Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Numa Itália de preconceitos...


Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 128
Editor: Livros Quetzal
ISBN: 9789725649084
Coleção: Serpente Emplumada

De rápida leitura, mas nem por isso mais fácil, este livro
relata-nos partes de uma vida, de uma história de alguém que não é compreendido nem amado.


Estamos na Itália de Mussolini, numa época em que os judeus sentem já receio que a sua vida possa dar uma reviravolta, como que um "anúncio" do que se iria tornar um massacre horrendo... Tendo este ambiente como pano de fundo, esta história, contada por um rapaz judeu de 20 anos, transporta-nos para um clima de preconceitos, de "diz que disse", e fala-nos, sobretudo, de um médico, conceituado e rico, da sua vida privada e das suas inclinações sexuais, alvo de chacota e comentários maliciosos. 


Gostei do que li, mas não me senti muito apaixonada por esta leitura, estando sempre à espera de algo espectacular que não chegou a acontecer... O final traduziu, muito bem, o clima e os sentimentos de quem se sente traído e injustiçado.


Terminado em 3 de Junho de 2011

Estrelas: 3*

Sinopse

O cenário é o da pequena cidade de Ferrara durante os anos 30 - os anos do fascismo -, com a sua burguesia conservadora e moralista, típica da província italiana. É aí que se desenrola a história de um médico (Athos Fadigati) moderno e distinto oriundo de Veneza, o homem dos óculos de aros de ouro - que por vezes brilham na obscuridade de sítios mal frequentados aos olhos da cidade. A condenação moral não cessa de germinar e, entre as tardes passadas na praia e as noites nos salões do hotel da estância balnear, a burguesia de Ferrara assistirá ao escândalo - um misto de sexo, religião, política e inveja provinciana.

Um romance belíssimo e comovente (já adaptado ao cinema, com interpretações de Philippe Noiret, Rupert Everett e Stefania Sandrelli) sobre a solidão como preço da rebeldia e da diferença.

Sem comentários:

Enviar um comentário