Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

AEscolha do Jorge: A Lenda da Carruagem

Há livros que nos chegam às mãos de modo inesperado e que se tornam verdadeiras surpresas! É o caso de "A Lenda da Carruagem" (1975) do norueguês Sigbjørn Hølmebakk (1922-1981) cuja obra foi publicada pela extinta Editorial Notícias (atual Casa das Letras, Grupo LeYa), em 2001, na Coleção Prosas de Fora.
A narrativa tem como epicentro o encontro inusitado entre Olav Klungland, um escritor norueguês com algum renome no seu país, e Eilif Grøtteland, antigo pastor luterano.
Olav Klungland além de se dedicar à escrita a tempo inteiro, sendo, pois, o seu ganha-pão, é simultaneamente um destacado militante do Partido Comunista do seu país, colaborando em muitas das suas atividades, campanhas e conferências defendendo ao máximo os seus ideais sobretudo numa época de forte tensão política como a da Guerra Fria, nomeadamente com os olhos postos na Guerra do Vietname.
Obcecado pelo tema da morte, Olav Klungland defende que "pensamos na morte desde a nossa infância até ao nosso momento final. Não só quando estamos em perigo mortal, mas durante todas as nossas vidas tememos aquilo que se aproxima." (p. 24), daí que para alguém defensor acérrimo das ideias comunistas, tenha em mente a implementação de medidas que visam a melhoria das condições de vida das pessoas em vida em oposição à ideia de vida eterna no paraíso defendida no Cristianismo. "Nós comunistas não nos interessamos pela vida após a morte. A nossa tarefa é melhorar a vida para as pessoas aqui na terra. (…) Em toda a parte do mundo as pessoas lutam contra a humilhação, a exploração e o desespero. As pessoas sairão vitoriosas e a sua vitória é a esperança do mundo." (pp. 152, 154).
Olav Klungland vai-nos dando conta das suas dificuldades perante a escrita, os momentos de desalento entre alguns desafios que sente no meio de tantas angústias tão comuns na sua atividade enquanto escritor ao ponto de se sentir envergonhado de nem sempre se recordar sobre o que escreveu nalguns dos seus romances, tomando consciência que a realidade fora dos romances é bem mais inspiradora e verosímil do que aquilo que escreve, daí a explicação da angústia permanente que vai partilhando com o leitor.
É neste deambular de ideias sobre um romance que tenta concluir a custo que Olav Klungland conhece por mero acaso o antigo pastor luterano Eilif Grøtteland que está a acompanhar a sua esposa Elna que se encontra internada no hospital em Oslo com um doença oncológica já em fase terminal.
A breve conversa inicial de ambos gera alguns encontros a posteriori a convite de Eilif Grøtteland que de modo intenso, emocional e emocionante conta a Olav Klungland a história da sua vida desde quando era criança até ao presente momento.
Esta história dentro da história assume um caráter confessional com características muito próximas da escrita de Sándor Márai arrastando completamente o leitor para o seu âmago deixando-lhe sequelas difíceis de esquecer.
Eilif Grøtteland relata as dificuldades económicas pelas quais a sua família passou necessitando de recorrer à caridade alheia tanto para a alimentação como para os estudos, a doença do pai, a difícil relação com o irmão Lars (que se juntou aos alemães durante a 2ª Guerra Mundial) com quem disputava a namorada Elna, a dualidade de sentimentos de Elna em relação aos dois irmãos (mesmo depois de ter casado com Eilif), as dúvidas que para sempre ficaram relativamente à sua filha Lillian, à sua decisão de se tornar pastor e posteriormente o que o terá levado a perder essa mesma fé e esperança ao ponto de resignar o seu cargo/profissão de modo consciente. E será esse ponto irreversível? Haverá retorno? Depois de tantas dificuldades, dilemas, dúvidas e com a tragédia sempre presente ao longo de toda a vida, como é possível que a morte em si mesma se transforme na força motriz para reavivar essa mesma fé e esperança e encontrar verdadeiramente a felicidade?
Assim, o autor consegue a partir da ideia da morte ligar dois personagens com formas de pensamento total e diametralmente opostas como catapulta para a felicidade em si mesma.
"A Lenda da Carruagem" é, pois uma obra literária conseguida com bastante mestria que nos empurra ou arrasta para o seu seio tendo como ideia central a obtenção da felicidade. Ainda que o caminho seja duro e pejado de espinhos, a vida é o tempo que cada um tem como cheque/garantia na obtenção desse fim último constituindo o caminho que a humanidade desbrava insistentemente e de modo consciente ou inconsciente.
Dolorosamente belo, Sigbjørn Hølmebakk consegue esmagar-nos com as inúmeras questões que levanta que nada mais são dos que as vicissitudes de se ser humano com todas as suas potencialidades e fragilidades, concluindo com a frase "Não me tirem esta inquietação" (p. 173) como motor/garantia na obtenção da felicidade.
Um livro obrigatório!

Excerto:

"- Vai trabalhar como pastor de novo? Perguntou ele por fim.
- Pastor? Que bem é que isso faria? Para começar de novo com os sermões, lutar com palavras e frases? Nem sei sequer o que iria dizer. – Grøtteland parecia perdido em pensamentos. – Não sou pastor. Não posso ensinar aos outros o que eu próprio não aprendi. Quando olho para trás para a minha vida e me pergunto o que aprendi, a resposta é sempre a mesma. Não aprendi nada… excepto uma coisa: que não sei nada, não compreendo nada, que tudo o que recebi foi imerecido, uma oferta de graça. Não, não sei o que farei. É possível que continue a ensinar na escola. Talvez possa ser de algum uso. Talvez possa finalmente representar algo para os outros." (p. 171)

Texto da autoria de Jorge Navarro

Sem comentários:

Enviar um comentário