Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Newsletter Esfera dos Livros - Maio


Novidade Europa-América


O Irmão de Sangue 
de Eric Giacometti e Jacques Ravenne
Siga as aventuras do comissário Antoine Marcas.

À semelhança de Ritual da Sombra, Irmão de Sangue é um thriller cheio de suspense que introduz os leitores nos meandros da maçonaria e estabelece um paralelo histórico com as mais modernas investigações.

Paris, 1355. Um homem é queimado vivo na praça pública. O copista Nicolas Flamel assiste, nauseado, a esta execução. Mas o horror está apenas a começar, pois aquele que se tornará num célebre alquimista está, neste momento, à beira de mergulhar nas terríveis revelações de um livro secreto, interdito.
Paris, 2007, sede da Obediência Maçónica. O comissário mação Antoine Marcas descobre dois crimes rituais cometidos por um dos seus, a quem chamam «o irmão de sangue». Uma mensagem vinda do Além põe rapidamente o comissário na pista de um velho segredo, relacionado com o mistério do ouro puro.
De Paris a Nova Iorque, assistimos a uma corrida contra o tempo entre o assassino em série e o polícia, articulada em torno de dois lugares altamente simbólicos: a Estátua da Liberdade e a Torre Eiffel.
Entretanto, escondido nas sombras e vigiando o desenrolar dos acontecimentos está o grupo Aurora, uma organização secreta constituída por personalidades da alta finança, cujo objectivo é o controlo absoluto do ouro…

Novidades Estampa


À Sombra da Mesquita
de Maria Roma
Este romance tem como tema dominante o amor e a amizade. As personagens são agarradas num bailado entrecruzado de sentimentos confusos, novos mas aliciantes, que os envolvem a todos. Uma trama apaixonante. Será que a Amizade é, de facto, mais perene que o Amor? E o Amor, esfumada a Paixão, sua componente por excelência, poderá permitir que se estenda a mão concedendo ao ex-amado só a Amizade para o resto da vida, sem raiva e desconforto? E a trai... 


Deste Lado do Mar Vermelho
de Sónia Cravo
Três jovens criados em cativeiro. Uma família de acolhimento também ela com muitas cicatrizes: Custódio, que vive uma espécie de loucura silenciosa, e uma mulher faminta de afectos. Um cão chamado Pide e uma verdade que melhor será nunca chegarem a conhecer. São estes os ingredientes desta empolgante história onde amor e morte se cruzam, quais eternos favoritos dos romances de grande densidade humana.... 




Novidade Planeta


O Palácio da Meia-Noite 
de Carlos Ruiz Zafón 
No coração de Calcutá esconde-se um obscuro mistério....
Um comboio em chamas atravessa a cidade.  
Um espectro de fogo semeia o terror nas sombras da noite.  
Mas isso não é mais do que o princípio.  
Numa noite obscura, um tenente inglês luta para salvar a vida a dois bebés de uma ameaça impensável. Apesar das insuportáveis chuvas da monção e do terror que o assedia a cada esquina, o jovem britânico consegue pô-los a salvo, mas que preço irá pagar?  A perda da sua vida. Anos mais tarde, na véspera de fazer dezasseis anos, Ben, Sheere e os amigos terão de enfrentar o mais terrível e mortífero mistério da história da cidade dos palácios.

Novidade Porto Editora


Contos Sobrenaturais
de Carlos Fuentes
Desde o início da sua carreira literária, o território do relato fantástico é tão natural a Carlos Fuentes como respirar. 
Este livro (que dá seguimento a Contos Naturais, já publicado pela Porto Editora) inclui os seguintes contos: «Tlactocatzine, do Jardim de Flandres», «Pela Boca dos Deuses», «Litania da Orquídea», «A Boneca Rainha», «O Robô Sacramentado», «Um Fantasma Tropical» e «Pantera em Jazz». E ainda «Aura», provavelmente o mais famoso de todos os textos que Carlos Fuentes assinou.

Novidade Casa das Letras


O Ingrediente Secreto 3
de Henrique Sá Pessoa


O Chef Henrique Sá Pessoa apresenta neste terceiro livro Ingrediente Secreto 78 receitas totalmente originais, sempre acompanhadas pelas mais preciosas dicas e conselhos, um convite a cada leitor para se deixar aventurar num mundo gastronómico onde a rotina fica à porta.
Também disponível em Inglês “SECRET INGREDIENT”.

Receitas simples, saborosas e despretensiosas, que melhoram e elevam o seu dia a dia. Assim, poderá transformar a sua cozinha num laboratório de sabores e dar nova cor à sua vida quebrando a rotina com pratos criativos protagonizados por atores como a abóbora ou o polvo; descobrir que afinal o atum fresco, as conservas e a cenoura têm bastantes  mais predicados e podem brilhar em pratos de comer e chorar por mais; criar práticas, rápidas e deliciosas receitas com tomate, couve flor ou grão, surpreendendo tudo e todos; alegrar os seus dias com os novos sabores que a maçã, o porco preto e o mel lhe podem proporcionar; perceber que pode fazer mais receitas do que alguma vez imaginou com café ou laranja.

Novidade Esfera dos Livros


Francisco, o Papa de todos nós
de Andrea Torrnielli
  
«Francisco é o homem da paz, o homem que ama e protege a Criação… Como gostaria de uma Igreja pobre e para os pobres!»

