Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

terça-feira, 12 de junho de 2018

"A Trança" de Laetitia Colombani

Esta leitura constituiu para mim, sem sombra de dúvidas, um imenso prazer! Fui atraída primeiro pela capa (uma rapariga indiana?) e depois pela sinopse. Com isso passei este livro para primeiro lugar porque fui convidada para o Meet & Greet com a autora no espaço da Porto Editora, na FLL (sobre o qual já fiz um post)  e queria ir já com a leitura adiantada...

Li-o num ápice, este livro. Aborda a vida de três mulheres que vivem em continentes diferentes, com histórias de vida que de tão diferentes entre si despertam automaticamente o interesse do leitor. Smita, Giulia e Sarah. Índia, Sicília e Canadá, respectivamente.

Creio que a história de Smita foi a que mais me impressionou, pela diferença de costumes, pela discriminação a que as mulheres das castas mais baixas são sujeitas. Não foi por desconhecer tais factos, mas porque ler de novo, doi como se fosse a primeira vez! Como são diferentes as suas histórias e, no entanto, como se tocam na coragem, na força e no amor que sentem por elas próprias e pelos seus filhos/familiares mais próximos!

São histórias que decorrem em paralelo, vidas que não se cruzam. Pelo menos conscientemente elas não dão conta disso. Que ligação existirá entre elas? 

Um livro fabuloso que adorei ler! Recomendo sem reservas!

Terminado em 8 de Junho de 2018

Estrelas: 6*

Sinopse
Smita, Índia. Intocável, Smita vive uma existência miserável, ostracizada por toda a sociedade. Mas Smita sonha com uma vida melhor para a sua filha e, num gesto de coragem e esperança, oferece o que de mais valioso tem em troca de dinheiro e da possibilidade de melhorar a sua vida.

Giulia, Sicília. O pai de Giulia acabou de morrer deixando-a com a terrível decisão de vender ou modernizar a loja de perucas que ele geria. Giulia decide-se pela segunda opção e irá investir em cabelo verdadeiro para as suas perucas.

Sarah, Canadá. Advogada de meia-idade, Sarah descobriu que sofre de cancro da mama e perde o cabelo durante os tratamentos. Finalmente, decide que precisa de uma peruca para reconquistar a autoconfiança.

Cris

Sem comentários:

Enviar um comentário