Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Novidade Presença!


Passatempo para breve no blog!

Data de Publicação: 6 Setembro 2011

LIVRO VENCEDOR DO ORANGE PRIZE FOR FICTION 2011

«Téa Obreht é a descoberta literária mais empolgante em anos.»
Colum McCann

Grande vencedor do Orange Prize for Fiction 2011, considerado «excecional» pelo júri do prémio (reputado galardão que visa a promoção da escrita no feminino, atribuído todos os anos no Reino Unido), A Mulher do Tigre é um dos livros de ficção mais vendidos pela Amazon americana. Um novo talento na ficção contemporânea que, com apenas 26 anos, foi considerada pelo The New Yorker uma das vinte melhores escritoras norte-americanas com menos de 40 anos e foi ainda incluída na lista do National Book Foundation (que elege 5 escritores abaixo dos 35 anos de idade). A Mulher do Tigre tem suscitado uma aclamação unânime e entusiástica por parte da crítica, do público e de outros escritores em todo o mundo.

SINOPSE:


Natalia é uma jovem médica que está destacada numa missão de solidariedade a um orfanato quando recebe a notícia da morte do avô, ocorrida em circunstâncias pouco claras. Ao lembrar-se das histórias que ele lhe contava na infância, convence-se de que o avô passou os últimos dias de vida em busca de uma das suas personagens. Tenta então, a par da missão que lhe foi confiada, compreender as motivações do avô e depara-se com uma pista que a conduz à extraordinária história da mulher do tigre. Realidade e mito, presente e passado sucedem-se nesta evocação sublime dos Balcãs pela mão de uma exímia contadora de histórias.

Sobre a autora

Téa Obreht nasceu em 1985 na ex-Jugoslávia, mas vive presentemente nos Estados Unidos. Os seus escritos foram publicados no The New Yorker, The Atlantic, The New York Times e The Guardian.

Site: http://www.teaobreht.com

CITAÇÕES IMPRENSA ESTRANGEIRA:

«Magnificamente escrito, perturbador e lírico, A Mulher do Tigre é um romance
ambicioso e bem-sucedido em todos os aspetos. É um livro que o leitor vai querer lervezes sem conta.»
The Independent

«Esta brilhante comédia negra, narrada ao estilo da matriosca russa é um dos grandes acontecimentos do ano literário... Obreht tem um talento prodigioso e um riquíssimo imaginário como contadora de histórias»
The Guardian

«Um leitor que procure algo de original não deve hesitar.»
Daily Mail

«Obreht é excecionalmente dotada para a sua idade, e a sua desapaixonada fé na linguagem, no sonho e na memória é um puro prazer.»
Publishers Weekly

Uma das minhas próximas leituras



Vencedor do Commonwealth Writers’ Prize
Nomeado para o Man Booker Prize

Sinopse

Numa festa, um homem esbofeteia uma criança.
O menino tem três anos. E não é filho dele.

Durante um encontro de amigos, um homem dá uma bofetada a uma criança de três anos. Trata-se de um acto isolado, mas as suas repercussões vão fazer-se sentir nas vidas das oito pessoas que o testemunham de perto. As suas lealdades e paixões são postas à prova, redefinidas, extremadas.
Para as oito personagens, aquele é um momento transformador. Uma a uma, as suas vozes vão dar início a uma caleidoscópica e inquietante viagem aos limites do amor, do sexo, do casamento e da família.

Celebrado pela crítica e pelos júris dos mais importantes prémios literários, A Bofetada é um livro fracturante e controverso. Na sua dissecação da angústia civilizacional moderna, transcende o seu próprio ponto de partida e desconstrói as relações humanas. O que se segue é nada menos do que um implacável exame à vida no século XXI.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Para pensar... A raiz da depressão



                                             (Imagem retirada da net)


"A vida funciona de forma simples: uma troca constante, alternando o dar com o receber.

À capacidade de receber devidamente o que nos chega de fora chama-se impressão. Em favor de uma vida boa devemos ser capazes de nos deixar tocar e influenciar pelo que nos rodeia, sem medo de nos mancharmos, sem medo de ficarmos mais ricos.

