Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

A Purga de Sofi Oksanen

Finalmente dispuz-me a ler este livro que me tinha sido emprestado e que tantas opiniōes positivas tem. Gostei muito por variadas razōes. 

A primeira está relacionada com a escrita da autora. Simples, directa e reveladora, aos poucos, da trama que nos quer contar. Sem floreados mas de uma grande objectividade. 

Depois, segue-se a história em si que obrigou-me a procurar um pouco da História da Estónia, país do qual sabia muito pouco. E mais uma vez fico agradada quando um livro me induz a procurar algo concreto, passado ou presente, da vida de um povo. Fiquei mais esclarecida sobre as suas lutas passadas e sobre esse país, alvo de tantas ocupaçōes. Mais, fiquei com curiosidade em viajar até lá.

Seguidamente gostei muito da forma como as personagens nos sāo apresentadas, sobretudo de Aliide, uma idosa a quem damos de imediato a nossa simpatia mas que, mais tarde, ao conhecermos o seu passado, confontamo-nos com essa dádiva. Merece realmente essa simpatia ? O que será que esconde essa mulher solitária, perturbada e que é perseguida pelos aldeōes? Zara, outra personagem, é também alguém com quem sentimos empatia imediata. Pela sua grande ingenuidade que lhe trouxe problemas graves e vivências que nenhum ser humano devia conhecer. As duas, ligadas por laços de famîlia que ambas julgavam impossíveis.

O passado e o presente. E uma viagem por um país, através da história destas duas mulheres. Recomendo muitíssimo!

Terminado em 8 de Janeiro de 2017

Estrelas: 6*

Sinopse
Em 1992 a União Soviética desmorona-se, e na Estónia é possível por fim saborear a liberdade e projectar o futuro. Todos migram para a capital e ninguém quer viver no campo. Ficam apenas os velhos, alguns bêbados e bandos de rapazes desordeiros. Aliide Truu, senhora idosa, vive alheada do mundo na sua casa numa aldeia despovoada, e passa os dias a ouvir rádio e fazer conservas de fruta. A aparente normalidade da sua existência é despedaçada numa noite de fim de Verão, quando a sua vida se cruza com a de uma jovem mulher que precisa desesperadamente da sua ajuda. Zara conta que trabalhava como empregada de mesa, e que anda fugida do marido violento. Nada disto é verdade. Ao inventar uma história para si, Zara espera conseguir esquecer o passado. Ao oferecer abrigo a Zara, também Aliide terá de confrontar o passado nebuloso, carregado de paixões, traições e vinganças. Para poderem sobreviver, ambas as mulheres terão de enfrentar e aceitar a verdade da sua história. E só então poderão também descobrir os inesperados laços que as unem. As vidas de Zara e Aliide, e das gerações de mulheres que representam, desdobram-se sobre o pano de fundo da ocupação soviética da Estónia e compõem um mosaico da sociedade europeia dos últimos cinquenta anos: a repressão política, o tráfico humano, a violência sobre as mulheres. É diante deste inquietante cenário que a vida fervilha e se desenrola um incrível drama familiar, pleno de rivalidade, culpa, desejo e amor.         

Cris

2 comentários:

  1. Olá!
    Quero muito, mas muito ler livro!
    Parece muito bom.
    Boas leituras

    ResponderEliminar
  2. Olá Isaura, que bom apareceres por aqui... Eu gostei muito desta leitura. Intensa e dolorosa por vezes. Vais gostar!

    ResponderEliminar