Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

sábado, 23 de abril de 2011

Uma amizade


Edição/reimpressão: 2007     
Páginas: 272
Editor: Pergaminho
ISBN: 9789727118076

Este foi o primeiro livro de Marc Levy que li, embora na minha lista constem alguns deste autor, que pretendo ler, sobretudo "Os filhos da liberdade" pois, pela sinopse, pareceu-me ser uma leitura "daquelas" que aprecio, um misto de romance e história verídica.

Não é o caso deste que agora terminei mas, de qualquer forma, esta leitura é bastante agradável, leve, com flashes cheios de humor e divertidos. Reforçamos, também, a ideia que, com a Vida, não se podem fazer muitos planos porque ela, frequentemente, nos troca as voltas e precisamos de saber reformular as nossas intenções e conseguir seguir em frente. 


Não achei, contudo, o enredo nada de extraordinário e as personagens principais, dois amigos, pareceram-me detentores de personalidades demasiado simplistas: embora sendo diferentes entre si, são ambos "bonzinhos" e com facilidade conseguem transformar e mudar os seus defeitos e medos.  Estou a pensar, por exemplo, na questão das vertigens, referida aqui no livro: não me parece que baste simplesmente querer para se ultrapassar esse medo e que se consiga fazer de uma forma tão rápida! A vida, às vezes, é um pouco mais complicada... 


Mas trata-se, como já disse, de uma leitura agradável, simpática, cómica e não me passou pela cabeça abandoná-la por um momento que fosse!  

Terminado em 22 de Abril de 2011

Estrelas: 3*

Sinopse

Mathias e Antoine são grandes amigos e ambos pais solteiros. Quando Mathias se muda de Paris para South Kensington, ele e Antoine encontram a solução perfeita para criarem os filhos num ambiente familiar: decidem viver juntos. Esta família alternativa, composta por dois solteiros trintões e pelos seus dois filhos, tem todas as vantagens imagináveis: tarefas domésticas divididas, as crianças nunca estão sozinhas e nunca lhes falta atenção, além de nunca faltar companhia para as noites de fim-de-semana. Só existem duas regras: nunca recorrer a baby-sitters e nunca levar namoradas para casa. Mas, como todas as famílias, estas não está isenta de tensão. Sobretudo, quando Mathias se começa a mostrar muito interessado em Audrey, uma bela e ambiciosa jornalista que um dia entra na sua livraria, ao acaso… Povoado de personagens inesquecíveis, Meus Amigos, Meus Amores é um retrato enternecedor da vida contemporânea e mais um triunfo do autor francês de maior sucesso dos nossos dias.

Sem comentários:

Enviar um comentário