Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Experiências na cozinha... As delícias da Nigella

Aproveitando a visita de alguns amigos que vieram no Domingo para almoçar e lanchar, fiz estes deliciosos queques de laranja do livro "As delícias da Nigella", publicado pela Civilização.

Devo confessar-vos que gosto muito de laranja mas não a aprecio grandemente dos bolos e nas sobremesas em geral, por isso estava um pouco renitente.


Mas estes tinham um óptimo aspecto, com umas fotos que apeteciam comer, e lá me atrevi a fazê-los!

Fáceis e rápidos de fazer, não precisando sequer de batedeira, ficaram com muito bom aspecto e paladar, pois não consegui resistir e abri um ainda quente...

O truque é não misturar muito bem os ingredientes para que possam ficar fofos e com o aspecto que vemos na foto.


Uma delícia que foi devorada num ápice. E o sabor a laranja que não aprecio? Nem se notava...

terça-feira, 30 de outubro de 2012

A magia das estrelas de Tom Bullough


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 212
Editor: Matéria Prima
ISBN: 9789898461452

Gostei de conhecer a história, embora romanceada, de Konstantin Tsiolkovsky, considerado o pai do vôo espacial humano russo. Pesquisei aqui!

Confesso que a Física não é uma área que domine nem tão pouco goste, mas as explicações que "ouvimos" da boca deste cientista são de uma clareza e simplicidade tais que conceitos difíceis tornam-se fáceis de entender. Gostei, sobretudo, da forma como ele revolucionou as suas aulas, tentando explicar de uma forma que os seus alunos entendessem conceitos que na época (estamos a falar de 1867 e anos seguintes) ainda estavam a dar os seus primeiros passos.

Lutador, desde menino, Konstantin era um criativo e um inventor. A sua incapacidade (ficou quase surdo depois de ter tido escarlatina) não o impediu de realizar os seus sonhos. Numa altura em que muito facilmente poderia ser marginalizado inventou um aparelho - a "corneta acústica" - que o auxiliou na difícil arte de ouvir para poder comunicar.

Não é um romance que apaixona logo no início e é uma leitura que se faz e que se quer lenta para se poder entender conceitos de Física, que não domino de todo, mas encantou-me descobrir a inteligência de um menino que não pode estudar na escola devido à sua surdez.

Um romance bem escrito, denotando uma elaborada pesquisa, que deve ser saboreado devidamente, com calma e sem correrias!

Terminado em 26 de Outubro de 2012

Estrelas: 4*+

Sinopse


Este é um romance histórico, um tipo de livro com resultados muito positivos no mercado português.
Com um acabamento cuidado e uma capa bastante apelativa torna-se um excelente livro de oferta.
O autor parte da vida de Konstantin Tsiolkovsky, o pai da ciência espacial russa, para nos dar a conhecer o ambiente de um país no final do século XIX. Das florestas infestadas de lobos, aos bordéis de Moscovo, dos confins da vida na aldeia, às maravilhas da Era do Vapor, de uma terrível tragédia à maravilhosa descoberta de um grande amor, A Magia das Estrelas, o romance brilhante e inspirador de Tom Bullough é um livro que cativará todos os que o lerem.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Beleza atormentada de Cecilia Samartin


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 300
Editor: Vogais
ISBN: 9789896681395

Este livro ter-me-ia passado despercebido não fora a opinião da Vera. A capa faz sentido depois de olharmos para o conteúdo do livro mas as suas cores fortes são um tudo nada agressivas e não se tornam nada atractivas... Às vezes o primeiro olhar não nos leva ao interior mas dele depende uma primeira impressão! E os olhas também comem, não é? Neste caso também leem...

Mas esta história agradou-me deveras! Primeiro pareceu-me um pouco o género da "Cinderela", mas ao fim de algumas páginas fiquei conquistada. Pequenos pormenores que são ou foram reais vieram dar um colorido autêntico a esta história. Estou a falar de algumas marcas de nascença (hemangioma) que podem revelar-se verdadeiros estigmas para quem as possui; da fuga clandestina de pessoas, que em busca de melhores condições de vida, tentam passar a fronteira Mexicana para entrarem nos Estados Unidos da América; a peregrinação que é feita por muitos e denominada "o caminho de Santiago"...

A personagem principal nasce com uma marca de nascença que determina a sua forma de encarar o mundo e os outros. E é a partir daí que a autora mistura ficção com realidade, numa história cheia de imaginação. 

Gostei de não ter acabado como estava à espera.De não ser um conto onde tudo acaba em bem, de haver pormenores que ficaram por esclarecer. Fica um pouco em aberto o final e isso faz com que a nossa imaginação fique a trabalhar, bem depois de termos fechado o livro.

Surpreendeu-me bastante porque, definitivamente, não estava à espera. Não se deve ter ideias preconcebidas, pois não?