«O Senhor nunca se cansa de perdoar: nunca! Nós é que nos cansamos de lhe pedir perdão.»
Papa Francisco

A 13 de março, depois de um conclave de apenas cinco escrutínios, o mundo conheceu um
novo pontífice. Jorge Mário Bergoglio. O primeiro bispo de Roma jesuíta, o primeiro latino-americano, o primeiro a escolher um nome para si, que ao longo da história, nenhum outro papa jamais se atrevera a impor a si próprio: Francisco. A profundidade do seu olhar, a forma como saudou a todos na Praça de São Pedro com um espontâneo «boa noite», o permanecer igual a si próprio, simples, preferindo a sua cruz de ferro ao ouro, recusando a murça e os sapatos vermelhos, passando por cima de protocolos oficiais e o facto de iniciar de forma firme e surpreendente um conjunto de reformas necessárias, tocaram o coração de milhões de fiéis. Na primeira e mais atual biografia do papa Francisco, o jornalista vaticanista Andrea Tornielli, que teve a oportunidade de, por diversas vezes, privar com Bergoglio, esboça a personalidade de um homem de Deus, filho de imigrantes, humilde e cordial, que fez da radicalidade evangélica e da mensagem da misericórdia os pilares da sua ação pastoral, num país como a Argentina, atormentado por desequilíbrios sociais e económicos. No relato de uma vida, das suas palavras e das ideias, dos testemunhos e das recordações pessoais do papa Francisco, emergem as chaves para a compreensão da novidade de um pastor capaz de encarnar as necessidades de renovação desde há muito presentes na Igreja universal. Numa entrevista muito recente concedida a Tornielli, o cardeal Bergoglio apontara a autorreferencialidade, a vaidade e o carreirismo como os males mais graves da Igreja. O início do seu pontificado faz-nos pressagiar um novo caminho, o de uma Igreja missionária e próxima das pessoas. Uma missão que une o papa, o clero e o povo de Deus: fazendo dele o papa de todos nós.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Debaixo de Algum Céu de Nuno Camarneiro



Edição/reimpressão:
 
Páginas:
 
200
Editor:
 
Leya
ISBN:
 
9789896602390
Coleção:
 
Prémio LeYa

Influenciada por vários amigos que me falaram bem deste livro, estava em pulgas para que ele me chegasse as mãos.

Num espaço curto de tempo, a acção decorre quase sempre dentro das paredes de um prédio. De leitura rápida, confesso que o nome de alguns personagens fez com que, às tantas, não soubesse de que morador se tratava e confundi os graus de parentesco entre os habitantes deste prédio tão sui-generis.

Claro que gostei! A escrita do autor convida à reflexão e enamoramo-nos de algumas frases tal é a sua beleza. No entanto, os narradores são vários e como a escrita é muito própria, achei que o autor deveria ter feito um esforço para separar a forma de escrever do narrador e a dos personagens que são, algumas vezes, narradores também...

Achei interessante todas as pequenas vidas, que somos convidados a observar, pertencentes aos habitantes dos apartamentos, como se de pequenos contos se tratassem. Confesso que a história no seu todo não me prendeu de sobremaneira pois o tempo em que ela decorre é curto em demasia, não me sentindo empolgada o suficiente para ficar tão apaixonada pelo enredo como fiquei pela escrita do autor. As minhas estrelas vão quase na sua totalidade para a forma como o discurso está elaborado.

Terminado em 25 de Maio de 2013

Estrelas: 5*

Sinopse

Num prédio encostado à praia, homens, mulheres e crianças - vizinhos que se cruzam mas se desconhecem - andam à procura do que lhes falta: um pouco de paz, de música, de calor, de um deus que lhes sirva. Todas as janelas estão viradas para dentro e até o vento parece soprar em quem lá vive. Há uma viúva sozinha com um gato, um homem que se esconde a inventar futuros, o bebé que testa os pais desavindos, o reformado que constrói loucuras na cave, uma família quase quase normal, um padre com uma doença de fé, o apartamento vazio cheio dos que o deixaram. O elevador sobe cansado, a menina chora e os canos estrebucham. É esse o som dos dias, porque não há maneira de o medo se fazer ouvir.
A semana em que decorre esta história é bruscamente interrompida por uma tempestade que deixa o prédio sem luz e suspende as vidas das personagens - como uma bolha no tempo que permite pensar, rever o passado, perdoar, reagir, ser também mais vizinho. Entre o fim de um ano e o começo de outro, tudo pode realmente acontecer - e, pelo meio, nasce Cristo e salva-se um homem.
Embora numa cidade de província, e à beira-mar, este prédio fica mesmo ao virar da esquina, talvez o habitemos e não o saibamos.
Com imagens de extraordinário fulgor a que o autor nos habituou com o seu primeiro romance, Debaixo de Algum Céu retrata de forma límpida e comovente o purgatório que é a vida dos homens e a busca que cada um empreende pela redenção.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Escritores na Cozinha... com Lurdes Breda


Arroz doce


1,5 l de água
500 g de arroz
400 g de açúcar
1 l de leite
1 pitada de sal
2 embalagens de pudim flan “El Mandarin”
Casca de 1 limão médio
Canela para polvilhar

Coloca-se a água a ferver e junta-se o arroz. Tempera-se com sal e acrescentam-se as cascas do limão. Quando a água estiver quase toda introduzida no arroz, junta-se ¾ l do leite e no leite restante dissolve-se o pudim e o açúcar. Logo que o leite esteja incorporado no arroz, mete-se o restante leite com a mistura do pudim e do açúcar. Ferve uns minutos para engrossar e retira-se do lume, ainda com algum líquido por evaporar, pois quando arrefecer ficará mais húmido. Tiram-se as cascas do limão e o arroz pode colocar-se em pratinhos individuais ou numa travessa. Quando estiver morno polvilha-se com canela a gosto e está pronto a servir.

