Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Em nome do filho de Luísa Castel-Branco


Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 300
Editor: Clube do Autor
ISBN: 9789898452818

Li, desta autora, "Alma e os mistérios da vida". Gostei muito, ficando surpreendida com a sua escrita forte e que consegue chegar com muita facilidade aos leitores, emocionando-os. 

No seu segundo livro, "Não digas a ninguém", fiquei-me pelas primeiras páginas... Não me agarrou, não sei explicar porquê. Às vezes, precisamos largar uma leitura. Para a retomar mais tarde... ou não! Quem lê sabe do que falo.

"Em nome do filho" começa com uma história suave que se vai intensificando com o desenrolar dos acontecimentos. Uma criança desaparece! O tema mexe com os nossos sentimentos e não acredito que quem é mãe não tivesse já apanhado um pequeno susto ou, pelo menos, pensado no que seria se... 

Emocionou-me, claro! A escrita de Luísa Castel-Branco é feita de sentimentos, emoções que transbordam nos diálogos entre os personagens, o coração apertado de quem lê essas palavras sentidas de uma escritora-mãe.

Recomendo. Fiquei com vontade de pegar de novo no "Não digas a ninguém", dar-lhe uma nova oportunidade (ou dar-me a mim própria uma nova chance?!). Já o leram? 


Terminado em 11 de Dezembro de 2011

Estrelas: 5*

Sinopse

Ema, uma menina de Lisboa, é a filha mais nova de uma família burguesa, que, no período da Revolução, se vê obrigada a mudar-se para uma propriedade no campo. Conhecendo todos os segredos da terra, Ema tem o dom de comunicar com a vida e os outros de forma misteriosa e especial. Com o fim da idade da inocência, a sua felicidade, no entanto, só é plenamente conseguida depois de satisfazer o seu desejo de maternidade. 
Felismina, uma rapariga pobre, anormalmente recatada para a época, cresce nos arredores de Lisboa. Educada por uma mãe cruel e manipuladora, consegue libertar-se das amarras da sua vida de miséria. Sai de casa, muda de identidade, passa a chamar-se Mi Sores, e o seu aspeto, outrora macilento e triste, passa a ser sofisticado e luminoso. 
O destino destas duas mulheres cruza-se inesperadamente quando o bebé de Ema é raptado. O pesadelo vivido pela mãe desencadeia uma teia de mistérios e revelações surpreendentes.

1 comentário:

  1. Aconselho a ler «Não digas a ninguém», eu adorei assim como todos os livros da Luísa. Sempre que sai um livro novo lá estou eu a comprar.

    ResponderEliminar