Terminado em 23 de Outubro de 2012

Estrelas: 5*

Sinopse


Ainda jovem, Jamilet vê a sua vida mudar quando a mãe morre. Durante anos é apontada e atormentada na sua aldeia natal no México por causa da marca hedionda que tem no corpo. Ela rejeita ficar com a avó, e decide partir para os EUA à procura de alguém que a ajude. É em Los Angeles que Jamilet vai descobrir a beleza do amor e da amizade, ao conhecer Don Peregrino. Nesta história inspiradora, de redenção e amor, que percorre o milenar Caminho de Santiago, Cecilia Samartin, «a sucessora de Isabel Allende», dá-nos uma perspetiva iluminadora do verdadeiro significado da beleza.


domingo, 28 de outubro de 2012

Ao domingo com... Vasco Ricardo


"Foi com todo o gosto que aceitei fazer esta rúbrica para ‘o tempo entre os meus livros’. Pediram-me para escrever sobre o que eu quisesse, fosse de mim como autor, fosse do livro da minha autoria publicado em Maio, A Trama da Estrela.

Contrariamente ao que é habitual – julgo que eu próprio já o terei evitado –, irei simplesmente exprimir-me acerca de mim mesmo, como pessoa. Se os leitores quiserem saber algo do autor podem consultar o blog em http://vascoricardo.blog.com; lá constam várias entrevistas, opiniões, recortes de imprensa, entre outros. Se, por outro lado, tiverem curiosidade acerca do livro e não o desejarem adquirir, podem consultar o Facebook ou Google e pesquisar à vontade.
Pois bem, não me considero um sonhador ou um criativo. Prefiro assumir-me como alguém que se esforça, que tem a determinação e a lucidez necessárias para fazer por mim aquilo que outros não fazem. Penso, aliás, ser essa a minha principal qualidade. Tenho uma permanente vontade de fazer melhor do que aquilo que já fiz. Quando termino uma ficção deixou-a partir para rapidamente abraçar uma nova. Mais tarde retomo-a para revê-la, por vezes sem nada ver, mas, emocionalmente, sinto-me já desligado da que já foi concebida.

Gosto de passar despercebido e observar, para de vez em quando lançar uma farpa e voltar para a minha carapaça, registando as consequências daquilo que provoquei. É divertido agir dessa forma. Não é muito nobre, bem sei, mas tem a sua graça e é um jogo inofensivo.

Não sei se prefiro o mar ao campo, a neve ao sol. Todos têm o seu encanto e tudo depende de um momento, de um estado de espírito. Aquilo que hoje posso assumir como predilecto amanhã pode não o ser mais. O mesmo ocorre com escritores de referência ou correntes literárias.

Sou um insatisfeito e procuro aquilo que jamais alcançarei. Resta-me esperar que um dia esteja mais próximo desse destino do que o que estou neste momento.

Em certas ocasiões, pretendo simplesmente parar, aliviar as ideias, mas sou constantemente bombardeado por novas motivações e por projectos de algo que pode terminar num instante ou visitar-me variadas vezes até eu decidir que vale a pena dar-lhe atenção.

Mas também consigo ver os defeitos que possuo. Sou chato muitas vezes e persistente no mau sentido. Cismo em demasia e sou excessivamente duro com o que construo. Ou seja, dou literalmente cabo de mim mesmo, daí que não tenha inimigos – acredito – pois faço o trabalho por todo os que pretendem sê-lo.
Em Dezembro sairá numa nova ficção, um thriller num registo diferente em comparação com o primeiro livro editado. Dentro de pouco tempo novidades surgirão."

Vasco Ricardo

sábado, 27 de outubro de 2012

Passatempo de Natal da Civilização Editora


Novidade Esfera do Caos

Palavras Nossas
Colectânea de Novos Poetas Portugueses

Volume II
Coordenador: Miguel Almeida

Uma colectânea inovadora e renovadora.
Novos temas, novas abordagens, estilos diferenciados.
20 novos poetas portugueses dão-nos a conhecer o melhor da sua poesia, até agora desconhecida: Acácio Costa, Anya Pinheiro, Arnaldo Teixeira Santos, Carlos Palhau, Isaura Moreira, Jorge Aragão Treno, Jorge Nuno, Manuel Rosa, Manuela Gomes da Silva, Maria das Dores Gomes da Silva, Maria de Lurdes Cunha, Maria Judite Coelho Cândido, Maria Luísa Silva, Maria Pombo, Maria Silvéria Mártires, Maria Teresa Almeida, Marta Limbado, Micaela Adriana Morais, Rúben De Brito, Vítor Fernandes.
A colectânea Palavras Nossas, com o primeiro volume dado à estampa em 2011 e que agora se apresenta em segundo volume, resulta de um projecto literário que procura dar primazia à novidade e à diversidade: autores que pela primeira vez nos mostram a sua poesia inédita — porque vale a pena dar voz a quem nunca teve a oportunidade de se revelar — e um amplo conjunto de temas e estilos diversificados — porque o mundo em que vivemos é feito de muitas e insuspeitas complexidades.

