Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

A Escolha do Jorge: O Nariz


A proposta de leitura desta semana incide num livro dirigido ao público mais jovem, tratando-se de uma adaptação do conto "O Nariz" de Nikolai Gógol (1809-1852), um dos nomes mais sonantes da literatura russa contemporânea.
A adaptação do texto surgiu a partir de um projeto inglês que a editora Barca do Inferno escolheu convidando Evelina Oliveira para ilustrar a obra.
Para os conhecedores dos contos de Gógol, é sabido que este autor russo introduz nas suas histórias o mote do fantástico, tantas vezes apelidado de realismo mágico, capaz de cativar leitores de todas as gerações para a sua escrita e universo.
Histórias como "O Nariz" fazem as delícias de todos aqueles que apreciam a capacidade de os escritores brincarem com situações caricatas ou mesmo absurdas envolvendo os demais personagens para algo nunca vivenciado até então e nem que por isso deixe de ser interessante, bem pelo contrário.
Tudo começou no dia 25 de março em São Petersburgo quando Kovalyov, o assessor do colégio acordou sem nariz tendo somente uma superfície plana no lugar daquele órgão. Kovalyov, envergonhado e sem compreender como e por que razão se encontrava naquele estado, parte em busca do seu nariz ao longo de toda a cidade. A situação é tão caricata que Kovalyov chega a cruzar-se com o seu nariz que se faz passear pela cidade fazendo-se passar por um importante funcionário do Estado.
São inúmeras as histórias em torno do nariz perdido de Kovalyov que rapidamente chegam ao conhecimento dos habitantes de São Petersburgo que percorriam a cidade atrás dos boatos de modo a poderem ver o dito nariz a passear, por exemplo, pela Avenida Nevsky, todas as tardes, às três horas.
História aqui, peripécia acolá, o nariz acabará por regressar ao rosto de Kovalyov ao fim de duas semanas de ausência e do mesmo modo com que desapareceu, misteriosamente, não importando o mistério envolvido assim como os disparates do mundo. Moral da história, que há coisas estranhas, há, mas não vale a pena tentar compreendê-las.
Esta versão de "O Nariz" de Nikolai Gógol para o público mais jovem é de facto uma excelente ideia na medida em que se adaptam clássicos da literatura universal para aquele grupo etário com vista a fomentar o gosto pela leitura divulgando, desde cedo, alguns dos grandes escritores.
Publicado pela Barca do Inferno, "O Nariz" é uma das primeiras apostas desta nova editora que tem os mais jovens como público alvo. A par do texto com bastante qualidade, é ainda de salientar as ilustrações que ficaram a cargo de Evelina Oliveira que nos apresenta um estilo fora do comum, com desenhos desproporcionados, geométricos passando um pouco a ideia de absurdo da história em apreço.
Dada a quadra natalícia que se vive neste momento, fica aqui uma sugestão de oferta para os mais jovens, nomeadamente para idades compreendidas entre os 10 e os 13 anos.

Excertos:
"Chegou a casa num tal estado que mal conseguia sentir os pés. Era já crepúsculo. Depois de tão infrutíferas averiguações, a casa pareceu-lhe triste e deprimente.
Cansado e desanimado, o major foi para o seu quarto, deixou-se cair na poltrona e, depois de vários suspiros, murmurou:
- Meu Deus, meu Deus! O que fiz eu para merecer isto? Se tivesse perdido um braço ou uma perna não seria tão mau. Se tivesse perdido as orelhas, a coisa não seria agradável, mas também não era o fim do mundo. Um homem sem nariz, só Deus sabe o que é. Não é carne nem é peixe! É algo que se pode atirar janela fora. Se o tivesse perdido na guerra ou num duelo, pelo menos teria uma história para contar… mas perdê-lo sem motivo e sem ter sequer um copeque para colocar no seu lugar? Não, isso é absolutamente impossível! Ele não pode ter desaparecido sem mais nem menos. Jamais!
Era absolutamente inexplicável. Se um botão, ou uma colher de prata, ou o seu relógio, ou algo do género tivessem desaparecido, seria perfeitamente compreensível. Mas ser o seu próprio nariz a desaparecer de sua casa?..."

Texto da autoria de Jorge Navarro


1 comentário:

  1. Li esta obra na versão original e AMEI!!!!!!!
    Excelente, aborda imensos temas e ainda por cima é divertidíssima, na medida em que a ironia é imensa!
    Fica a minha opinião sobre o livro :) http://viajarpelaleitura.blogspot.pt/search/label/Nikolai%20Gogol

    ResponderEliminar