O Livro sem Letras

O livro sem letras permanecia num cantinho da montra, sem histórias do arco-da-velha, nem personagens mirabolantes. Nem tampouco ângulos retos, circunferências e números até ao infinito, ou sequer um céu de verão e papoilas por entre os campos. O livro sem letras só conhecia a menina Carminho, uma senhora de cabelos brancos, como as avós, e o Tomás, um gato tigrado e bisbilhoteiro. Mas, um dia, apareceu a Beatriz e…

terça-feira, 28 de maio de 2013

A Convidada Escolhe... " Um Amor Perdido"


Mais uma vez ultrapassei os livros que estavam na calha para ser lidos, mas valeu a pena! Olhei para o livro numa livraria, li duas linhas da sinopse e estava a comprá-lo.

E em boa hora o fiz. O tema é “pesado” mas magistralmente contado, na minha modesta opinião.

Mais um livro centrado na Segunda Grande Guerra, nos campos de concentração, sendo os protagonistas judeus que viviam em Praga.

O começo do livro surpreende porque é o fim da história (não será correto chamar história a este romance, uma vez que a autora agradece a todos os que a ajudaram com os casos verídicos por eles vividos)!

A surpresa do inicio do livro, o desfecho de todo o enredo, em nada diminui o prazer de ler os capítulos seguintes. A autora prende-nos de tal modo com os relatos que escreve, com a interação das pessoas, o modo de exprimirem a sua revolta e a força que está dentro de cada um dos sobreviventes desta época, tão trágica e que não deixa de nos envergonhar ter sido possível acontecer.

A leitura é absorvente e é daqueles livros que não queremos fechar enquanto não tivermos lido a última frase.

Não é mais um livro sobre as torturas nos campos de concentração.... é um relato que nos leva até lá, não de forma passiva, porque conta o melhor que existe no ser humano, o amor à família e aos amigos que neste caso estão vivendo o mesmo infortúnio. E também nos mostra como podemos guardar na memória tantas coisas, pensamentos e sentimentos, que nunca esquecemos, e que enriquecem o nosso existir e nos ajudam a ultrapassar o impensável.

E só quero acrescentar que gostei muito, mesmo muito, deste belo livro.

Ana Bento

segunda-feira, 27 de maio de 2013

"O Maior Amor do Mundo" de Seré Prince Halverson

Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 288
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04586-7
Idioma: Português


Ao lermos a sinopse deste livro ficamos com a ideia que apreendemos a história total deste livro e pouco mais há que contar! Nada de mais errado. Ela não revela - e bem! - os muitos mistérios que estão encerrados nas páginas desta obra.

Nas primeiras páginas apercebermo-nos de imediato do imenso amor que a personagem principal, Ella, nutre pelas crianças que considera seus filhos, os seus enteados, que criou e protegeu desde muito pequenos. Torcemos por esta mãe que se vê enredada em mistérios familiares antigos e escondidos e que sente perigar a guarda das crianças.

Mas aqui, contrariamente ao que sucede frequentemente na realidade, essas crianças não são postas em segundo plano. Ambas as mães conseguem, depois de algumas tenções, colocar as suas necessidades primeiro. Com estas minhas palavras pode parecer um romance onde o final é previsível, mas não o é de todo! Surpresas esperam-nos a cada passo, fazendo com que a nossa atenção aumente gradualmente.

Um livro para se ler em poucos dias, quando o nosso estado de espírito necessita de algo mais leve mas não menos profundo! Gostei e recomendo!

Terminado em 22 de Maio de 2013

Estrelas : 4*+

Sinopse

Ella Beene vive uma vida idílica numa pacata cidade americana, com o marido, Joe, e os dois filhos do primeiro casamento deste. Certo dia, porém, infringindo uma regra de ouro, Joe vira costas ao mar e uma onda arrasta-o para o fundo, levando consigo os seus muitos segredos.
Convencida de que a mãe biológica dos filhos, Paige, os tinha abandonado, é com grande surpresa que Ella a vê aparecer no funeral, decidida a recuperar a custódia.
À medida que os segredos emergem, Ella vê a sua vida perfeita ruir como um castelo de cartas. Mas há duas crianças que precisam de si mais do que nunca e pelas quais está disposta a enfrentar todas as adversidades...



domingo, 26 de maio de 2013

Ao Domingo com... Ana Saragoça

Foto de Mário Pires

Na minha vida escrevi dois livros e alguns contos. Não tenho portanto aquilo a que se possa chamar uma 'obra', até porque o primeiro é um romance que escrevi por iniciativa própria e o segundo um testemunho humorístico que escrevi em resposta a um convite. Mas, entre um e outro, produziu-se em mim uma mudança profunda na forma de encarar a escrita: passei a ser escritora. Não no sentido de estatuto, mas no sentido de me definir interior e exteriormente como tal, de encarar a escrita como sendo, de longe, a actividade mais importante da minha vida.