Novidade Bertrand

Os Anos Perdidos
de Mary Higgins Clark

Jonathan Lyons é um estudioso da Bíblia e julga ter encontrado uma relíquia inimaginável: uma carta em papiro que pode ter sido escrita pelo próprio Jesus Cristo. Roubada da Biblioteca do Vaticano no século XVI, pensava-se que estava perdida.
Agora, sempre com um pedido de sigilo, consegue confirmar a sua autenticidade junto de vários especialistas. Mas confidencia também a um amigo de família a suspeita de que uma pessoa que em tempos foi da sua confiança queira agora vender o artefacto para fazer muito dinheiro.
Passados poucos dias, Jonathan é encontrado morto no seu estúdio. Escondida no guarda-roupa, a balbuciar palavras sem sentido e segurando a arma do crime, encontra-se Kathleen, a sua mulher, que sofre de Alzheimer. Apesar da demência, Kathleen sabia que o marido tinha há muito tempo um caso com outra mulher. Terá ela matado o marido num acesso de ciúmes, como alega a polícia? Ou estará a morte dele relacionada com uma questão mais ampla: Quem tem na sua posse o pergaminho de valor incalculável agora desaparecido?
Caberá à filha de ambos, Mariah, ilibar a mãe das acusações de homicídio e desvendar o verdadeiro mistério que se esconde por detrás da morte do pai.

Na minha caixa de correio

Esta semana chegaram-me dois livrinhos.
O A empresa das Índias ganhei no ionline. A sinopse promete.
O funeral da nossa mãe é da "nossa" Célia Loureiro e foi-me oferecido pela Alfarroba. Estou em pulgas para o ler porque gostei muito do Demência.
Só me falta tempo...

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

A estranha viagem do Sr. Daldry de Marc Levy


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 240
Editor: Contraponto
ISBN: 9789896661243

Cinco estrelas para Marc Levy! 

A capa não me atraiu mesmo nada, o título idem, mas opiniões eram positivas e a minha curiosidade venceu... Se pudesse lia quase tudo o que me vem parar às mãos mas com a falta de tempo tenho de seleccionar cada vez mais, mas tenho sempre receio de deixar escapar algum livro que, ao ler, poderia achar bom. Seria o caso deste...

Esta obra cativou-me! São os cheios intensos que a personagem principal, Alice, nos brinda; são os lugares descritos com mestria de uma Istambul que quero visitar; são amizades que se vão construindo entre personagens aparentemente tão diferentes; são mistérios que se vão desvendando devagar, sem adivinharmos; são diálogos que nos fazem sorrir; são personagens que parecem reais... Tudo me encantou e me foi seduzindo, aos poucos, numa viagem que fiz, também, por lugares e cheiros desconhecidos.

Recomendo. Muito!

Terminado em 21 de Outubro de 2012

Estrelas: 5*

Sinopse

«Há duas vidas em ti, Alice. A vida que tu conheces e uma outra que te espera há muito tempo. Estas duas existências não têm nada em comum. O homem de que te falei ontem encontra-se em algum lugar dessa outra vida, e nunca estará presente na vida que levas atualmente. Terás de encontrar seis pessoas antes de chegar até ele. Partir ao encontro dele obrigar-te-á a fazer uma longa viagem. Viagem durante a qual descobrirás que nada daquilo em que acreditavas é verdadeiro.»

Londres, 1950
Alice leva uma existência tranquila entre o seu trabalho como criadora de perfumes, que a apaixona, e o seu grupo de amigos, todos eles artistas nas horas vagas. No entanto, na véspera de Natal, a sua vida vai sofrer um abanão. Durante um passeio a uma feira em Brighton, uma vidente prediz que irá viver uma aventura, em busca de um passado misterioso. Alice não acredita nela, mas também não consegue esquecer as suas palavras; subitamente as suas noites passam a ser povoadas de pesadelos, que lhe parecem tão reais como incompreensíveis.
O seu vizinho, o senhor Daldry, um gentleman excêntrico e celibatário empedernido, convence-a a levar a sério a predição da vidente e a encontrar as seis pessoas que a conduzirão ao seu destino.
De Londres a Istambul, Alice e o senhor Daldry partem na sua estranha viagem…

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Passatempo "O Vento dos outros"

Com a simpática colaboração da Marcador temos para oferecer um exemplar de um dos livros de Raquel Ochoa, O vento dos outros, Prémio Agustina Bessa-Luís.

Para responderem acertadamente às questões do passatempo leiam o texto que a Raquel nos ofereceu o Domingo passado. Aqui!

O passatempo decorre até dia 1 de Novembro.

Boa sorte!

terça-feira, 23 de outubro de 2012

A convidada escolhe... Nunca é tarde demais


A opinião da Ana, uma devoradora de livros:

"Um livro que me divertiu imenso. Achei-me estranha ao classifica-lo como divertido mas, na verdade passei umas horas bem-dispostas ao lê-lo.

