Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

"O Castelo de Vidro" de Jeannette Walls

Adorei esta leitura! Ainda estou a "quente" quando escrevo sobre ela e as palavras que me surgem sāo "que vida incrível" e "se me contassem nāo acreditaria que tudo isso realmente aconteceu"!
      Creio que posso afirmar que a família da autora foi tudo menos "normal" e, no entanto, nāo consigo explicar-vos exatamente o que de diferente ela possuia. Acho que o que a definiu foram os contrastes tāo profundos existentes nos seus dois progenitores. Se por um lado educaram os filhos na lei do desenrasca, onde nāo eram convenientemente supridas as suas necessidades básicas (estou a falar de comida e roupas mesmo!) por outro, estiveram sempre em vantagem em relaçāo aos seus amigos pois ambos os progenitores tinham um espírito de aventura, de conhecimentos e educaçāo superiores aos demais, o que lhes permitiu conversa e debates ricos, uma vida ao ar livre..... Porém, o desleixe com que sāo criados, as dificuldades económicas que rasavam a mendicidade, a mudança constante de lugar onde viviam, a vergonha que sentiram muitas vezes pelas atitudes destrutivas dos pais, os seus sonhos irreais e patéticos, fizeram-nos (à autora e seus três irmāos) desejar abandonar essa família disfuncional e cuidar da suas próprias vidas. Longe dos pais. 
      Um pai que amavam mas que era alcoólico e que nos momentos de crise os abandonava mas também, um pai que lhes dava amor e conhecimento quando sóbrio. Uma māe artista, que os ajudava a serem fortes e a vencerem as dificuldades mas também uma māe que nāo lhes sabia dar conforto nem segurança. O Amor e a Loucura. O Saber e a Pobreza. Lado a lado.
      Um relato apaixonante e corajoso, autobiográfico, que recomendo vivamente! Uma leitura que, de tāo viciante, se lê numa pernada! Nota máxima!

Terminado em 18 de Agosto de 2017

Estrelas: 6*

Sinopse
Durante duas décadas, Jeannette Walls, uma conhecida jornalista nova-iorquina, bonita, brilhante e bem sucedida, escondera as suas raízes. Crescera com pais cujos ideais e inconformismo foram ao mesmo tempo uma bênção e uma maldição para eles e para os filhos. Rex e Rose Mary Walls tiveram quatro filhos. No princípio, viviam como nómadas, mudando de uma cidade para a outra, habitando velhos armazéns abandonados ou acampando nas montanhas.
Jeannette, as duas irmãs e o irmão tinham de sobreviver sozinhos, tentando arranjar comida, limpando a casa e encorajando os pais a trabalhar, enquanto se amparavam mutuamente e procuravam dar alguma normalidade à vida errática a que eram forçados.
      Mas, ao contrário do que se poderia pensar, a história narrada em O Castelo de Vidro não é uma história infeliz. Contada sem dramatismo, é uma história de triunfo sobre a adversidade, mas também uma narrativa comovente sobre o amor incondicional por uma família que, não obstante as suas profundas falhas, lhe deu a firme determinação para construir uma vida bem sucedida.

Cris

Sem comentários:

Enviar um comentário