Demorei muitos anos a ter coragem para tentar escrever, porque sentia que ainda não tinha encontrado a minha identidade, aquela característica única que distinguisse os meus livros dos de qualquer outro escritor.

Talvez devido aos meus antecedentes teatrais, sempre fui muito rápida a apanhar tiques, estilos, sotaques de outras pessoas. Com a escrita era o mesmo: se estivesse a ler Saramago, saía-me um tipo-Saramago; idem com Lobo Antunes, com José Cardoso Pires, com Diniz Machado, com Mário de Carvalho, com Eça de Queiroz... Sim, estes são dos meus autores portugueses preferidos. Só quando consegui 'esquecer-me' deles e escrever sem pensar em mais ninguém descobri a minha voz. 

E agora fico imensamente feliz quando alguém observa que detectou na minha escrita laivos de algum deles - porque sei que são laivos, são tributos, e não um pastiche. 

De resto, não tenho o problema de muitos ecritores para quem a escrita é uma experiência dolorosa. Escrever dá-me um prazer profundo, quase sexual, quase um transe. Saio sempre dele exausta e feliz. Só tenho pena de não ter mais tempo - por enquanto - para me dedicar à escrita. E nunca, mas nunca cessa de me surpreender que um prazer tão intenso, tão íntimo e tão meu dê prazer a outras pessoas. É um privilégio. 

Ana Saragoça

sábado, 25 de maio de 2013

Um Livro numa Frase


Está tudo a mudar(...), não sei propriamente o que vou fazer. Mas quando decidir, vou em frente."

In Jardins de Canela, Shyam Selvadurai, pág. 338

Na minha caixa de correio

        


Estes são os novos moradores das minhas prateleiras...
Qual preferem?

Passatempo "E as Montanhas Ecoaram"

Com a gentil oferta da Editorial Presença, temos para oferecer, aos seguidores do blogue, um exemplar do último livro de Khaled Hosseini, "E as Montanhas Ecoaram"!

O passatempo decorre até ao dia 2 de Junho.

Cada pessoa pode concorrer de duas formas, contabilizando, se assim o fizer, dois números para o sorteio.

1- Responder, por email para otempoentreosmeuslivros@gmail.com , à pergunta seguinte:
-Onde e quando se passa a acção do livro?
Não se esqueçam de enviar os vossos dados pessoais (nome e morada) e o nick do seguidor do blogue.

2- Fazer "Gosto" na página d' O tempo entre os meus livros do Facebook e partilhar este passatempo, de forma pública, no seu mural e nomear um amigo no post correspondente a este passatempo no Facebook.

Para mais informações sobre o livro consulte o site da Editorial Presença aqui!

Boa sorte!

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Convite Esfera dos Livros


Novidade Porto Editora


Lobo Vermelho
de Liza Marklund

No Norte da Suécia, no pequeno povoado de Luleå, um jornalista é brutalmente assassinado. 
Para a repórter do Correio da Tarde de Estocolmo, Annika Bengtzon, não há qualquer dúvida de que o crime está relacionado com a investigação de um ataque a uma base aérea ocorrido nos anos sessenta. Mas esta será apenas a primeira de uma série de mortes acompanhadas de uma carta manuscrita aos familiares. Contra ordens explícitas do chefe, Annika decide continuar a investigação por sua própria conta e risco, envolvendo-se numa espiral de violência e terrorismo que tem por trás um grupo de seguidores da filosofia Mao que se autodenomina «As Feras». 
Chegará o momento em que a jovem repórter será obrigada a rever as suas prioridades de vida. 
Mas não será tarde de mais?

Novidade Matéria-Prima Edições

O Inimigo Invisível

de Rute Pinheiro Coelho

Margarida Vaz Mendonça descobre que o primeiro-ministro foi escolhido e preparado para o cargo pela Maçonaria. Confrontada com um relato detalhado sobre os bastidores dos partidos e da vida politica portuguesa, a jornalista tem acesso a informações que põem em causa a democracia.
O poder escondido da irmandade, a forma  como actua nos meios de comunicação social e as ligações que fomenta entre Portugal e Angola, a América Latina e Timor-Leste tornam-se claras aos seus olhos. Numa vertigem de receios e sentimentos contraditórios, a jornalista decide partilhar com o mundo todos os segredos que lhe foram revelados… Mas a tarefa torna-se complicada. A teia  do poder da Maçonaria é demasiado complexa. E atingir um inimigo invisível passa a ser mais difícil do que nunca.

