rapidez invulgar e com um imaginário tão intrigante que a leva a perguntar-se se estará a lidar apenas com a sua imaginação. Será a “sua” Sophia tão ficcional como ela pensa?
À medida que a sua escrita ganha vida própria, as memórias de Sophia transportam Carrie para as intrigas do século XVIII e para uma incrível história de amor perdida no tempo. Depois de três séculos de esquecimento, o “segredo de Sophia” tem de ser revelado.

O primeiro alquimista de Sofia Martinez



Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 224
Editor: A Esfera dos Livros
ISBN: 9789896263935



Li com verdadeiro prazer este livro. Romance de época - de uma época sobre a qual pouco sabia - despertou a minha atenção quando me apercebi que, junto com a envolvência do romance em si, estava a par de muitos factos verdadeiros sobre a Idade do Bronze em Portugal (c. 1750-1250 a.C.). Ler é aprender e já tenho deixado aqui a minha opinião favorável quando tal acontece nas minhas leituras.


E gostei, sobretudo, porque ao tomarmos conhecimento da história, do romance, vamos-nos apercebendo que muitos dos pormenores narrados - como se vivia na altura - soam a verdadeiro. Isso comprovamos realmente no final do livro. Essas informações verídicas são-nos fornecidas pela autora de uma forma hábil e subtil, sem excessivas descrições que poderiam maçar o leitor.


A história é simples. Poderia ser verídica. Os factos históricos tornam-na credível. 


Leitura útil, também, para os mais jovens. Um livro que poderia estar perfeitamente integrado no PNL.


Terminado em 24 de Junho de 2012

Estrelas: 4*+

Sinopse
Quando a jovem Breia recupera a consciência depara-se com Bran, o grande mestre fundidor da aldeia da Fraga, e Tor, o seu corajoso aprendiz. Estes calcorreavam o vale em busca do precioso minério, para forjar machados de bronze. Breia assusta-se ante os dois estranhos. Sentia ainda o cansaço e o medo de ter sido perseguida durante dias por dois homens que a ameaçavam com os seus machados. Sentia as dores no corpo de ter caído naquele abismo, de onde nunca imaginara poder sair. Mas, ao cruzar os seus olhos com os de Tor, Breia vê nele o seu porto de abrigo, o seu salvador. O mestre fundidor decide adotar a jovem, que se recusa a dizer o seu nome e a revelar as suas origens, e leva-a para a sua pequena aldeia. Decide chamar-lhe Nan-tai e é com este novo nome que a jovem se adapta à sua nova vida. No entanto, tudo se complica quando o povo do Norte vem à aldeia da Fraga para entregar Raina, a noiva de Binan, o filho do chefe da aldeia. O segredo de Breia seria finalmente descoberto.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Passatempo 2º Aniversário / Papiro Editora


 

O passatempo decorre até 7 de Julho.

Passatempo 2º Aniversário / Alfarroba


   

O passatempo decorre até 7 de Julho.


Passatempo 2º Aniversário / Quinta Essência


 

O passatempo decorre até 7 de Julho.

Passatempo 2º Aniversário / Alphabetum Editora


 

O passatempo decorre até 7 de Julho.

Passatempo 2º Aniversário / Planeta Editora


  

O passatempo decorre até 7 de Julho.

Passatempo 2º Aniversário / Chiado Editora


   

O passatempo decorre até 7 de Julho.

Passatempo 2º Aniversário / ASA


  

O passatempo decorre até 7 de Julho.

Passatempo 2º Aniversário / Bizâncio



O passatempo decorre até 7 de Julho.

Passatempo 2º Aniversário / Presença


 

O passatempo decorre até 7 de Julho.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Novidades Planeta

PECADOS ESCONDIDOS   
de Emma Wildes
Não foi a arte do engano que desconcertou Michael Hepburn, mas sim a inocência. A sua recém-esposa era confiante, bonita e, para seu espanto, absolutamente fascinante.
Julianne Sutton sempre soubera que casaria com o marquês de Longhaven, como fora acordado anos antes pelas famílias. No entanto, assumira que o marido seria Harry, o afável herdeiro ducal, e não o enigmático irmão. Quando Harry morreu de forma inesperada e Michael lhe sucedeu como o novo marquês, não foram apenas os planos de casamento de Julianne que se alteraram.
Michael combatia um inimigo implacável num jogo de espionagem e engano, mas quando descobriu que a mulher tinha os seus próprios segredos, depressa descortinou que o amor se regia por um conjunto de regras completamente diferentes…