Embora seja um pouco cética no que se refere ao mundo transcendental das conversas com as almas que já partiram, como alguém mais ou menos disse: não negues o que não conheces ou viveste… Dito isto, até as passagens em que as personagens falam com as almas que já
partiram, não me perturbaram…

É bom vermos como quatro amigas, na “casa” dos 65 anos fazem por continuar com as suas vidas para a frente. Apesar dos pesares não desanimam! E cada uma, com as suas características, consegue mudar o ruma da sua vida. Não deixa de ser um bom exemplo para quem já chegou a essa linda idade, ou se aproxima dela a passos largos….

O título já nos indica que nunca é tarde, mas não deixa de ser menos interessante ver como tal pode, e é tantas vezes, verdade!

Lê-se rapidamente este romance de 230 páginas, pois as peripécias são algumas… e em todas sobressai o grande companheirismo das protagonistas.

Este livro é bom para intercalarmos naqueles romances históricos, verídicos, mas por vezes também algo “pesados”, como me aconteceu a mim. Talvez tenha sido também uma das razões que me agradou nesta leitura."

Ana Bento

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Escândalos em família de Susan Lewis


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 472
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04380-1

Fechei este livro e tive imediatamente saudades do enredo que nos prende, das personagens que, com os seus jogos psicológicos, nos fazem sentir uma empatia ou uma repulsa quase imediatas!

Esta escritora sabe como prender um leitor! Possuindo uma escrita simples, fluída, surpreende-nos com várias situações inesperadas que vão acontecendo durante o enredo e contra as quais as personagens principais vão ter de reagir.

Devo dizer-vos que não acabei de ler a sinopse. A acho que não o devem fazer... Quando se perde o factor surpresa, perde-se também a vontade de ler. Partam para a leitura deste livro "de olhos fechados". Vão ver que ficarão presos nas teias do enredo e na caracterização dos personagens que bem elaborada está!

Terminado em 20 de Outubro de 2012

Estrelas: 4*+

Sinopse


E se a única pessoa que pudesse salvar o seu filho fosse a que mais odeia?

Quando Alicia Carlyle regressa à casa da sua infância, depois da morte trágica do seu marido, espera poder finalmente esquecer o passado. Mas para isso terá de enfrentar a mulher que quase lhe destruiu o casamento e lhe dividiu a família - a sua cunhada, Sabrina. As duas não se suportam, mas Alicia está decidida a começar uma nova vida com os seus filhos, Nathan e Darcie, e a resgatar a relação que tinha com o seu querido irmão.

Mas quando o futuro começa a parecer mais risonho, a filha de 15 anos de Sabrina, Annabelle, acusa Nathan, de 17 anos, de um crime que ele insiste não ter cometido. E uma vez mais as duas famílias veem-se presas numa batalha de desconfiança, traição e mentiras - uma batalha que ameaça destruí-los a todos...

Da autora bestseller de Um amor inesperado, um romance carregado de intriga e paixão, sobre as consequências dos segredos e da traição.

domingo, 21 de outubro de 2012

Ao Domingo com... Raquel Ochoa


"Moça de 32 anos, com algumas viagens pelo mundo, alguns (cinco) livros escritos e muitos lidos. Apresento uma certa tendência ou facilidade em confundir sonho com realidade, e esse tropeção tem-me trazido grandes vantagens.

Foi a escrever que descobri que podia e devia escrever. Experimentar é essencial. Tal aconteceu quando empreendi o meu primeiro livro “O Vento dos Outros” aliás, a escrita é uma consequência das viagens que fiz. Tinha muitas histórias e não queria perdê-las no correr do tempo.

E uma vida é tão pouco para conhecer isto tudo… ! O mundo é guloso, quanto mais conheço mais quero conhecer. Sou (somos) privilegiados por dois aspectos – poder viajar; e poder chamar casa a Portugal.

Comecei com 16 anos, aos 19 e 20 fiz dois interails pela Europa. Aos 21 fiz a minha primeira viagem intercontinental. Um destino que passados 10 anos continuo a repetir: Índia. Desde aí já tive oportunidade de conhecer Cabo Verde, América do Sul, Nepal, Malásia, Indonésia, Hong Kong e Macau, Sri Lanka, Austrália, Nova Zelândia…

Tenho um blog chamado “o mundo lê-se a viajar”. Como ler/escrever/viajar são cabeça, tronco e membros da minha aventura, achei que seria um bom nome. Além disso, é uma grande verdade, hão-de concordar comigo…
Ainda continuo deslumbrada com o poder de um livro – a benesse que traz ao cérebro, aos órgãos, aos que nos rodeiam. Lemos um livro porque queremos entreter-nos, compreender melhor o mundo, ou evadir-nos. Escrevo-o com o mesmo intuito. A base de todos os meus livros são histórias verídicas porque já compreendi que nenhuma ficção consegue ultrapassar a realidade."