Convite Chiado Editora


Novidade Presença


E As Montanhas Ecoaram
de Khaled Hosseini
1952. Em Shadbagh, uma pequena aldeia no Afeganistão, Saboor é um pai que um dia se vê obrigado a tomar uma das decisões mais difíceis da sua vida: vender a filha mais nova, Pari, a um casal abastado em Cabul e assim poder continuar a sustentar a restante família. A separação é particularmente devastadora para Abdullah, o irmão mais velho que cuidou de Pari desde a morte da mãe de ambos. Nenhum dos dois imaginava que aquela viagem até à capital iria instalar um vazio nas suas vidas que seria capaz de atravessar décadas e quilómetros e condicionar os seus destinos... Neste seu terceiro romance, Khaled Hosseini traz-nos uma belíssima e comovente saga familiar que reflete sobre como os laços que nos unem sobrevivem aos obstáculos que a vida nos impõe.
Para mais informações, consulte o site da Editorial Presença, aqui!

quinta-feira, 23 de maio de 2013

"Jardins de Canela" de Shyam Selvadurai

Edição/reimpressão: 2003
Páginas: 304
Editor: Bizâncio
ISBN: 9789725301913
Coleção: Ilhas Encantadas


Li comentários positivos sobre este livro e ele aguardava (im)pacientemente que lhe pegasse. Nota máxima!

Confesso que quando peguei nele pensei que me ia dispersar na leitura pois os nomes dos personagens são extensos e, por essa razão, nada fáceis de identificar. Mas estava enganada. 

Annalukshmi, uma das personagens principais, é facilmente reconhecida se tivermos em consideração o pequeno nome que tem integrado. Anna! E com alguns, outros, personagens passa-se o mesmo. Para além do que, muito rapidamente, ficamos a conhecer interiormente as suas vidas e as suas personalidades, o que facilita muito a leitura. Todos os personagens estão muito bem descritos e inseridos na época.

Viajamos pelo que é hoje o Sri Lanka, antigo Ceilão, por volta de 1927 e a acção passa-se maioritariamente em Colombo, antiga capital. Com uma certa regularidade, tomamos conhecimento, paralelamente, de duas vidas: a de Annalukshmi e de seu tio, Balendran (Bala). Qualquer dessas vidas desperta imediatamente interesse e mergulhamos no seu quotidiano com verdadeiro interesse tanto mais que os assuntos abordados eram polémicos na sociedade de então.

Anna é uma jovem inteligente que conseguiu singrar e destacar-se no mundo do ensino. Mas na época teria de fazer uma escolha: se continuasse a leccionar não poderia ligar-se a ninguém pois as professoras estavam impedidas de o fazer.

Bala, seu tio, sujeita-se desde cedo aos caprichos de seu pai, obedecendo-lhe na integra e aniquilando, quando jovem universitário, a sua homosexualidade. Casado com Sonia e tendo um filho que os une no seu amor, sente-se dividido.

Com estes dois personagens principais surgem outros, verdadeiramente interessantes e imbuídos das dúvidas que a situação política da época fazia prever: o Ceilão estava sob dependência britânica. Questões como a auto-determinação, o sufrágio universal, as castas superiores e inferiores, diferenças entre religiões tudo passa para nós, naturalmente, através das personagens e das suas lutas.

O fim de algumas personagens é deixado, propositadamente creio, em aberto e isso agradou-me bastante. Sentir que elas cresceram na narrativa e se foram afirmando aos poucos, saber que elas passam a controlar as suas decisões e escolherão seu destino, sossegou-me o bastante para as deixar navegar, sozinhas, pelos seus rumos...

Recomendo vivamente esta leitura!

Terminado em 19 de Maio de 2013

Estrelas: 6*

Sinopse

No elegante, mas sufocante mundo da classe alta de Ceilão, duas pessoas solitárias, Annalukshmi e o seu tio Balendran, têm de escolher entre a felicidade pessoal e a provável destruição de outras vidas. Uma sonha com a independência, ao mesmo tempo que a sua família tenta, obcecadamente, arranjar-lhe o casamento adequado, enquanto o outro, um respeitável marido e pai, vê-se confrontado com o passado quando o seu antigo amante, Richard, aparece depois de muitos anos de separação.
Sensual e cativante, Jardins de Canela, é um arrebatador romance que fala de emoções proibidas e da força interior daqueles que tentam não só resistir às pressões da sociedade, mas também lutar para alcançar a sua própria felicidade.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Escritores na Cozinha... com Clara Correia


Rapidinho

(é muitíssimo rápido de fazer)

Ingredientes: 
4 iogurtes naturais sem açucar
2 limões (só o sumo)
1 lata de leite condensado

Preparação:
Misturam-se e batem-se com a varinha mágica todos os ingredientes; coloca-se no frigorífico 2/3 horas e serve-se com ou sem decoração de frutas.
É uma sobremesa agradável para miúdos e graúdos, com um sabor simples mas interessante que junta a acidez do limão ao doce do leite condensado. Convém consumir no próprio dia para evitar que o sumo dos limões assente no fundo.

E os livros
Títulos já publicados: 
"Segredos da Praia das Camarinhas" - Preso à Vida pelo fio do Medo! (romance-thriller), 2012, Pastelaria Estúdios Editora (comentado em "O tempo entre os meus livros", entre outros blogs)... participação como co-autora em colectâneas: "Ocultos Buracos" - Terror/Insólito - 2012, Pastelaria Estúdios Editora ... "Beijos de Bicos" - Histórias de Amor - 2013, Pastelaria Estúdios Editora ... "Entre o Sono e o Sonho" - Antologia de Poesia - 2013, Chiado Editora ... 

Brevemente: 
"Poesia sem Gavetas" - Antologia de Poesia - 2013, Pastelaria Estúdios Editora ... colectânea "7 Pecados Mortais" - 2013, Pastelaria Estúdios Editora... 