O PRISIONEIRO DO CÉU 
de Carlos Ruiz Zafón
Um estranho entra na livraria dos Sempere e semeia a ansiedade no coração de Daniel, que terá de descobrir, pela mão do seu amigo Fermín Romero Torres, um passado que nunca suspeitava.
Tudo isso, claro, acontece em Barcelona, 1957. Daniel Sempere e o amigo Fermín, os heróis de A Sombra do Vento, regressam à aventura, para enfrentar o maior desafio das suas vidas.
Quando tudo lhes começava a sorrir, uma inquietante personagem visita a livraria de Sempere e ameaça revelar um terrível segredo, enterrado há duas décadas na obscura memória da cidade.Daniel vai concluir que o seu destino o arrasta inexoravelmente a confrontar-se com a maior das sombras: a que está a crescer dentro de si.

QUEM SOFRE SÃO AS CRIANÇAS 
de Donna Leon 
A tranquilidade da noite veneziana é perturbada quando um bando de homens armados força a entrada no apartamento do Dottor Gustavo Pedrolli, fracturando-lhe o crânio e levando o bebé de dezoito meses.
Quando o Comissario Guido Brunetti, arrancado da cama pela notícia, chega ao hospital para investigar, ninguém sabe o porquê de tão violenta agressão ao eminente pediatra.
Mas Brunetti em breve começa a descortinar uma história de infertilidade e desespero, e um submundo onde os bebés podem ser  comprados com dinheiro, entre um esquema fraudulento com farmácias e médicos da cidade. O conhecimento pode ser tão destrutivo como a ganância, certas informações acerca de um vizinho podem levar a todos os tipos de corrupção e a diversas formas de dor.

O despertar do adormecido de Alistair Morgan

Ao ler a sinopse fiquei bastante curiosa e com vontade de ler rapidamente este livro. Mal chegou, não resisti. 


Escrito na primeira pessoa, em jeito de confidência, o personagem principal, John, vai-nos pondo ao corrente de toda a tragédia que sofreu e de como consegue sobreviver à morte das duas pessoas mais chegadas: a sua mulher e a sua pequena filha, vítimas de um acidente de carro. Primeiro, a fuga da realidade, seguida de remorsos pesados e autodestrutivos, visto que ele era o condudor do veículo.


Ao isolar-se, tenta fugir de si próprio, dos seus pensamentos. Pensa no presente, evita o passado, não toma planos em relação ao futuro. Vive entorpecido, alcoolizado muitas vezes. E é este aprofundar de sentimentos que comprova a mestria do escritor. Os erros cometidos por John e que comete posteriormente nestas acções que o livro relata, levam-nos a simpatizar e a desculpabilizar o personagem.


Achei o final um pouco inacabado. Se é certo que o personagem consegue libertar-se do torpor em que vivia, parece-me que o autor poderia ter explorado mais esse aspecto e pela sua forma de escrita conseguiria agarrar o leitor de igual maneira. O salto na narrativa que se verifica no final deixa-nos um olhar vago do que aconteceu na realidade...


Uma leitura que nos anestesia e nos prende tanto pelos sentimentos abordados como pelo tema tão difícil de aceitar na vida real: a morte de familiares chegados e como voltar a viver e a recomeçar.

Terminado em 23 de Junho de 2012

Estrelas: 4*

Sinopse



John Wraith, de 46 anos, recupera a consciência depois de um grave acidente; só então toma conhecimento de que a sua mulher e a sua filha de 5 anos morreram tragicamente no carro que ele mesmo conduzia. Por sugestão da irmã irá recuperar na casa de férias, em Nature’s Valley, um local remoto da costa sul-africana. É Inverno e a terra está quase deserta. Porém, conhece aí uma perturbada jovem de 17 anos, o seu pai e o seu irmão, e deixa-se atrair irremediavelmente por esta família disfuncional. Uma análise intensa sobre a perda e a obsessão que fazem de O Despertar do Adormecido um notável thriller psicológico.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Novidade Clube do Autor


Passeio a Beira-Mar
de Joan Anderson
Depois do bestseller Um Ano à Beira-Mar, uma obra autobiográfica sobre o percurso de uma mulher até à auto-descoberta e auto-realização, chega Passeio à Beira-Mar, um livro que ensina a viver intensamente cada segundo da nossa vida. A história de vida de Joan Anderson é um testemunho terno e sincero da sua condição de mulher, e, simultaneamente, um relato inspirador que tem ajudado milhões de pessoas a reencontrar a alegria de viver.