Raquel Ochoa

Um livro que gostei muito foi "A casa-comboio". Leia aqui a minha opinião.
(Cris)

sábado, 20 de outubro de 2012

Na minha caixa de correio

     
Intrigou-me a capa e a sinopse do livro da Chiado, Pai vem me ver. Fiquei com a pulga atrás da orelha... Obrigado pela oferta, Chiado!
Quanto à Magia das estrelas sei que vou gostar. Já leram a sinopse? Oferta da Matéria-Prima.
Fui à Feira da Ladra e vim com o Ken Follett ... Tenho o primeiro, mas aguardo a saída do terceiro para ler tudo de seguida!
O livro dos perfumes perdidos foi oferta do Clube do Autor. Confesso-vos um segredo: sempre que por lá passo e entro naquela sala repleta de estantes com livros apetece-me lá ficar e cuscar nas prateleiras!!!

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Blasfémia de Asia Bibi e Anne-Isabel Tollet


Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 150
Editor: Aletheia
ISBN: 9789896224172

Fiquei sem palavras com esta leitura! Há tanto para dizer e, no entanto, os meus dedos  e o meu pensamento não avançam, incrédula  e indignada com o que li (sei bem o que se passa no mundo mas continuo a surpreender-me quando leio relatos assim).

Leiam a sinopse. Este é um dos poucos casos em que a sinopse, reveladora do conteúdo do livro, merece ser lida com atenção.

Creio que Asia Bibi ainda se encontra viva. Ainda! Pois não sei quanto tempo conseguirá alguém viver nas condições descritas por ela neste livro. Que podemos nós fazer a não ser espalhar esta mensagem e pedir para que todos leiam este livro? Foi o que fez a Paula quando o colocou a circular... O meu obrigada pelo empréstimo, Paula!

Terminado em 14 de Outubro de 2012

Estrelas: 6*

Sinopse


Este é o relato impressionante de Asia Bibi, uma paquistanesa que há dois anos espera pela ordem de enforcamento, simplesmente por ter ousado partilhar um copo de água com outras mulheres.
Duas das vozes que ousaram defendê-la, o governador Salman Taseer e o ministro para as Minorias Shahbaz Bhatti, foram brutalmente assassinados. O Papa Bento XVI pediu a libertação de Asia Bibi e congrega-se em todo o mundo um grande movimento que conseguiu, para já, adiar o seu enforcamento.
Impressionada com a sua história, a correspondente francesa do canal televisivo France 24, Anne-Isabelle Tollet, decidiu dar voz ao sofrimento de Asia Bibi, passando para o papel este extraordinário e horrível relato na primeira pessoa.

Uma aldeia no centro do Paquistão, perto de Lahore. A temperatura chega aos 40ºC e as mulheres trabalham nos campos. Entre elas está Asia Bibi.
Asia tem sede. Ela tira um balde do fundo do poço, despeja um pouco de água numa velha xícara de metal e bebe até ao fim. Enche de novo a xícara e oferece-a a outra mulher a seu lado. É nesse momento que assina a sua sentença de morte.
Asia é cristã e a chávena de metal pertence às suas amigas muçulmanas. Ao mergulhar de novo a chávena no balde depois de ter bebido nela, Asia sujou a água. Depressa se começou a falar de blasfémia. Asia é condenada, sentenciada à morte. Por enforcamento. Tudo por um copo de água.
Há já dois anos que Asia está na prisão, à espera de ser executada.
Quer o governador Salman Taseer quer o ministro para as Minorias Shanbaz Bhatti, que a tentaram ajudar, estão agora mortos - assassinados. Estes acontecimentos chocaram e indignaram o mundo inteiro - o Papa Bento XVI falou publicamente em apoio a Asia e Bhatti chegou a encontrar-se com Hillary Clinton antes da sua morte, para discutir o caso.
Hoje, somente o marido e o advogado conseguem vê-la, em condições muito difíceis e apenas através de um ecrã.
Nos últimos meses, por detrás das grandes paredes da prisão onde Asia vive em condições sub-humanas, pessoas sem nome (para protegerem a própria segurança) ajudam a passar a sua palavra cá para fora. Asia Bibi está a pedir ajuda. Durante este tempo, e sempre que as condições de segurança o permitiram, cada capítulo do manuscrito foi-lhe apresentado. O texto deste livro contém o seu total acordo e apoio à sua publicação.
Este é um relato extraordinário na primeira pessoa, um pedido de ajuda tocante.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Convite Alfarroba


Novidades Planeta


O AGENTE DA CATALUNHA
de Cesário Borga 
Jorge, o português, torna-se Jordi, o miliciano, e encontra nas barricadas, mais do que uma razão de viver, uma razão de amar a liberdade na figura de Alba – a bela e indomável guerrilheira catalã, mulher livre como o vento e que nenhum homem ou lei parecem poder alguma vez vergar. 
Enviado de novo à sua Lisboa natal numa missão de destruição do fascismo e da aliança política entre Franco e Salazar, Jordi volta a ser Jorge e, entre explosivos, flores e um plano de atentado ao ditador português, descobre-se prisioneiro de Isaura, cuja aparente doçura mal esconde uma obstinação e uma vontade férrea em desbravar os horizontes que lhe foram vedados.