Em preparação (a editar até ao fim de 2013): 
"Teias movediças" - Apanhada nas teias do Passado, movediças como areias! (2º romance-thriller).

Clara Correia

terça-feira, 21 de maio de 2013

A Convidada Escolhe... "Cenas da Vida de Aldeia"


“Cenas da Vida de Aldeia” não tem o formato clássico de um romance; é antes um conjunto de episódios da vida de várias pessoas, habitantes de Tel Ilan, cujas existências se cruzam ao longo dos respectivos quotidianos. A escrita, despojada mas irrepreensível, de Amos Oz traduz em palavras alguns momentos e pedacinhos das vidas dos personagens, quase como se fossem instantâneos fotográficos ou pequenos filmes. Estes são desconcertantes, inquietantes, sendo alguns até algo surrealistas, como se estivéssemos perante uma realidade alternativa. É-nos dado a conhecer um pouco das circunstâncias da vida dos personagens mas as suas histórias não têm um verdadeiro fim. Ficam como que suspensas, congeladas, como um filme que encravou numa cena; ficam num impasse. A última história, da qual esperávamos obter pelo menos algumas respostas, em nada nos ajuda. Pelo contrário, descreve-nos um cenário terrivel e desolador de um local onde é impossível viver com dignidade.

Gostei muito deste livro, não só pelas histórias invulgares que nos oferece, mas também porque me parece que se presta a uma outra leitura: poderá entender-se como uma grande metáfora descrevendo o impasse terrível a que chegou o conflito entre Israel e a Palestina; um confronto para o qual não parece haver fim à vista e daí as histórias inacabadas. Por outro lado, o horror da realidade descrita no último conto é como que uma antevisão do que poderá acontecer àqueles territórios, caso israelitas e palestinianos não consigam encontrar uma solução para viverem lado a lado de forma pacífica. Claro que esta é apenas uma interpretação muito pessoal e, como tal, passível de ser discutida e criticada. Nada sei das reais intenções do autor quanto a esta questão.


“ (…) De vez em quando preciso de um bocado de chocolate, a fim de mitigar um pouco a escuridão da vida, e ela esconde-me o chocolate como se seu fosse um ladrão, acrescentou tristemente, na terceira pessoa, como se Raquel não estivesse ali. Não percebe nada. Pensa que é gulodice. Não e não! Preciso de chocolate porque o corpo deixou de fabricar doçura. (…)”

“ Que bela melodia! É comovente! disse o velho. Recorda-nos o temo em que ainda existia alguma afeição entre os homens. Mas hoje não tem sentido tocar coisas dessas, é anacrónico, as pessoas estão-se completamente nas tintas. Acabou-se. Os corações estão selados. Os sentimentos mortos. As pessoas só se dirigem aos outros por interesse egoísta. O que resta? Se calhar resta apenas essa melodia melancólica, uma espécie de testemunho da desolação dos corações.”

Renata Carvalho





segunda-feira, 20 de maio de 2013

"Uma Promessa de Felicidade" de Anita Shreve

Edição/reimpressão:2013
Páginas:272
Editor:Porto Editora
ISBN:978-972-0-04551-5 
Idioma:Português


África tem para mim um sabor especial e os livros que, de alguma forma, têm esse continente dentro das suas páginas, encerram um mistério a que não consigo ficar indiferente!

Anita Shreve conta-nos uma história, que não fora a sua contextualizão, poderia ser simples e banal. É na cidade de Nairobi/Quénia e nalgumas outras paisagens africanas que decorre o enredo deste livro. Um casal decide ir viver para essa cidade, deparando-se com aspectos típicos de um país onde a inexistência de liberdade é fortemente acompanhada de repressão e por costumes que há muito não são bem aceites nas ditas sociedades civilizadas...

A acrescentar a isto, estão muitos factores narrados por esta escritora, que nos revoltam o estômago e nos prendem a atenção. Exemplo disso são os direitos muitas vezes inexistentes das mulheres africanas, da sua subjugação ao homem aceitando sem reservas que o seu papel na sociedade é diferente e inferior; o assassinato de jovens estudante que foi escrupulosamente escondido para que não se soubesse; a vergonha sentida por uma nativa quando foi barbaramente violada, como se tivesse tido culpa do sucedido...

Paralelamente Anita Shreve revela-nos um outro lado desse continente onde a cor e os odores são uma constante e marcam a população, sempre de sorriso na face. Uma beleza descrita nas paisagens com as suas cores fortes e garridas e também na simpatia das gente locais.

Achei que as descrições dos lugares correctamente integradas na história, enriquecendo-a positivamente e, com isso, enriquecendo-nos também. Para saber contextualizar correctamente uma história que nos prende aos cenários deslumbrantes, empregando uma terminologia fluida e de fácil leitura, é necessário conhecer bem os sítios e lugares descritos. Vivê-los! Não sei se a autora viveu ou conheceu o Quénia mas consegue fazer-nos visitá-lo. Literalmente. Achei esse factor muito positivo.

Um livro de cores quentes e de personagens de sorrisos fáceis, que nos transporta facilmente a outros lugares. Gostei desta leitura que se faz rápida.