Resultado do passatempo "Crónicas do Avô Chico"

Anuncio hoje o resultado do passatempo "Crónicas do Avô Chico" de Pedro Jardim gentilmente cedido pela Chiado Editora

Dos 172 participantes foi sorteado o nº 46 que corresponde a:

 - Marlene Silva de Mafamude/V.N.Gaia

Muitos parabéns e obrigada a todos os participantes! Não se esqueçam de no dia 28 vir aqui dar uma espreitadela. Haverá muitas surpresas!

A convidada escolhe... O estranho caso do cão morto

Com este comentário da Teresa fiquei rendida e já o tenho cá na estante para o ler, esperando uma aberta nesta lista infindável de livros que é a minha pilha...Obrigada pelo empréstimo, Teresa! (Cris)

"Mais um livro que me veio para às mãos através duma troca de livros e que se revelou uma inesperada e excelente surpresa!

A história é-nos contada na primeira pessoa por Christopher, um jovem de 15 anos que sofre de Autismo e que vivendo no seu mundo muito peculiar é de repente catapultado para situações que o vão obrigar a "entrar" no mundo dito normal.Christopher é obcecado por números primos (os capitulos do livro são ordenados pela sequência desses números), não suporta ser tocado pelos outros, não gosta de amarelo e castanho mas adora vermelho e é um aluno excelente a matemática e ciências, quando se enerva e entra em "crise", faz extraordinárias contas de cabeça e tem uma extraordinária memória fotográfica.
Um dia este cenário é alterado quando descobre o cão duma vizinha morto com uma forquilha. Começa então a sua investigação para descobrir o culpado do crime que tanto o impressionou. E resolve mesmo escrever um livro anotando todos os passos da sua investigação.
É esta decisão que vai mudar completamente a sua vida e a  visão do mundo que o rodeia. Os desafios que vai enfrentar que a nós parecem minímos, são enormes e geradores de stress intenso. O simples acto de entrar num transporte público é duma dimensão grandiosa para Christopher e requer toda a sua força  para o conseguir fazer.

Durante esta leitura que inicialmente nos pode parecer absurda, vamos gradualmente percebendo o quanto é plausivel e conseguimos de facto "ver" a história pela cabeça de um jovem autista de 15 anos!
O autor terá tido o seu trabalho simplificado pelo facto de ter trabalhado com crianças autistas e consegue duma forma fantástica levar-nos a conhecer esse tipo de disfunção e a perceber o raciocinio de Christopher.

Uma pequena advertência: mal começamos a ler o livro ficamos absorvidos até ao final...

Lembrei-me diversas vezes de um outro livro, Lotaria de Patricia Wood, que embora seja diferente tem alguns pontos de semelhança. Se Lotaria me fascinou, O Estranho Caso do Cão Morto não ficou nada atrás!

Quanto á forma de escrita de Mark Haddon, é extremamente bem estruturada e não é alheio o facto de ele ter ensinado Escrita Criativa!
Uma história comovente, com excelentes momentos de humor mas também com momentos de uma sensibilidade incrível, que nos faz pensar e tentar compreender o drama de quem vive com este tipo de disfunção. Que nos leva a compreender e aceitar as diferenças e desperta a nossa consciência.

Excelente é o adjectivo que encontro para classificar este pequeno/grande livro."

Teresa Carvalho

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Aniversário do blogue


Pois é! O Tempo entre os meus livros vai fazer esta semana dois anos. Como o tempo passa rápido! Parece que foi ontem que me estreei nestas andanças dos blogues. Como alguns sabem, o blogue surgiu como uma forma de ficar registado os meus comentários aos livros que lia, pois a lista dos livros lidos era tão grande que, frequentemente, esquecia a minha opinião sobre eles...