À capacidade de exteriorizar algo interior, manifestando-o, chama-se expressão. Aqui também, em favor de uma vida boa, temos de ser capazes de nos darmos ao mundo, deixando nele a nossa marca, arriscando o ridículo, sem medo de ficarmos mais pobres.

Estas operações funcionam coordenadamente, numa espécie de respiração. Animam-se e potenciam-se uma à outra, garantindo uma autêntica experiência de vida. A tal "-pressão" que está na base de ambos os movimentos é a força vital que transforma uma sobrevivência biológica numa abundante vida humana. Sem ela, cai-se na "de-pressão". Leia-se aqui depressão como uma dupla falta das capacidades de impressão e expressão.

Na economia, baseada na troca, todos e cada um dos países e investidores, dos pequenos aos grandes, pensam sempre mais em receber do que em dar. Neste momento, ninguém quer dar e todos querem receber!

Antes de reconhecer sentidos à vida, importa saber vivê-la. Ora isso passa pela capacidade de aceitar de braços abertos o que nos é dado, ao mesmo tempo que entregamos ao mundo o melhor de nós... sem medo."

José Luís Nunes Martins

Texto retirado daqui com o conhecimento e consentimento do autor.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Novidades Quinta Essência


Quando o detetive Duncan Hatcher é chamado à mansão do juiz Cato Laird para investigar uma morte, compreende que a discrição é a chave para manter o seu emprego. Elise, a mulher-troféu do juiz, afirma ter matado a tiro um gatuno em legítima defesa, mas Duncan tem quase a certeza de que ela mente. A investigação que faz ao passado pouco suspeito de Elise convence-o de que ela é mentirosa, manipuladora e, mais do que provavelmente, uma assassina.
Mas quando Elise desaparece…
Sem saber em quem acreditar, Duncan vê-se envolvido na investigação de um homicídio que desafia a sua lógica, o seu infalível instinto e a sua inabalável integridade. Não confia em ninguém, exceto na palavra do criminoso que prometeu eliminá-lo.
E confia ainda menos na mulher que mais deseja.


  
May Fitzgerald tem, de repente, tudo o que sempre quis. Depois de anos a sentir-se gorda e pouco atraente e a procurar o amor nos sítios errados, tem finalmente a vida e o homem dos seus sonhos. Tudo devia ser tão perfeito – seguira a sua voz interior e ela conduzira-a à vida mágica com que sonhara.
Mas quando a sua nova vida como escritora de sucesso tem início, os velhos demónios de May surgem para a atormentar. As antigas inseguranças reaparecem e ela deixa-se fascinar pela lisonja e pelo brilho da fama. O seu comportamento começa a afectar o namorado e ameaça destruir a relação de ambos. Conseguirá ela dar a volta à situação e provar que realmente é possível ter tudo?

Soltas... A coragem de uma mãe


"Ser eu própria a escolher uma família pareceu-me algo perfeitamente natural: nem sequer contemplei qualquer outra hipótese. Quem, melhor do que eu,poderia avaliar os pais com que os meus filhos seriam mais felizes?"

"Foi nessa altura que decidi escrever a minha história. (...) Foi por eles que decidi passar o meus testemunho para estas páginas, para eles me conhecerem melhor, para compreenderem a minha luta.Quando forem mais crescidos, já não estarei aqui para lhes falar da pessoa que fui, para lhes transmitir o amor que por eles sentia e contar-lhes tudo o que por eles fiz."

"Quando a vida nos prega uma partida tão dura como este maldito cancro da fígado, apetece-nos desafiá-la, de uma ou de outra forma."

"Preciso de estar rodeada de pessoas positivas"

domingo, 28 de agosto de 2011

A coragem de uma mãe


Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 200
Editor: Editorial Planeta
ISBN: 9789896570422

Estava "passeando" pelo site da Editorial Planeta quando esta sinopse me chamou a atenção. A capa não revela o seu conteúdo. Parece um daqueles "prémios" que nos davam na escola primária e que nos deixavam tão contentes! Mas o seu conteúdo é inimaginável! 