Terminada em 17 de Maio de 2013

Estrelas:4*+

Sinopse

Margaret e Patrick estão casados há apenas alguns meses quando decidem partir para o Quénia, convencidos de que irão viver uma grande aventura em África. No entanto, Margaret depressa se apercebe de que não conhece os costumes complexos do seu novo lar e tão-pouco o homem que tem ao seu lado.
Quando, certo dia, um casal inglês os convida para escalar o monte Quénia, eles aceitam, entusiasmados, o desafio. Porém, durante a árdua subida, ocorre um terrível acidente e, no rescaldo da tragédia, Margaret ver-se-á enredada numa teia de dúvidas sobre o que se passou realmente na montanha. Estes acontecimentos, que a irão afetar profundamente, terão consequências indeléveis no seu casamento.
Uma Promessa de Felicidade retrata-nos a relação de um casal, o impacto definitivo da tragédia e a natureza esquiva do perdão. Com uma linguagem soberba e uma enorme profundidade, Anita Shreve conduz-nos pelas paisagens exóticas de África, numa viagem até ao interior de nós mesmos.

domingo, 19 de maio de 2013

Ao Domingo com... Rui Carreto


Olá a todos!
O meu nome é Rui Carreto.

Estudei teatro e filosofia- tanto filosofia ocidental como filosofia oriental- algo que está
presente na minha escrita, embora de forma muito vestida.
Acredito na bondade humana e tenho um lema: “o homem é bom, mas os homens são maus”, como tal é importante, a cada homem  a sua individualidade, e não se deixar levar pela intoxicação cultural e pelo hipnotismo da ambição, tal como o da imitação, o que nos faz ser homens animalescos mas não o homem humano, o original, o que realmente somos. Acredito no homem, em cada um de vós.
Falando de literatura:
O que me inspira são as grandes idéias; é a grande imaginação, aquela capaz de levar um leitor, da primeira à ultima página, a imaginar algo completamente diferente e a perder-se no tempo, a   entrar numa história de corpo e alma.
Tenho inspirações em Jorge Luís Borges, Ray Bradbury,  Bernard Werber, Lewis Carroll entre outros.  
Escrevi a minha primeira obra: “Livrolândia- a Terra dos Livros”, uma aventura misteriosa,  na  qual os livros são eles mesmos os personagens. Depois da meia-noite ganham vida nas
bibliotecas, feiras de livro e livrarias ao redor do mundo. Um exótico realismo mágico em que os leitores entram uma história repelta de seres orgânicos em papel, que vivem depois da meia-noite, e que às seis da manhã regressam de novo às prateleiras das lojas para só regressarem de novo depois do dia e de novo à meia-noite, ganhando de novo vida real nas suas cidades livrescas (as Livropólis por mim imaginadas, um mundo todo feito em papiro, pergaminho e papel). Mais que uma história fantástica sobre livros, “Livrolândia- a Terra dos Livros” é uma experiência directa que leva o leitor a entrar num verossímil universo de livros vivos e a sentir-se no papel de um livro.
Em breve saírá o meu segundo livro que se intítula: “A Tribo da Pontuação- a vida sentimental dos sinais da pontuação”, um romance pontual , um romance onde as minhas personagens são inspiradas em regras gerais da pontuação, instrumentos musicais e seres mitológicos; para já espero continuar a criar histórias de corpo e alma e a marcar a minha diferença no panorama literário actual, não porque queira ser diferente,  mas por não me guiar por mapas literários quando escrevo; e apesar de ter inspirações (como referi), também me sei desfazer delas e criar o meu próprio imaginário enquanto escritor.
Espero que descubram o meu primeiro trabalho, e  que este seja algo de novo que desperte a vossa imaginação.


Um abraço a todos... E boas leituras.
Rui Carreto.



Passatempo "Anna e o Beijo Francês" de Stephanie Perkins

Com a gentil colaboração da Editora Quinta Essência temos para oferecer um exemplar do livro "Anna e o Beijo Francês" de Stephanie Perkins, a todos os seguidores do blog.

O passatempo decorre até ao último dia deste mês, 31 de Maio.

Para isso só têm de responder às questões que se seguem e respeitar as regras.

Boa sorte!

sábado, 18 de maio de 2013

Lissa Price, autora de "Destinos Interrompidos"

No passado dia 15 estive presente no lançamento do livro de Lissa Price, " Destinos interrompidos", de seu titulo original "Starters", juntamente com algumas amigas deste mundo fabuloso dos livros.

A autora, muito simpática por sinal, falou-nos um pouco de como surgiu esta ideia deste mundo distópico e da heroína, Callie: numa sua ida a uma superfície comercial para apanhar uma vacina soube que o stock estava em ruptura e que só seria fornecida aos mais velhos e mais novos... Lissa pensou: "E se se tratasse de uma doença mortal? Como seria?"

Surgiu, então, a ideia de um mundo onde, depois de uma guerra (A Guerra dos Esporos), os habitantes fossem maioritariamente jovens e velhos, pois foram as faixas etárias seleccionadas para receberem a vacina. Mas e se houvesse alguém que arranjasse forma de prolongar a vida dos mais idosos em troca da existência dos mais novos e desprotegidos?