E  acabou por crescer mais do que alguma vez imaginei, contando, posteriormente, com o apoio editorial de algumas editoras. Como devem imaginar não é fácil, com o ritmo de leitura elevado que tenho, conseguir "trazer" para casa todos os livros que desejo ler. O meu muito obrigada a todas as editoras que alimentam este sonho!

E, como o blogue sem leitores não é uma realidade muito agradável, quero-vos agradecer, a todos vocês que por aqui passam com mais ou menos frequência e que deixam comentários. Um beijinho grande também para aqueles que me visitam mas que não comentam... Podem fazê-lo pois são sempre bem vindos!

Para todos vocês esta semana e a próxima vai ser especial! Tenho  22 LIVROS para sortear  em passatempos múltiplos. Vão ser todos publicados a horas variáveis, no dia de aniversário do blogue -  28 de JUNHO. Todos os passatempos terão a duração de 10 dias.


Deixo aqui uma lista dos livros que podem ganhar:

Passatempo 1 - Editorial Presença - às 8horas
                            - O Perfume, Patrick Süskind
                            - Cidade impura, Andrew Miller

Passatempo 2 - Editorial Bizâncio - às 9 horas
                            - O despertar do adormecido, Alistair Morgan

Passatempo 3 - Asa - às 10 horas 
                             - Grita, Laurie Halse Anderson
                             - Escândalo, Therese Fowler
                             - À Procura de Alaska, John Green

Passatempo 4 - Chiado Editora - às 11 horas
                             - Universus, José Manuel Freire
                             - Trepidação - Trepanação, João Meirinhos
                             - A herança da Chaxiraxi, Gualberto do Rosário
                             - Aqui vai o lenço, Inês Maomé
                             - Notas de viagem, Maria João Castro

Passatempo 5 - Planeta - às 12 horas
                            - Um toque de escândalo, Jennifer Haymore
                            - A queda da Babilónia, Montserrat Rico Góngora

Passatempo 6 - Alphabetum Editora - às 13 horas
                            - Sou mercúrio, já fui água, Regina Correia
                            - À conta dos objectos, Marlene Silva

Passatempo 7 - Quinta Essência - às 14 horas
                            - O sabor da Tentação,  Elizabeth Hoyt
                            - Para sempre meu amor, Cathy Kelly

Passatempo 8 - Alfarroba - às 15 horas
                            - Uma Linha de Torres, Emílio Miranda
                            - Amor carnal, Pedro Pinto
                            - Deixa que te diga, Rosa Maria Ribeiro

Passatempo 9 - Papiro - às 16 horas
                            - Filosofias de um Ermitão Moderno, Mário Santiago
                            - Pelo Gosto da Aventura, João Carlos Sarabando

                     

Aproveitem e participem! Boa sorte!

domingo, 24 de junho de 2012

Passatempo "Encontros de Vidas"

O tempo entre os meus livros em parceria com a Editora Papiro,  tem para sortear um exemplar do livro de Angelino Pereira, "Encontros de Vidas".

O passatempo decorre até ao dia 30.

Boa sorte!

Ao Domingo com... Angelino Pereira

"Se me perguntarem a razão por que escrevo.

Posso dizer-vos que me preocupa o caminhar apressado das pessoas, sem tempo
para pensarem. Todos caminham sem tempo para nada. A vontade de chegar, sem saber onde, na ganância de tudo, atropela e esmaga a esperança de viver. E as crianças, que a sorte não privilegiou ao nascer, são apanhadas pela velocidade do tempo, na dor, na fome, na desgraça e na indiferença de quem passa. A sociedade humilha as crianças e faz a pessoas que depois detesta. Então o poeta, inconformado, grita na esperança que o mundo o ouça: “Usadas porquê e por que razão?” As crianças são o melhor do mundo…

E olhando o nosso mundo, o que vemos?! Através da “caixa mágica” observamos a maldade e ouvimos os gritos da dor adormecida na fome de crianças que o homem escraviza. E o GRITO do poeta atormentado soa no tempo da irracionalidade que faz a guerra e mata a vida de tantos inocentes.
A criança continua sofrendo porque o homem não tem noção do tempo e mata a criança que nasceu dele, e pior, não a sentiu crescer nele. Então a minha escrita e o meu grito, com alma aflita, mas sempre insisto para decifrar o mistério da pobreza humana.