História verídica, de força e coragem, escrito na 1ª pessoa, faz-nos reflectir sobre os nossos valores e prioridades. Marie-Laure escreve com um grande desprendimento sobre um tema tabu para muitos: a morte, a sua própria morte, ditada por uma doença terminal. E fá-lo com uma força contagiante, com uma determinação e humor que nos impressiona e nos prende não só ao livro, mas também, e sobretudo, à mulher lutadora que, desde o início da sua vida, soube como ultrapassar os terríveis obstáculos que se lhe depararam - e não foram poucos, acreditem! - acabando com esta doença, numa idade em que a morte ainda não estava presente nos seus pensamentos e planos.

Para quem gosta de ler sobre casos reais, este é um livro a não perder!

Terminado em 28 de Agosto de 2011 

Estrelas: 4*

Sinopse

A luta de uma mãe que, condenada a uma morte anunciada, tenta encontrar uma família de acolhimento que possa receber e proteger os seus quatro filhos. A sua história e personalidade transtornaram a França.
Como viver o fim da vida, quando não se atingiu ainda os 40 anos e se é mãe de família? No último Outono, Marie-Laure Picat toma conhecimento que padece de um cancro maligno fulminante. O seu primeiro pensamento dirige-se aos seus filhos: o que lhes acontecerá após a sua morte? Decidida a assumir o papel de mãe até ao fim, escolhe ela própria uma família de acolhimento, estando disposta a enfrentar todos os obstáculos: não, não lhe compete a ela decidir o futuro dos seus filhos, mas sim ao juiz, após a sua morte. Não, nada garante que a Julie, o Thibault, o Mathieu e a Margot serão criados juntos. Não, não irão viver no local em que cresceram.
Indignada com a injustiça da situação, Marie-Laure contacta os meios de comunicação social. É então que se cria um extraordinário movimento de solidariedade, com a imprensa a passar a mensagem: a coragem desta jovem mãe comove o país, o que lhe proporcionará um apoio inesperado.
Foi para deixar uma mensagem que Marie-Laure quis escrever este testemunho, em primeiro lugar para os seus filhos, mas também para mostrar que é necessário dissolver a teia burocrática imposta às famílias decompostas. Para que a sua luta não morra com ela.

sábado, 27 de agosto de 2011

Na minha caixa do correio!

Imaginem o que é chegar de férias e sermos recebidas com estes livros!
E agora, por qual começar?
Vêm direitinhos do SdL


 

 




sexta-feira, 26 de agosto de 2011

A última profecia de António Trabulo


Edição/reimpressão: 2007
Páginas: 160
Editor: Esfera do Caos
ISBN: 9789898025326

Uma capa, mesmo não sendo o motivo principal da escolha das minhas leituras, é o factor que, visualmente, atrai logo a minha atenção. Esta achei-a bonita e prometedora. Gosto quando fixamos o olhar e, de cada vez que o fazemos, encontramos um pormenor diferente! A sinopse também não lhe ficava atrás... Foi um bom motivo para a escolha deste livro, muito embora não tenha lido nada acerca dele.

Livro de leitura fácil e, não fora o ter de me apresentar ao trabalho, te-lo-ia lido em dois tempos! Conjuga um estilo ligeiro de romance - não propriamente do meu agrado - com algo que apreciei deveras: o aprofundamento sobre um tema que desconhecia, ou melhor, que aflorava somente. Foi assim que fiquei a conhecer um pouco melhor sobre a presença judaica na Península Ibérica (em Portugal mais especificamente), o extermínio e as perseguições de que este povo foi alvo, como surgiu o nome pejorativo de "marranos" e o que significa...

O autor combina bem esta investigação sobre os judeus com os aspectos fictícios de romance e de thriller. Confesso que achei que o final, embora não me tivesse desagradado, poderia ter sido mais explorado, pois a intriga e o suspense são bem alimentados durante o livro todo e, as últimas páginas, são poucas para o que esperamos do livro. Gostei e recomendo.