CINDER
de Marissa Meyer
Com dezasseis anos, Cinder é considerada pela sociedade como um erro tecnológico. Para a madrasta, é um fardo.  
No entanto, ser cyborg também tem algumas vantagens: as suas ligações cerebrais conferem-lhe uma prodigiosa capacidade para reparar aparelhos e fazem dela a melhor especialista em mecânica de Nova Pequim.  
É esta reputação que leva o príncipe Kai a abordá-la na oficina onde trabalha, para que lhe repare um andróide antes do baile anual. 
Ansiosa por impressionar o príncipe, as intenções de Cinder são transtornadas quando a irmã mais nova, e sua única amiga humana, é contagiada pela peste fatal que há uma década devasta a Terra.  
A madrasta de Cinder atribui-lhe a culpa da doença da filha e oferece o corpo da enteada como cobaia para as investigações clínicas relacionadas com a praga, uma «honra» à qual ninguém até então sobreviveu.  
Mas os cientistas não tardam a descobrir que a nova cobaia apresenta características que a tornam única. Uma particularidade pela qual há quem esteja disposto a matar. 


TRANSFORMAR-SE EM MARIA ANTONIETA
de Juliet Grey
Maria Antonieta faz parte do imaginário colectivo como a última rainha de França, que acabou por ser guilhotinada e muito se tem escrito sobre ela, desde a sua beleza à suposta frivolidade. Mas a imagem que fizemos desta rainha não 
corresponde exactamente à verdade e foi baseada em estudos e descobertas recentes que a Juliet Grey narra a vida de Maria Antonieta, desde o seu tempo de arquiduquesa de Áustria, aos tempos de Delfina em que foi confrontada com um casamento sem consumação durante sete anos, até à sua morte.
Criada pela formidável imperatriz da Áustria, com numerosos irmãos e irmãs, Maria Antónia, aos dez anos, já sabia que a sua existência idílica seria, um dia, sacrificada às ambições políticas da mãe, mas nunca lhe passou pela cabeça que a sua imolação fosse tão prematura.  
Antes de passar dos piqueniques em Viena, na companhia das irmãs, para o brilho, o fascínio e as bisbilhotices de Versalhes, Antónia tem de mudar por completo para ser aceite como Delfina de França e mulher do estranho adolescente que um dia será Luís XVI.  
Mas possui ela o engenho e influência necessários para se tornar rainha? 

SEDUÇÃO
de Bella Andre
Charles Gibson é um escritor de êxito, mas devido aos temas que escreve afasta as mulheres e sujeita-se a blind dates que os amigos lhe propõem. 
Candance Whitman, recém-chegada à literatura erótica, tem encontrado diversos obstáculos pelo caminho. Cansada de ser criticada, decide ir a uma conferência de escritores com o objectivo de aprender, onde acaba por conhecer o seu ídolo: Charles Gibson, o autor best-seller de romances eróticos. 
Charles propõe-lhe cinco lições para lhe ensinar as noções básicas do erotismo, criação de cenas, ou seja, conselhos muito válidos para obter bons resultados.
Mas o que nenhum dos dois esperava era que as lições teóricas passassem à prática. Infelizmente, a desilusão de Candace em relação ao novo romance que está a escrever – no qual Charlie desempenha o papel principal – ameaça-lhes a possibilidade de desfrutar de um amor verdadeiro.  



Novidade Bertrand


À Roda dos Tachos
de Margaret Yardley Potter
(Prefácio de Elizabeth Gilbert)
Enquanto desempacotava livros antigos da família, Elizabeth Gilbert redescobriu um exemplar de capa dura muito velho, já amarelado de At Home on the Range, escrito pela sua bisavó Margaret Yardley Potter. Gilbert conhecia o livro apenas de ouvir falar, por isso,  mergulhou nele com alguma curiosidade e não tardou a descobrir um texto muito à frente do seu tempo. Em parte estudiosa, em parte militante de um debate mais alargado sobre a comida, 
Potter defendia a importância dos mercados de agricultores e da comida étnica (italiana, judaica e alemã), dos conservantes e de atalhos culinários. Ao ler este livro prático e cheio de humor, não é difícil ver de quem terá Elizabeth Gilbert herdado a paixão pela comida e a prosa calorosa e cativante…

Novidades Civilização


Mr. Chartwell
de Rebecca Hunt
Julho de 1964. Na sua casa de Kent, Winston Churchill acorda e depara-se com uma visita: alguém que já não via há algum tempo, uma forma maciça, escura e muda que o observa. É Mr. Chartwell. Em Battersea, Esther Hammerhans, jovem, vulnerável e sozinha, abre a porta ao seu novo hóspede. Pelo vidro vê uma enorme silhueta. É Mr. Chartwell. Ele é carismático e perigosamente sedutor, mas à medida que as vidas de Esther e de Winston se aproximam lentamente, serão eles capazes de resistir aos seus estranhos e poderosos encantos e à sua força? É que os intuitos de Mr. Chartwell são muito mais sombrios e profundos do que parecem.

Colecção 100 Maneiras
de Rosa Maria

... de Cozinhar Sopas
... de Fazer Doces
... de Cozinhar Bacalhau
... de Cozinhar Carne
  
 

A Coleção 100 Maneiras é prática, completa e imprescindível na sua cozinha. Desde os aperitivos até ao prato principal, irá encontrar muitas ideias para surpreender a família e os amigos. Os segredos  mais bem guardados dos pratos tradicionais são revelados em receitas com instruções fáceis de seguir. Relembre os clássicos e saboreie o que de melhor há na cozinha portuguesa e não só!


Convite Porto Editora


Exposição «Lisboa, Centro da Europa na Segunda Guerra Mundial»


Convite Alfarroba


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Experiências na cozinha... 200 Receitas de Chocolate



Domingo à tarde foi o dia do chocolate! Esqueci a dieta por umas horas (dieta que nunca consigo começar completamente, lol!) e fui para a cozinha tentar escolher uma ou duas receitas destas "200 Receitas de Chocolate", um livro da Civilização pequeno em tamanho mas grande em perdição...




Comecei pelo bolo Marmoreado.
Gosto de ter um bolo cá em casa e a ideia é a malta poder levar uma fatia para o lanche da escola, ideia que nem sempre funciona porque, gulosos como são, acabam por comê-lo rapidamente e não chega para todos os dias da semana!

Posso dizer-vos que, no interior, o chocolate que é intercalado com a massa dá um gosto espectacular. Uma delícia! 



       Depois passei para uns "Queques de Chocolate". Fáceis de fazer, tanto mais que utilizo a minha ajudante (Bimby) que deixa em poucos minutos a massa aveludada e fofa!

Deram 16 queques e alguns não barrei com chocolate, mas devo dizer que a pequena cobertura dá-lhes um gostinho especial...

Sabem certamente que se colocarem as formas de papel dentro das formas dos queques não precisam de barrar com manteiga, coisa que detesto fazer. Também no bolo coloquei um spray de barrar, invenção óptima que nos faz poupar tempo e manter as mãos isentas de gordura!


Mais receitas hei-de experimentar deste livro. Estas duas são para repetir em breve!                                     
                                                              



terça-feira, 16 de outubro de 2012

O melhor do mês... Setembro


Sim, eu sei que já vamos a meio de Outubro mas não podia deixar de dar um relevo especial a este livro de Domingos Amaral, "Verão quente". Não sei se a sua escrita é sempre assim tão envolvente, com laivos de um humor que me agradou deveras, mas estou disposta a descobri-lo tanto mais que tenho cá em casa livros dele... A minha opinião aqui! 6* estrelas!

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Uma deusa para o rei de Mari Pau Domínguez


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 392
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722348928

Gostei desta leitura! Muito! 

Primeiro, porque somos catapultados para o Séc. XVI com os seus costumes e as suas maneiras de pensar que não poderiam ser mais diferentes das nossas... Mentalidades e formas de viver de uma época que eu só gosto de visitar através de um livro. Nem em sonhos me queria ver na pele daquelas mulheres que nada têm de seu, que não podem fazer a sua escolha e não possuíam livre-arbítrio... O facto de não serem donas de si próprias leva-me a ler estes romances históricos com uma mescla de sentimentos contraditórios: incredulidade, surpresa mas vontade de saber mais e mais sobre elas.

Segundo, porque a escrita de Mari Pau é muito envolvente e consegue de uma forma fascinante colocar-nos tanto na pele Isabel de Osório, a eterna amante de Filipe II, como na pele deste rei de sentimentos fortes e atitudes contraditórias, já que tanto a amava até à loucura como a fazia sofrer atrozmente, como, por exemplo, quando lhe tirou o filho sem qualquer explicação. Conseguiu, também, de uma forma inédita para mim, fazer-me sentir que também os homens, nessa época, não podiam escolher livremente entre o amor e o dever para com o país e a política, como foi o caso de Filipe II. Se bem que a posição da mulher nunca se pudesse comparar com a do homem, tal a inferioridade de estatuto que lhe atribuíam. E se estivermos a comparar uma simples aia da corte com o príncipe e futuro rei, então nem se fala... 