A personagem principal é uma jovem rapariga de 16 anos que tudo faz para proteger o seu irmão mais novo e doente, entrando numa série de peripécias que nos prendem a atenção, mesmo que este não seja o género de leitura que estejamos mais habituados. Uma pequena heroina que arranja força e coragem para combater poderes mais fortes que estão instituidos. Talvez lembranças da sua juventude, admitiu a autora, quando teve ultrapassar uma situação de completo terror, um terramoto.

Um livro para ser lido por todos porque, embora seja um livro com imagens desoladoras e cenas impressionantes, a mensagem que transmite é de esperança. "Esforça-te que consegues!", creio esta frase traduz bem a intenção da autora.

Confesso que este livro me surpreendeu pela positiva e estou a aguardar o seu seguimento (Enders) com ansiedade. editora Planeta está de parabéns com esta aposta! Podem espreitar a minha opinião aqui!

Na minha caixa de correio

      
Eis os quatro livrinhos que chegaram a minha casa esta semana! O do Francisco Salgueiro é um emprestimo do Segredo dos Livros. Vai cá ficar por pouco tempo já que penso lê-lo em breve!
O Café do Amor ganhei nos passatempo do JN.
Os dois restantes são da Quinta Essência. Quero ler o da Jude Deveraux, brevemente...
Ai TEMPO, TEMPO!

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Novidade Assírio & Alvim

Suicídios Exemplares
de Enrique Vila-Matas

Neste livro, o suicídio torna-se a saída para as deceções ou ausências nas vidas dos personagens.
Contudo, acontece sempre alguma coisa que altera o desfecho esperado. 
Com narrativas cheias de imaginação, subtileza e inteligência, a obsessão pelo suicídio acaba, paradoxalmente, por afastar a tentação da morte, tornando-se num incentivo para a vida e transformando positivamente a ação dos heróis deste livro.

Convite Bertrand

Inferno

de Dan Brown

Inferno marca o regresso de Robert Langdon, o famoso simbologista de Harvard, que protagonizou O Código Da Vinci, Anjos e Demónios e O Símbolo Perdido. Este novo romance é passado em Itália e é sobre o clássico da literatura, A Divina Comédia, de Dante Alighieri, a que vai buscar o título de uma das partes, o Inferno. O autor disse este fim-desemana em entrevista ao Sunday Times que considerava este livro o seu romance mais negro.

Convite BOOKSMILE


Novidades Planeta

O Suplente
de Rui Zink 

Por vezes a consciência atinge-nos como um raio, ou uma fatalidade. Daí se poderá dizer que este livro nasce. O autor diz que é, até hoje, o seu romance preferido. Ou aquele que mais tenta dar resposta a interrogações pessoais:  
    a) Como resolver a perda? 
    b) Como sobreviver ao caos? 
    c) O amor salva, sim mas muito ou só um bocadinho? 
    d) Na era do sexo fácil, qual o valor exacto do amor físico? 
    e) Quando estamos em queda livre, há redenção possível?  

Há respostas dadas no livro? Há respostas possíveis? Diga quem lê.



A Mulher que Mergulhou no Coração do Mundo
de Sabina Berman

Quando Isabelle acordou na sua rede, nas costas do mar de  Mazatlán, uma menina selvagem, de cabelo desgrenhado, fitava-a.  Uma menina que, graças ao carinho, à firmeza e à obstinação de Isabelle, aprenderá a falar, a ler e a escrever; estudará zoologia na 
universidade, apesar da suspensão da maior parte das cadeiras,  e chegará a ser a maior empresária da pesca de atum do planeta, assim como um dos seres vivos mais estranhos e singulares.  
Inapta para certos aspectos intelectuais, em outros campos é um autêntico génio, Karen Nieto, disposta a preservar a vida dos oceanos, mergulha entre os atuns do mar e entre os seres humanos da Terra provocando sorrisos e perplexidades.  Talvez seja esta a sua virtude mais peculiar: é incapaz de utilizar metáforas ou eufemismos para disfarçar ou ocultar a realidade. 
Autêntica e surpreendente, Karen parece destinada a ficar muito tempo connosco.




Traída pelo Destino
de Emma Wildes


Na sociedade do período da Regência, espera-se que as mulheres casem jovens, governem a casa e sejam vistas, não ouvidas. 
Mas, por outro lado, estas senhoras dificilmente fazem o que se espera delas… Lady Lillian Bourne não se pode dar ao luxo de se envolver noutro escândalo.  
Ao reentrar na sociedade, após a fuga desastrosa de que foi protagonista quatro anos antes, não tem alternativa senão ser  a própria imagem do decoro.  
Mas está convencida de que o destino está a conspirar contra ela, quando, durante uma festa, dá consigo fechada à chave numa biblioteca com um desconhecido enigmático.  
Seria o fim, se caísse em desgraça uma segunda vez... Após os anos que passou em Espanha como espião, Lorde Damien Northfield considera Londres um pouco entediante, até ao seu encontro inesperado com a encantadora, mas mal-afamada, Lily.  
Após a contrariedade por que passaram, não pode deixar de desejar que o interlúdio com ela tivesse sido tudo menos inocente.  E quando é contratado para investigar um esquema de chantagem e homicídio que envolve algumas das famílias mais ilustres de Inglaterra, fica radiante ao descobrir que o destino a voltou a colocar no seu caminho, e que ela pode ser a chave para apanhar um assassino implacável…