Terminado em 25 de Agosto de 2011

Estrelas: 3*

Sinopse

Ester combina encontrar-se em Belmonte com um velho judeu que lhe prometera informações úteis para o seu trabalho de investigação histórica. Ao entrar na vila, cruza-se com um funeral. Assim começa uma via dolorosa em que as mortes se vão sucedendo enquanto perseguidores impiedosos procuram manuscritos que os possam conduzir a um tesouro perdido há vários milénios.
Ao recolher do chão a boneca rasgada e suja de Mariana, Ester não podia imaginar que o destino lhe confiava um segredo aferrolhado há séculos por uma família de judeus portugueses.
Este romance confunde-se com a história dos marranos, obrigados a ocultar a sua fé. Tão poderosa viam a Inquisição que, séculos mais tarde, julgavam ser os únicos a resistir e pensavam que não havia mais hebreus no mundo. Conjugando elementos do thriller, do policial e do romance histórico, o autor leva-nos a percorrer os meandros de uma aventura empolgante.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Novidades Planeta


TRÊS SEGUNDOS, de Anders Roslund & Börge
Hellström, acaba de ganhar mais um prémio, o CWA International Dagger 2011 Três Segundos, de Anders Roslund & Börge Hellström, foi o vencedor do CWA International Dagger 2011, um prestigiado galardão literário que distingue escritores de romance policial, suspense, ficção ou de espionagem.

Depois de Três Segundos já ter vencido o Prémio de Melhor Policial Sueco 2009 e o Great Readers’ Prize, os mestres do crime escandinavo foram os vencedores, no passado mês de Julho, do CWA International Dagger 2011.

Escrito por um jornalista e um ex-criminoso, Três Segundos é uma história de conspiração, moralmente complexa e com uma grande dose de suspense que nos surpreende até à última página.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Julgar realmente


                                           (Imagem retirada da net)

"Antes de julgares outro ser humano, deves sempre olhar para trás. Talvez para o teu próprio passado?"

Mo Hayder, "Pele"

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Pele


Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 340
Editor: Europa-América
ISBN: 9789721061453
Coleção: Crime Perfeito

Sabe bem ler, de vez em quando, um policial! E quando este está recheado de acção e mistério melhor ainda...

Escrito de forma simples mas emocionante, vemo-nos a suspirar pelos novos acontecimentos que se antevêm  com o virar de cada página. A acção é intensa, não permitindo pausas na leitura, o que leva o leitor a um desfolhar constante e sem paragens. E para isso ajuda a existência de capítulos pequenos, cheios de emoção.

O que mais gostei é que as personagens principais, os polícias que investigam os crimes cometidos, possuem características positivas, mas também negativas. Tentam corrigir e corrigir-se. Resulta, então, da nossa parte - face às complicações em que se metem - um sentimento, misto de protecção/impotência, em relação a essas personagens.


Recomendo  muito a leitura deste livro, sobretudo para quem goste de emoções fortes e não se impressione com descrições mais detalhadas de alguns aspectos dos crimes cometidos. 

Terminado em 21 de Agosto de 2011

Estrelas: 4*

Sinopse


Quando numa manhã quente de Maio, o corpo de uma jovem em estado de decomposição é encontrado perto das linhas férreas às portas de Bristol, tudo apontava para um suicídio. Pelo menos era o que a polícia queria; tudo perfeitamente arrumado e despachado. 
Mas o inspector Jack Caffery não tem tanta certeza. Está no encalço de um predador, alguém que se esconde nas sombras e se esgueira pelas casas sem ser visto. A mergulhadora da polícia Flea Marley trabalha ao lado de Caffery. Tendo finalmente lidado com a perda dos pais e com os traumas do passado, começa a ponderar se a relação de ambos poderá ir além da profissional. É então que descobre algo que altera tudo. Não só lhe é demasiado próximo como é tão horrível que tem a noção de que nada voltará a ser igual. 
E, desta vez, ninguém a poderá ajudar, nem sequer Caffery…

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Soltas... No topo das árvores


"No silêncio sabemos quando estamos a fazer um disparate, porque o silêncio fica mais silencioso. Tento ficar muito quieto. Penso que ninguém está a ver-me ou a ouvir e depois finjo que nem sequer estou aqui. Mas a prateleira é dura e consigo sentir o meu corpo contra ela e sei que estou aqui."