Os leitores gostam de saber o que pensa o escritor quando escreve histórias que alimentam as suas vidas. É claro que sempre lhes digo que eu sou o fruto dos livros que li e vou crescendo nos livros que vou lendo. E quando escrevo dou a alma para alimentar a vida do leitor, porque também outros autores alimentam a minha. E se cada um dá do que tem, eu, quanto mais tiver mais posso dar, daí a minha procura permanente do saber para alimentar emoções e produzir ensinamento.

Entre as questões que me colocam, a propósito do meu mais recente romance “Encontros de vidas”, eu posso responder de forma simples como deve ser a vida para se revelar bela e para que os leitores conheçam um pouco mais de mim:

1. O público gosta de saber como se escreve a obra, quais objetivos que a
orientam?
Escrevendo, dia a dia, hora a hora, pensando no mundo e nas pessoas e nos
problemas que as consome. Sabe, Robert Kennedy disse um dia: “Há homens que vêm as coisas como são e perguntam: Porquê? Eu sonho coisas que nunca existiram e digo: Porque não?” O objectivo da minha obra é tornar o mundo mais humano já que temos perdido essa humanidade em favor do material que nos conduz a nada e decerto resulta no vazio de nós mesmos.
Temos que parar e pensar se vale a pena caminhar tão depressa para não chegar, porque nos perdemos no caminho. Quando algum dos meus alunos me diz: professor: “Não sei como fazer o trabalho que me recomendou.” Então, eu respondo-lhe: “Quanto chegares ao cruzamento que te mostra vários caminhos, ficas perdido, desnorteado, se não tiveres previamente definido a direcção que queres seguir. Primeiro precisamos de saber por onde queremos ir e o resto é fácil se tivermos vontade para continuar. É tudo uma questão de querer: querer estar, querer fazer, querer partilhar... Porque na vida só faz falta quem quer estar.”

2. Qual o tempo que dedica à sua escrita?

O tempo para a escrita e, para a leitura, porque não se pode escrever sem primeiro ler muito, é o possível. Mas para quem não vive da escrita, é o que se pode retirar ao descanso do corpo para desenvolver o pensamento que muito melhora a qualidade do trabalho que tenho que realizar e poder retirar os meios para sobreviver e pagar o meu vício de escrever, que não tem sido nada fácil com a já considerável produção literária que tenho ao dispor dos leitores.
Mas o tempo para a escrita está sempre condicionado ao momento de inspiração, ao lugar, à emoção. Posso agarrar as personagens ou perdê-las e às vezes tenho que me levantar de madrugada para falar com elas. Daí que existem muitas variáveis para a realização do romance e, dependendo do número de páginas, pode precisar de dois anos ou mais para a sua concretização, ficando entretanto produzidos muitos textos e muitas participações em antologias, jornais e-books e tantas mensagens partilhadas com amigos da mesma loucura espalhados pelo mundo, principalmente lusófono, nos sons da mesma língua, com sabor especial.

3. A forma de ver a vida e a esperança que o livro pode dar?

Devemos ver a vida sem medo. Acho até que o medo é um empecilho do desenvolvimento e da felicidade. Os meus livros mostram crises, económica e de valores mas a segunda é a que mais me incomoda... E enquanto não conseguirmos resolver a crise de valores jamais conseguiremos resolver a crise económica. O mundo foi enganado! Os homens prometeram um céu que eles imaginaram cheio de tudo e enganaram-se. Puserem as pessoas à procura entre bens materiais mais sofisticados e anda tudo perdido, procuram e não se encontram, porque o céu que os homens prometem não existe. O céu da felicidade está dentro de cada um de nós e não vale a pena procurar se o próprio não se encontra.
Os meus dois romances, os mais recentes: “O Preço da Vitória” maio de 2010, e agora “Encontros de vidas” são ensinamentos de vida cientificamente provada, e podem ajudar a orientar projectos, até os que há muito foram adiados. Os livros podem mudar a vida de qualquer leitor.
A minha vida tem sido influenciada por autores que li e outros que vou lendo.

