Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

20 anos depois de Anabela Spranger


Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 226
Editor: Chiado Editora
ISBN: 9789896970598

Há livros que nos contam histórias de tal forma estranhas à nossa que é com dificuldade que comunicam connosco. Este foi um deles!
E foi com uma perplexidade crescente que me vi envolvida em situações que me são estranhas, histórias desconcertantes - como o próprio livro refere na capa - vividas pela personagem principal, quase irreais se as compararmos com o nosso "mundo". Não deixo, no entanto, de compreender que elas possam existir realmente.

Na sua busca pelo amor e carinho, Ana, a personagem central deste romance, abre-se a uma amiga e conta-lhe tudo o que passou e o que viveu. Histórias inacreditáveis de mundos e culturas diferentes daqueles a que estamos habituados.

Lê-se com fluidez mas não me atraiu de sobremaneira, talvez porque não me consegui identificar com essas aventuras contadas na primeira pessoa!

Terminado em 4 de Agosto de 2011

Estrelas: 3*

Sinopse

Numa linguagem simples e fluida, Ana recorda episódios vividos nos últimos 20 anos. De um só fôlego, entre risos e alguma mágoa, conta à sua amiga de infância Helena, em 24 horas, tudo o que vivenciou caladamente, durante esses anos. "...vais ter de me escutar durante algum tempo, sem interrupções, nem comentários."br>
Uma vida muito jovem, fustigada por acontecimentos por vezes densos, mas que a autora, com uma enorme simplicidade, desconstrói com pinceladas ora de uma alegria contagiante, ora de um tímido sorriso.

De uma forma leve, salpicada de humor genuíno, a autora arrebata-nos e introduz-nos em ambientes muito diferentes dos que conhecemos, envolvendo-nos numa panóplia de emoções, sabores, sons e sonoras gargalhadas. Sentamo-nos à sua mesa, aspiramos os aromas que se evolam das refeições; somos as "Vagabundas de alta-roda" e as "mendigas"; vestimos a sua camisola velha e as suas calças de ganga; a brisa afaga-nos o rosto.

A paixão é o marco forte que a move. Amamos com(o) ela.

Uma história transversal, um almíscar de culturas, que absorve o leitor até à última palavra proferida.

1 comentário: