Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 1 de julho de 2015

"Ventos de Mudança em S. Abbey" de T.J.Brown

Não tenho muito a acrescentar às palavras que referi aqui! Este último livro desta trilogia termina em grande, depois de muitas peripécias, claro está! E mesmo imaginando que todos, ou quase todos, ficariam bem, foi mesmo assim que eu imaginei o final. Um "happy end" necessário que me deixou sossegada depois de tantos incidentes e mal entendidos no conturbado tempo que durou a Primeira Guerra Mundial.

Muito embora retrate muito bem essa época, este romance não deixa de ser apropriado para leitura de verão, porque pressentimos que, independentemente da guerra e da separação que ela gera, os personagens hão-de ficar, no final, com quem de direto. Leve, despretencioso, conquanto se mostre muito real nos cenários de guerra descritos, esta trilogia é a escolha certa para que nos percamos nalgumas Boas horas de leitura à beira mar ou no campo!

As personagens retratam com mestria uma Inglaterra no início do século XX, as diferenças de estatuto entre homens e mulheres e a premente necessidade destas últimas mudarem comportamentos que hoje estranhariamos e classificariamos como machistas.

Gostei e se querem o meu conselho leiam os livros todos de seguida como gostaria de ter conseguido fazer...

Terminado em 29 de Junho de 2015

Estrelas:

Sinopse

Ventos de Mudança em Summerset Abbey é o final da trilogia que arrancou sorrisos e lágrimas aos fãs da série internacional muito galardoada, Downton Abbey. Mas não só. É que esta saga, que conta a história de três mulheres e das suas lutas diárias no início do século XX, apaixonou muitos leitores um pouco por todo o mundo. E chega agora ao fim! Os costumes da época forçaram Rowena, Victoria e Prudence a seguir caminhos diferentes. O orgulho ameaça sobrepor-se aos laços de amizade de forma permanente. A chegada da Primeira Guerra Mundial muda tudo, sobretudo a forma de se viver em sociedade e o próprio conceito de classe social. Muitas feridas serão abertas. Algumas serão curadas, mas outras prometem manter-se abertas por muito tempo… Será que, no fim, a amizade vai prevalecer contra tudo e contra todos?

terça-feira, 30 de junho de 2015

A Convidada Escolhe: A Ilha Debaixo do Mar

A Ilha debaixo do mar de Isabel Allende é um romance sobre as revoluções que ocorreram na ilha do Caribe "Hispaniola" no século XVIII, que veio a ser dividida dando lugar à República Dominicana e ao Haiti antes conhecido como Saint Domingue, e sobretudo sobre a escravatura e a opressão dos colonos nesses locais do mundo, factos que levaram à rebelião dos escravos que fez inúmeras vítimas de um lado e de outro.

É um drama que não só aborda com profundidade a escravidão no Caribe, o quotidiano dos escravos, suas condições de vida, os maus tratos nas plantações de açúcar, paixões, inseguranças e medos e mais que tudo a sua luta para alcançar a liberdade, como também se debruça sobre a história da colonização espanhola e francesa em La Hispaniola incluindo as lutas pela independência da parte ocidental.

A protagonista é a escrava Zarité, chamada de Tété, e é através dela que o leitor toma conhecimento do desenrolar da história.

Zarité foi aos nove anos vendida a um fazendeiro rico de Saint- Domingue, no tempo colónia francesa, mas teve a sorte de nunca ter trabalhado nem passado pelo trabalho duro das plantações. Em vez disso, embora não menos desumano, o seu destino foi ser escrava doméstica, obrigada a ser amante de seu dono ao mesmo tempo que servia sua esposa espanhola e criava seu filho Maurice, que cresceu juntamente com Rosette, a filha que teve de seu patrão. Tété é uma mulher bondosa e forte de espírito, que luta para alcançar os seus objetivos por isso se torna protetora dos escravos dando-lhes alento e confiança ao mesmo tempo que se torna confidente de seu amo e dono. Com a guerra civil que entretanto acontece na ilha, é obrigada, junto com Valmorain e os filhos, a fugir para Nova Orléans, ainda colónia espanhola.

Zarité apesar de todas as adversidades alcança o seu sonho de liberdade e concretiza por fim a sua grande história de amor.

Este livro de Isabel Allende, baseado em factos históricos, presenteia o leitor com personagens fortes e bem contextualizadas que tornam a narrativa bastante emocionante.

Maria Fernanda Pinto

segunda-feira, 29 de junho de 2015

"Perguntem a Sarah Gross" de João Pinto Coelho

Disseram-me que era bom e que ia gostar. Foi verdade. É muito bom e gostei de verdade.

Para além de toda a história ou histórias, melhor dizendo, das quais não vos vou contar nadica de nada, achei a estrutura do livro muito bem delineada, como se o autor tivesse pegado na primeira palavra da primeira página e soubesse exatamente como iria decorrer cada frase, cada capítulo e também o final estupendo com que termina este livro. Uma das questões que quero colocar brevemente ao autor é precisamente se é verdade que isso ocorreu ou se a história e os personagens tomaram caminhos por ele não previstos...

Aqui nada parece surgir ao acaso, as personagens são de uma robustez arrepiante, bem estruturadas magnificamente verosímeis. Um dos periodos que é abarcado pela história faz parte de um dos periodos mais macabros e horrendos da História da humanidade, o Holocausto, e que, nunca se esgotando, advém de uma pesquisa e estudo que se percebe exaustivo.

O enredo não é linear, pacífico. Ou melhor, mesmo achando que podemos deduzir o que se passou ou vai suceder na história, somos surpreendidos frequentemente a cada página que viramos. E não. Não adivinhamos o que está para vir...

Finalista do prémio Leya, este livro poderia ter tido um lugar privilegiado. A meu ver, merecia. 


Terminado em 26 de Julho de 2015

Estrelas: 6*

Sinopse

Em 1968, Kimberly Parker, uma jovem professora de Literatura, atravessa os Estados Unidos para ir ensinar no colégio mais elitista da Nova Inglaterra, dirigido por uma mulher carismática e misteriosa chamada Sarah Gross. Foge de um segredo terrível e procura em St. Oswald’s a paz possível com a companhia da exuberante Miranda, o encanto e a sensibilidade de Clement e sobretudo a cumplicidade de Sarah. Mas a verdade persegue Kimberly até ali e, no dia em que toma a decisão que a poderia salvar, uma tragédia abala inesperadamente a instituição centenária, abrindo as portas a um passado avassalador.
Nos corredores da universidade ou no apertado gueto de Cracóvia; à sombra dos choupos de Birkenau ou pelas ruas de Auschwitz quando ainda era uma cidade feliz, Kimberly mergulha numa história brutal de dor e sobrevivência para a qual ninguém a preparou.
Rigoroso, imaginativo e profundamente cinematográfico, com diálogos magistrais e personagens inesquecíveis, Perguntem a Sarah Gross é um romance trepidante que nos dá a conhecer a cidade que se tornou o mais famoso campo de extermínio da História. A obra foi finalista do prémio LeYa em 2014.

domingo, 28 de junho de 2015

Passatempo 5º Aniversário / Autora Magda Pais

 

Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Autor Paulo Condessa



Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Vieira da Silva

 


Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.
Para informações sobre os livros, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Suma de Letras

 

Serão sorteados dois exemplares de cada livro.

Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Quinta Essência + ASA


Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.
Para informações sobre os livros, clique aqui e aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Presença

 

Será sorteado um pack com ambos os livros.

Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.
Para informações sobre os livros, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Planeta


Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.
Para informações sobre o livro, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Objectiva


Serão sorteados dois exemplares deste livro.

Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Matéria-Prima

 

Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.
Para informações sobre os livros, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Guerra e Paz


Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.
Para informações sobre o livro, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Clube do Autor

 

Serão sorteados dois packs cada um com ambos os livros.

Para mais informações sobre o passatempo clique aqui.
Para informações sobre os livros, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Chiado Editora

 

Para mais informações sobre o passatempo clique aqui.
Para informações sobre os livros, clique aqui.

Passatempo 5º Aniversário / Alfaguara


Serão sorteados dois exemplares deste livro.

Para mais informações sobre o passatempo, clique aqui.

sábado, 27 de junho de 2015

Passatempo - 5º Aniversário "O Tempo Entre os Meus Livros"


E já lá vão cinco anos! Como passaram depressa! Dia 28, amanhã portanto, o blogue é pequenino...

Como não podia deixar de ser, O Tempo Entre os Meus Livros tem alguns livrinhos para vos oferecer. Um obrigado muito especial às editoras que se juntaram ao blogue e que muito gentilmente colaboraram ofertando alguns livros. São elas: Edições Vieira da Silva, Clube do Autor, Planeta, Quinta Essência, Presença, Matéria-Prima, Chiado Editora, Guerra e Paz, Suma de Letras, Objectiva, Alfaguara e ainda as participações especiais dos autores Paulo Condessa e Magda Pais.

É fácil participar.
Só têm de enviar email para Otempoentreosmeuslivros@gmail.com mencionando nome completo, morada e nick do seguidor do blogue. Só o podem fazer uma vez. Quem partilhar no FB e colocar neste post o link da partilha concorre com mais uma participação.

Os diversos passatempos sairão ao longo do dia. O blogue e as editoras não se responsabilizam por qualquer extravio dos CTT aquando do envio dos livros. Só é permitido uma participação por pessoa/morada. Os vencedores serão contactados via e-mail.

Basta enviar um só mail para ficar habilitado a todos os passatempos!

O passatempo começa a 28 Junho e termina a 15 de Julho.

Os livros a que ficam habilitados são:
- E o mestre disse mata de Carlos J. Fernandes, Morto para te ver de Cátia Santiago e Insanidade de André Torrão (Edições Vieira da Silva) - 
- Dois packs compostos por: Ventos de mudança em Summerset Abbey de T.J.Brown e Segredo do Rio de Miguel Sousa Tavares (Clube do Autor)
- O dia em que Estaline encontrou Picasso na biblioteca de Alice Brito (Planeta)
- Mistério na Califórnia de Elizabeth Adler e O Teorema de Katherine de John Greene (Quinta Essência)
- Um pack composto por A História Secreta de Donna Tart e Sanduiches tradicionais portuguesas de Margarida Magalhães (Presença)
- A porta para a liberdade e O Assassino de Catarina Eufémia de Pedro Prostes da Fonseca (Matéria-Prima)
- Justiça Cega de Hugo Pena e Comando Verde de Fernando Montenegro e Marcos Ommati (Chiado Editora)
- A máquina não gosta de gatos de Mário Santos (Guerra e Paz)
- Dois exemplares de cada um dos livros: Younger de Pamela Satran e A Perfumista de Cristina Caboni (Suma de Letras)
- Dois exemplares de Na Pele de uma Jihadista de Anna Erelle (Objectiva)
- Dois exemplares de O Jantar de Herman Koch (Alfaguara)
- Do autor Paulo Condessa - A menina elegantina e o gnomo assustado.
- Da autora Magda Pais - Viagens e Episódios Geométricos - O Livro de Crónicas

Boa sorte e muito obrigada pela vossa presença aqui no blogue!

Cris

Na minha caixa de correio

  

  

 


Comprados numa loja Cash and Carry: Bilhete de Identidade, Luta Por Um Sonho e A Montanha Da Alma.
Oferta da Planeta: O Olhar e a  Alma e Ora Como Eu Dizia...
Oferta da Matéria Prima: O Assassino de Catarina Eufémia
Beijo Fatal veio da Porto Editora
Da Topseller, Filhas da TempestadeO Como Ser Feliz e Ora,
Da Objetiva, Na Pele de Uma Jihadista e Como Ser Feliz.
O meu muito obrigada às editoras referidas.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

"O Dia Em Que Estaline Encontrou Picasso Na Biblioteca" de Alice Brito

Primeiro a sua escrita. Acolhedora, comovente, vivida, ousada, onde pululam as figuras de estilo e onde a personificação tem um lugar de destaque porque, sendo tantas, nos encantam de tão belas que são. Certeira na escolha das palavras. Palavras que vão do oito ao oitenta. Mas todas cabem na história porque a ela pertencem. Uma história que nos conta a História. De Portugal, de Espanha, do mundo. Da guerra, da ditadura, ou melhor, das guerras e das ditaduras em prol de muito poucos, a desfavor de muitos Homens.

E se primeiro está a escrita de Alice Brito, logo a seguir vem a história que, de tão bem contada, nos encanta e nos prende. A narrativa tem dois planos temporais, passados simultaneamente antes e após a ditadura em Portugal . E dito desta forma reduzimo-la, infeliz e inevitavelmente, a algo já contado por alguém. Mas desenganem-se porque não é assim. Ela, a história, está pejada de factos verídicos, de costumes da época, de acontecimentos marcantes da História que, juntamente com (repito) a escrita única de Alice Brito, fazem deste romance uma doce surpresa para quem não leu seu anterior livro, As Mulheres Da Fonte Nova. Eu, que já esperava muito, fiquei de novo rendida. O próximo, espero que esteja para breve, não me escapa. Mesmo!

Adorei o narrador! De quando em vez opina, sugere, intromete-se na  narrativa, dá um ar de sua graça,,, Coisa pouca mas com graça.

Não posso deixar de referir como a apresentação deste livro na Fnac do Chiado me agradou e surpreendeu. Como gostava que todas as apresentações de livros assim fossem! Com o dom da palavra, os apresentadores (Helena Vasconcelos e Alfredo Barroso) deixaram a plateia interessada, motivada e, sobretudo, com vontade de permanecer. Mas, Alice Brito, quando chegou a sua hora de "botar" discurso, não se ficou pelos agradecimentos do costume... A sua escrita, a forma tão peculiar do seu discurso escrito, saiu-lhe pela boca e maravilhou quem a estava a ouvir. Deu para perceber o quanto faz (não se ficando apenas pelo desejo) para que o mundo seja melhor. Porque somos nós que o fazemos bom ou mau, não apenas os outros.


Como sei que quem por aqui anda sente o mesmo que eu ao pegar num livro, vou vencer a minha preguiça e colocar aqui um exerto, pequeno embora, deste livro:

"O livro é um espaço habitável. Há livros que até têm lotação esgotada. Tem de se esperar para entrar. Ou porque estão a ser lidos por alguém, ou porque ainda a cabeça não tem bilhete de entrada. Mas quando, por fim, se chega lá, que bem a gente se sente. Tão bem que nos assenhoreamos de cada frase, privatizamos capítulos inteiros, tornamo-nos amigos ou inimigos de personagens que de vez em quando nos visitam. Há até casos extremos de personagens que abusam eentram dentro de nós com grande á-vontade. Confundem-nos e confundem-se connosco."

Terminado em 21 de Junho de 2015

Estrelas: 6*

Sinopse

Juan e Maria Bento, as personagens centrais que constroem os seus próprios destinos, ficarão para a memória leitora como um par improvável e apaixonados já vistos - entre o anarquismo convicto de Juan e a militância inflexível de Maria Bento, que as ligações ao KGB disciplinam, há uma ponte incerta que oscila, baloiça e finalmente se verga ao peso da paixão.c

domingo, 21 de junho de 2015

Ao Domingo com... João Reis

A noiva partiu mas, ainda assim, está presente. O Tradutor procura-a, ilude-se, perde-se nos meandros da sua mente. E o Tradutor sou eu e não sou eu, o Tradutor é um homem que contém em si todos os homens, o desespero e a esperança, e o criador vive no que cria e no que já não lhe pertence. 

O Tradutor sou eu e todos nós, o Tradutor tem em si as minhas dicotomias, o ódio e o amor a alguém, a um país, o horror ao mundo dos homens em que vive mas ao qual não pode escapar, à sociedade que abomina e a que, no entanto, se verga em troca de uma vela, de um ensopado de lentilhas. E o mundo arde e só ele o vê, ou será que não é só ele quem o vê, e não é só ele quem se sente arder por dentro? 

A Noiva do Tradutor é o meu primeiro livro sério, o primeiro Livor, uma novela, um romance, o nome pouco importa, o primeiro em que os contos de uma diversão espontânea e imediata deram lugar à essência, à escrita visceral, ao sofrimento e ao alívio  
de quem escreve dividido entre o Norte e o Sul sem pertencer totalmente a nenhum. 


Sou um tradutor, sim, e sou o Tradutor. Não vivo na sua época, mas poderia viver, porque os homens não mudam por mais que os elétricos sucumbam aos aviões. A essência é a mesma, e a minha está num Tradutor que procura a Noiva que, na verdade, nunca perdeu.

João Reis

sábado, 20 de junho de 2015

Na minha caixa de correio

  


Oferta do Clube do Autor: O Sítio Secreto e Ventos de Mudança
Oferta  da Asa: A Menina Escrava e Lupita
Oferta da Espera dos Livros: Confissões de uma Mulher Madura
Espiões em Portugal foi ganho nos passatempos do JN

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Novidade Clube do Autor

Ventos de Mudança em Summerset Abbey
de T. J. Brown
A chegada da Primeira Guerra Mundial muda tudo em Summerset Abbey. Sobretudo a forma de se viver em sociedade e o próprio conceito de classe social. Os costumes da época forçam as três amigas Rowena, Victoria e Prudence a seguir caminhos diferentes. O orgulho ameaça sobrepor-se aos laços de amizade e ameaça abrir muitas feridas. Algumas serão curadas, mas outras prometem manter-se abertas por muito tempo... Será que, no fim, a amizade vai prevalecer contra tudo e contra todos?

Novidade Manuscrito

Imperatriz D. Leopoldina 

de Marsílio Cassotti 
Leopoldina de Habsburgo é uma personagem decisiva da história do império português no Brasil. Contudo, foi sempre retratada como uma mulher frágil, traída pelo marido, passiva e sem qualquer vontade política. Este livro traz-nos a sua verdadeira história.Numa viagem que nos leva desde a infância da jovem arquiduquesa, durante as guerras napoleónicas contra a Áustria, até ao seu casamento estratégico com o tão belo como Adónis Pedro de Bragança, herdeiro da coroa do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. No final de 1817, Leopoldina chega ao Rio de Janeiro. Uma parte da corte, liderada pela rainha Carlota Joaquina, recebe-a com frieza. Preferiam «uma portuguesa ou uma espanhola». D. Pedro desfaz-se em atenções e durante noites a fio vivem uma enorme paixão, mas cedo o príncipe do Brasil volta para os braços da sua amante. «Os homens são cópias das mariposas», escreve a princesa germânica à sua irmã mais velha. Desprezada pelo marido refugia-se na alegria da maternidade. Em 1821, depois do regresso de D. João VI a Portugal, quando as «revolucionárias» cortes portuguesas retiram ao Brasil a categoria de Reino, Leopoldina deixa de lado o rancor e empenha-se em ajudar D. Pedro, que a humilhava ao passear pelo Rio de Janeiro de braço dado com a bela e astuta Domitila de Castro. Na iminência de um possível ataque português ao Rio, Leopoldina aconselha o marido a separar o território brasileiro da pátria-mãe e a assumir-se como Imperador. Para calar os rumores que lhe minam o prestígio, em novembro de 1826 o Imperador decide ir defender a província de Cisplatina. Antes do beija-mão de despedida, obriga a esposa grávida a ficar ao lado da amante. Perante a sua nega, Pedro trata «de forçar D. Leopoldina a entrar no salão onde se realizaria a cerimónia». Nessa noite, o estado de saúde da Imperatriz agrava-se perigosamente… Baseada no que relatam (e no que ocultam) as cartas de Leopoldina, o autor bestseller Marsilio Cassotti leva-nos ao Brasil do século XIX, para nos narrar, nesta biografia apaixonante, a história de uma mulher destinada a ser rainha de Portugal, que, apesar das humilhações que sofreu, acabou por ter um papel decisivo na independência do Brasil. 

Novidade Esfera dos Livros

Os Alimentos Também Curam 
de Francisco Varatojo
Para nos alimentarmos, perdemo-nos nas prateleiras dos supermercados, entre embalagens coloridas e slogans tentadores. Quantas vezes, para nos curarmos de um pequeno problema de saúde, não corremos para o médico ou para o hospital, ávidos de uma resposta rápida? A alimentação e o estilo de vida são os nossos remédios primários e mais preventivos. A Natureza e, particularmente, os alimentos que nos são fornecidos por ela são a nossa farmácia essencial:

  • A couve-lombarda na sopa, assim como o aumento do consumo de vegetais redondos, são ótimos para debelar as dores de estômago.
  • O uso regular de arroz integral pode ser um precioso auxiliar no tratamento da diabetes.
  • Os vegetais verdes de rama, cozinhados ao vapor, ou o chá de cenoura com rábano são poderosos aliados no tratamento da pneumonia.
  • No caso das crianças, o sumo de maçã morno pode ajudar a combater a febre, enquanto o chá de feijão azuki é importante, por exemplo, para tratar as otites.

Estes são alguns dos ensinamentos de Francisco Varatojo, diretor do Instituto Macrobiótico Português e autor de Mente Sã, Corpo São, nos apresenta neste livro essencial que nos leva por uma viagem pelo nosso corpo, redescobrindo os órgãos que dele fazem parte e as suas funções, e que nos permite perceber que a cura pode estar ao alcance de todos, se dedicarmos algum do nosso tempo a conhecermo-nos bem por dentro e a compreender o poder de alimentos fundamentais para termos uma vida com mais qualidade.