"Tento adormecer, para fazer o tempo passar."

"Acordei a meio da noite. Estava a fazer um grande esforço para pensar na mãe. Queria vê-la na minha cabeça, mas só me via a mim mesmo. (...) A mãe está cada vez mais distante de mim. Sinto a falta dela."

"Se usar a cabeça como se fosse uma máquina fotográfica, então posso ver a mãe. Vejo a fotografia dela que perdi. Sei que o tempo passa, mas na minha cabeça consigo fazer o tempo imobilizar-se."                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

domingo, 21 de agosto de 2011

No topo das árvores


Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 296
Editor: Editorial Estampa
ISBN: 9789723325119
Coleção: Prometeu

É através dos olhos de um menino de oito anos que vamos "lendo" este livro. Este pequeno narrador, com os seus diálogos e pensamentos, mostra-nos o como se torna difícil viver longe e separado de sua mãe; de como se vai esquecendo,involuntariamente, do seu rosto e da sua voz e como isso se pode tornar num drama e numa obsessão.  

Só que este afastamento é definitivo. Nada a poderá trazer de volta! Misturando a realidade com os sonhos que vai tendo, Sebby, junta o seu sofrimento ao do pai e fazem perigar suas vidas.

É uma leitura agradável, nada pesada, embora o tema o seja em demasia. Pela infantilidade e inocência das palavras deste pequeno narrador, vamos tomando consciência de alguns pensamentos que poderão tomar conta destas cabecinhas, numa altura semelhante. Crianças que nesta idade deveriam estar a celebrar a vida e não vivenciar uma morte, sobretudo de alguém tão próximo. 

Terminado em 19 de Agosto de 2011

Estrelas: 3*+

Sinopse

Quando a sua mãe morreu inesperadamente, Sebby sentiu tanto a sua falta que começou a sonhar e a reviver momentos da vida dela. Depois de um incidente na escola, o pai de Sebby levou-o para a casa de Verão da família, na esperança de que o tempo e o local os ajudasse a Quando a sua mãe morreu inesperadamente, Sebby sentiu tanto a sua falta que começou a sonhar e a reviver momentos da vida dela. Depois de um incidente na escola, o pai de Sebby levou-o para a casa de Verão da família, na esperança de que o tempo e o local os ajudasse a recuperar. Mas este isolamento ainda fez pior ao pai, deixando Sebby entregue a si próprio. A inesperada amizade junto das crianças vizinhas, assim como as pequenas cartas que enviava à sua professora, ajudaram-no a ultrapassar o vazio do passado. Contudo, a luta de Sebby para compreender a sua mãe levou-o a pensar se não estaria destinado a partilhar a mesma sorte.recuperar. Mas este isolamento ainda fez pior ao pai, deixando Sebby entregue a si próprio. A inesperada amizade junto das crianças vizinhas, assim como as pequenas cartas que enviava à sua professora, ajudaram-no a ultrapassar o vazio do passado. Contudo, a luta de Sebby para compreender a sua mãe levou-o a pensar se não estaria destinado a partilhar a mesma sorte.

sábado, 20 de agosto de 2011

Novidades Chiado Editora!

Algumas das novidades da Chiado para Agosto:


Título: Crime e Perdão
Autor: Manuel Equor
Colecção: Viagens na Ficção
Género: Ficção
Páginas: 69
PVP: 13€








Colecção: Viagens na Ficção
Género: Romance
Páginas: 151
PVP: 12€








Título: Mogincual
Autor: Isabel Bruma
Colecção: Viagens na Ficção
Género: Crónicas
Páginas: 96
PVP: 15€








Autor: Pedro Jardim
Colecção: Viagens na Ficção
Género: Crónicas
Páginas: 149
PVP: 12€











Título: Por um Momento
Autor: Ana Lopes
Colecção: Viagens na Ficção
Género: Romance
Páginas: 322
PVP: 12€