Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quinta-feira, 7 de junho de 2018

"A Rapariga Alemā" de Armando Lucas Correa

Mais um livro lido sobre o Holocausto e mais alguns pormenores que desconhecia e que me fazem gostar cada vez mais desta temática. Aprender e ler, sempre juntos.

Desta feita, o autor conta-nos uma história ficcionada mas baseada num facto real conhecido por muitos como a tragédia do St. Louis, um navio com 937 passageiros, na sua maioria judeus que, fugidos de Berlim, julgavam ter direito a uma nova vida em Cuba, país que estaria disposto a recebê-los. 

Viajamos entre o passado e o presente de algumas geraçōes que mesmo pertencendo a épocas distintas, se tocam no que concerne aos sentimentos e a alguns acontecimentos sofridos que sāo relembrados. Meninas que sāo apanhadas no meio de guerras sem sentido e difíceis de explicar, onde o ódio é a palavra que comanda a acçāo.

Hannah e Anna, duas crianças envolvidas em guerras tāo diferentes e, no entanto, tāo semelhantes! A falta de amor pelo próximo sempre a liderar as acções do Homem e, fazendo com que, muitas vezes, ele nāo seja digno que usar a letra maiúscula no início do seu nome...

Um romance que me surpreendeu pela positiva, com garra suficiente para prender o leitor logo nas primeira páginas numa leitura deveras fantástica.

Terminado em 31 de Maio de 2018

Estrelas: 5*

Sinopse
Com o aproximar da guerra, a vida da jovem alemã Hannah Rosenthal mudou. Em 1939, as ruas de Berlim estão decoradas com bandeiras vermelhas, pretas e brancas. Pelas ruas andam «ogres», vestidos com uniformes castanhos.

O pai de Hannah parece mais diminuído a cada dia. E a sua mãe vive sempre com medo. É quando decidem fugir da Alemanha a bordo do navio St. Louis, com destino a Cuba, que lhes dará asilo.


Cerca de 70 anos depois, em Nova Iorque, Anna Rosen recebe uma encomenda. No dia do seu 12.º aniversário, chegam às mãos de Anna fotografias de família do pai, Louis, um cubano que nunca conheceu. O nome da remetente é Hannah, e o pacote vem de Cuba. Louis morrera nas Torres Gémeas a 11 de setembro de 2001, pouco antes de Anna nascer.

Qual será a relação entre ambas?

Decididas a desvendar os mistérios do homem das suas vidas, Anna e a mãe viajam até Cuba para conhecerem Hannah, que as espera. Conseguirão todas encontrar as respostas que procuram?


De Berlim, nas vésperas da Segunda Guerra Mundial, a Cuba, à beira da Revolução; da Nova Iorque pós-11 de Setembro à Havana da atualidade, esta história real mostra-nos toda a força e determinação de gerações de exilados, ainda e sempre à procura do seu lugar no mundo.

Cris

Sem comentários:

Enviar um comentário