Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

segunda-feira, 2 de maio de 2011

A rainha vermelha de Philippa Gregory


Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 408
Editor: Livraria Civilização Editora
ISBN: 9789722630139

Quem gosta e lê romances históricos sabe, em termos gerais, o que vai encontrar: as guerras pelo poder, as conspirações, os casamentos marcados muito cedo para servirem alguns interesses, as infidelidades, as traições, etc, etc... O difícil, neste tipo de leitura como em todas as outras, é descobrir algo na escrita que a diferencie, a distinga e nos transporte para um mundo de traições e intrigas palacianas, e consigamos sentir e sofrer com as personagens, amando-as e odiando-as.

Philippa Gregory fá-lo primorosamente! A sua escrita apaixona. As personagens vivem lado a lado connosco.
Margarida de Beauford,  mãe do herdeiro da casa de Lencastre, ambiciona o trono para seu filho e, com ela, vivemos uma personagem extremamente beata e algo ingénua, que luta conforme pode contra os seus rivais, os herdeiros Iorque pelo direito ao trono. Simpatizamos com esta menina que foi obrigada a casar muito cedo e que teve o seu primeiro e único filho aos 13 anos. Sofremos com ela o tratamento que lhe dão; as dores provocadas pelo parto e pelo afastamento do seu filho, pois consideravam que não "podia" criar uma criança, pretendente ao trono... Mas, de igual modo, começamos a antipatizar com ela quando se torna ambiciosa, excessivamente beata, interpretando a sua vontade como sendo a vontade de Deus e lutando, a todo o custo, para colocar o seu filho no trono! 

Este livro é o segundo desta trilogia e é, de novo, pela voz de uma mulher que vamos tomando conhecimento de um outro lado da mesma História - Inglaterra, 1453 a 1485 - época conhecida pela "Guerra das Rosas". No princípio da minha leitura, procurando uma continuação do primeiro volume, fiquei um pouco baralhada já que tive de voltar atrás no tempo, mas depressa me situei. A "rainha branca" e a "rainha vermelha" situam-se no mesmo plano histórico mas são duas visões - femininas - de uma mesma época. Vamos ver o que nos traz o terceiro e último volume... Recomendo!

Terminado em 1 Maio de 2011

Estrelas: 5*

Sinopse

Herdeira da rosa vermelha de Lancaster, Margarida vê as suas ambições frustradas quando descobre que a mãe a quer enviar para um casamento sem amor no País de Gales. Casada com um homem que tem o dobro da sua idade, depressa enviúva, sendo mãe aos catorze anos. Margarida está determinada em fazer com que o seu filho suba ao trono da Inglaterra, sem olhar aos problemas que isso lhe possa trazer, a si, à Inglaterra e ao jovem rapaz. Ignorando herdeiros rivais e o poder desmedido da dinastia de York, dá ao filho o nome Henrique, como o rei, envia-o para o exílio, e propõe o seu casamento com a filha da sua inimiga, Isabel de York. 
Acompanhando as alterações das correntes políticas, Margarida traça o seu próprio caminho com outro casamento sem amor, com alianças traiçoeiras e planos secretos. Viúva pela segunda vez, Margarida casa com o impiedoso e desleal Lorde Stanley. Acreditando que ele a vai apoiar, torna-se o cérebro de uma das maiores revoltas da época, sabendo sempre que o filho, já crescido, recrutou um exército e espera agora pela oportunidade de conquistar o prémio maior.

Sem comentários:

Enviar um comentário