4. A quem interessa a leitura dos seus livros?

A todos, mas particularmente aos jovens para quem direciono esperança e vontade para vencer. O mundo não é tão mau como alguns o querem pintar.
Eu mostro-lhes como em tempos difíceis se pode vencer com determinação.
Têm que lutar por aquilo que acreditam. O pior que nos pode acontecer é não termos projectos de vida, ideias que fazem a nossa forma de estar no mundo.
Não temos que copiar ninguém mas sempre iguais a nós próprios. Sabemos que temos que viver com as diferenças que geram problemas, que temos que resolver. É por isso que estamos aqui...cada um com seu lugar no mundo, pelo seu próprio direito de estar.
Todos iguais nos direitos mas diferentes na personalidade que carateriza o indivíduo e o torna igual a si próprio, sem ter que ser igual a ninguém. Nenhum ser humano repete as linhas que identificam as impressões digitais!
Há uma tendência para formatar... Criar estereótipos e eu quero alertar para o perigo da manipulação das massas.

5. Quando surgiu o interesse pela escrita?

Desde muito cedo, como acontece com todas as pessoas que gostam de ler e se apaixonam pela vida. A adolescência é uma idade marcante pelas grandes paixões. Escrevemos muitos poemas à procura de respostas para tantas interrogações que nos afectam e tantas vezes podem desviar as nossas orientações de vida. É um período determinante para desenvolver as nossas capacidades. Na adolescência todos os caminhos são possíveis e eu enveredei também por este, que é a minha sã loucura.
Mas o isolamento gerado pela guerra colonial (em África) refortaleceu o que estava guardado em mim e quando regressei para junto dos meus, fui completando um conjunto de textos que mais tarde fizeram o meu primeiro livro, “no conto do meu poema” – 1995 - Participando entretanto em concursos de poesia e jornais e na antologia dos poetas vimaranenses – 1993. E pronto o resto já conhece, através da minha biografia e nos caminhos da internet: meu blogue e facebook.

6. Quais os temas tratados neste romance?

Os grandes temas da vida: os verdadeiros valores da humanidade num mundo em risco de se desumanizar. As grandes interrogações da consciência e os objetivos de cada um que devem merecer a atenção dos governantes para não perdermos o potencial humano. Todas as organizações se fazem com as pessoas e todos os objectivos devem ter como fim as pessoas. Desviar as novas capacidades para fins não humanitários é muito perigoso, porque pode gerar descontentamentos incontroláveis. Não devemos menosprezar ninguém, porque ninguém é dono do mundo nem da vida. Graças a Deus.

7. Consegue eleger um favorito de entre os sete livros que já escreveu?

Eu tenho sete filhos diretos, e mais uma filha e algumas dezenas adotados por cooperação. São participações em coletâneas: antologias e CDs. Mas o mais forte foi escrito pelo “Preço da Vitória", muito recomendado para o trabalho sério de cada um. Agora tenho este amor imenso para que os leitores viajem pelos caminhos do bem-fazer, realizando tudo por amor. Quem faz por amor está permanentemente apaixonado. Como escrevo por amor, estou apaixonado por todos os livros que escrevi. Eles são a minha loucura.

8. Há algum fundo de realidade nos livros que escreve ou são todos ficcionados?

O autor inevitavelmente arrasta os leitores para os caminhos que percorre ou percorreu. São meras coincidências que se confundem com realidades, numa ficção que pretendo com semelhanças reais para que todos entendam a mensagem. E por vezes os leitores até se revêm nas personagens, e isso é bom para que a mensagem consiga o seu objectivo. Os meus alunos gostam das minhas aulas, porque consigo gerar emoções com exemplos práticos, enquadrando os conteúdos nas vivências do quotidiano. Não se pode falar numa linguagem que distraia, para não desperdiçar sinergias. O poema, para mim, tem que ter musicalidade...

E pronto penso que os leitores ficaram mais esclarecidos... Agora só falta mesmo lerem a obra de Angelino Pereira... Muitos leitores têm enviado parabéns e carinho através de mensagens por todos os meios eletrónicos disponíveis e muitos alegram o autor quando me dizem: “Li e compreendi”.
Transmitem-me uma grande satisfação e um forte estímulo para continuar. Se eu gosto de escrever e alguém me diz que gosta do que eu escrevo, então completa-se o prazer da obra realizada. De qualquer forma eu vou continuar porque gosto do que faço e se vou sabendo da alegria que os meus romances vão produzindo nos leitores, então, tudo se completa no milagre da escrita.

A todos o meu abraço. E enviem notícias através do blogue ou facebook."

Angelino Pereira