Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

terça-feira, 17 de abril de 2018

"A Minha Avó Pede Desculpa" de Fredrik Backman

É através de um narrador desconhecido que nos pomos ao corrente desta história. Achei esse narrador simplesmente delicioso! Fala como se fosse uma criança grande e conta-nos como, uma criança pequena de quase oito anos, e sua avó de quase oitenta (que "nāo bate muito bem da bola" no entender dos adultos à sua volta), comunicam uma com a outra através do amor. 

Elsa é uma menina diferente. É inteligente, fala corretamente, percebe e entende do mundo que a rodeia muito mais que os seus pares, mas é uma menina solitária, sem amigos da sua idade. Na escola é perseguida e vê-se envolvida em brigas de onde normalmente sai a perder. Os adultos insinuam que ela deve fazer um esforço para se integrar... Como se a culpa fosse dela! Tenta esconder as nódoas negras e arranhōes mas a sua Avózinha percebe o que se passa. 

Sua avó também é diferente. Por trás chamam-na de louca. É certo que Elsa participou nalgumas situaçōes bem diferentes em que a sua avó agiu de uma forma nāo convencional, excêntrica até, mas todas as peças do seu pequeno mundo se desmoronam quando Elsa descobre que a sua avózinha está gravemente doente. Numa espécie de "caça ao tesouro"  criada pela avó, Elsa descobre que pode fazer amigos onde menos espera e tudo porque a avó ...e pronto! Mais nāo digo, mais nāo conto!

Um romance surpreendente onde a imaginaçāo extrema do autor está intimamente ligada com a vida que criou para os seus personagens. Histórias de encantar de uma avó para uma neta, mundos fantásticos onde as duas se descobrem e onde descobrem também a amizade dos moradores de um prédio que vive unido por laços invisíveis de amor criados por uma velha senhora louca (ou nāo?). 

E tantos sāo os assuntos delicamente tratados pelo autor! A vida e a morte; o motivo que nos impulsiona a praticar o Bem (ou o Mal); como as dificuldades da vida nos levam a agir de determinada forma (ou como deixamos que elas nos impeçam de viver); o bullying, os medos e traumas, e tanto, tanto mais...

Um romance que me surpreendeu pela positiva, repleto de uma ternura e sensibilidade na escrita que muitas vezes me deixou pensativa, com um sorriso interior, apanágio de um romance de muita qualidade. Adorei fazer parte desta leitura fantástica! Sim, porque quando um livro nos envolve completamente sabemos que é por isso que adoramos ler: pertencer por umas boas horas ao mundo fantástico, de uma sensibilidade a toda a prova, criado pelo escritor!

Adorei o seu livro anterior, "Um Homem Chamado Ove", mas este, quanto a mim, nāo lhe fica atrás! Recomendadíssimo!

Um agradecimento especial à Porto Editora pela surpresa enviada: o livro de avanço possuidor de uma capa muito especial!

Terminado em 13 de Abril de 2018

Estrelas: 6*

Sinopse
Elsa tem sete anos de idade, quase oito, e é diferente. Para já, tem como melhor - e única - amiga a avó de setenta e sete anos de idade, que é doida: não levemente taralhoca, mas doida varrida a sério, capaz de se pôr à varanda a tentar atingir pessoas que querem falar sobre Jesus com uma arma de paintball, ou assaltar um jardim zoológico porque a neta está triste. Todas as noites, Elsa refugia-se nas histórias da Avozinha, cujo cenário é o reino de Miamas, na Terra-de-Quase-Acordar, um reino mágico onde o normal é ser diferente.

Quando a Avozinha morre de repente e deixa uma série de cartas a pedir desculpa às pessoas que prejudicou, tem início a maior aventura de Elsa. As cartas levam-na a descobrir o que se esconde por detrás das vidas de cada um dos estranhíssimos moradores de um prédio muito especial, mas também à verdade sobre contos de fadas, reinos encantados e a forma como as escolhas do passado de uma mulher ímpar criam raízes no futuro dos que a conheceram.

A minha avó pede desculpa é uma belíssima história, contada com o mesmo sentido de humor e a mesma emoção que o romance de estreia de Fredrik Backman, o bestseller internacional Um homem chamado Ove.

Cris

Sem comentários:

Enviar um comentário