A forma como a escritora se pôs a adivinhar os diálogos, os sentimentos destes dois personagens e também daqueles que os circundavam foi para mim uma fonte de prazer. Saborear aspectos verídicos e, ao mesmo tempo, apreciar a imaginação desta autora deu-me momentos de leitura maravilhosos! Gostei particularmente das últimas páginas onde Mari Pau partilha connosco aspectos da sua pesquisa histórica, exigente e exaustiva.

Aconselho vivamente! Uma boa aposta da Presença.

Terminado em 11 de Outubro de 2012

Estrelas: 6*

Sinopse


Salamanca, 1543. Com apenas 16 anos, o futuro rei Filipe II de Espanha antecipa inquieto o momento que mudará a sua vida: o casamento com a prima Maria Manuela de Portugal. Os interesses estratégicos de Espanha impõem que o príncipe cumpra o seu dever, mas o jovem impulsivo não consegue renunciar à relação que mantém com Isabel de Osorio, dama de companhia da sua irmã. Durante mais de quinze anos, esta paixão intensa incendiará os corações dos dois amantes - sem no entanto nunca se conseguir sobrepor aos desígnios de uma nação...


domingo, 14 de outubro de 2012

Ao Domingo com... Tânia Ganho



"Tudo ressoa numa prisão. Os meus saltos incongruentes nos mosaicos brancos, o meu pigarrear nervoso, a minha mão distraída que mexe nas chaves dentro do bolso. O telemóvel ficou na portaria, o bilhete de identidade também. Transpus o detector de metais e, de repente, o mundo ficou lá fora, mas a minha missão era levar o mundo lá para dentro, eu era uma porta que se entreabria para as pessoas que tiveram a generosidade e a paciência de me ouvir naquele dia. Enquanto percorria os estéreis corredores brancos, cruzando-me com guardas a cada esquina, dei por mim a lembrar-me das palavras de um amigo: Porque é que as tuas personagens estão sempre num sufoco, em fuga, à procura de evasão? De repente, tomei consciência de que um dos temas que perpassa todos os meus livros é a liberdade, o desejo de escapar para lá dos muros que a sociedade – e nós próprios – construímos à nossa volta. A escrita permite-me, desde os doze anos, ir além de mim mesma e das minhas limitações e criar um espaço onde nada me é proibido.
Vivi numa cidade do interior até aos 21 anos, com uma sensação de asfixia. Cada regresso depois das férias na praia era uma espécie de condenação à clausura. Faltava-me o mar, esse horizonte amniótico pejado de possibilidades. Assim que pude, fugi e, até hoje, Lisboa, a cidade branca que desagua no Atlântico, é para mim sinónimo de oxigénio e espaço. Foi daqui que parti para conhecer o resto do mundo, é aqui que regresso no final de cada ciclo de viagens, encerrando cada década.
Não sei falar sentada. É de pé, andando de um lado para o outro, gesticulando como se quisesse abarcar o mundo com os braços, que apresento os meus quatro livros a uma vintena de homens cuja vida se confina às paredes da prisão de Caxias. É, no mínimo, presunçoso pensar que consigo imaginar como é a vida deles, e constrangedor dizer-lhes que as minhas personagens vivem em prisões que elas próprias construíram. Mas conto-lhes a história da Ana de A Vida sem Ti, que se mudou para Londres atrás de um sonho e esbarrou numa parede cheia de portas fechadas; da Clara de Cuba Libre, que fugiu da ilha da Madeira e se apaixonou por uma mulher que vivia em Cuba, essa ilha-prisão onde até o carteiro anda fardado (Guillermo Cabrera Infante); da Paula de A Lucidez do Amor, que teve de se reinventar numa aldeia nos confins do mundo, enquanto o marido partia para o Afeganistão com licença para matar; da Mara de A Mulher-Casa, que viu Paris como uma prisão dourada e descobriu que, onde quer que se encontrasse, estaria sempre dentro da mesma campânula de vidro, a respirar o seu próprio ar fétido (Sylvia Plath).
Nunca me fizeram tantas perguntas no fim de uma sessão. À primeira vista, as minhas mulheres não teriam afinidades com aqueles homens, mas eles interrogam-me, provocam-me, comovem-me. Esqueço-me das grades e dos guardas e entrego-me à discussão, ao debate, falamos de literatura, falamos da vida.
Quando recupero o BI e o telemóvel, quando franqueio a porta da rua e meto primeira no meu carro, rumo ao horizonte líquido de Lisboa, faço-o com a noção intensa de que ler é uma das formas mais acessíveis de evasão e escrever é assumidamente um acto de partilha. Foram os meus livros que me permitiram entrar por instantes na vida dos reclusos de Caxias, dos adolescentes de Bustos, dos idosos de Santa Comba Dão. É a escrita que todos os dias me abre portas junto de uma parede sem portas, a mim, que nunca me sonhei génio como Álvaro de Campos, apenas uma contadora de histórias.
A próxima é sobre um homem, uma ilha, o mar.

Tânia Ganho

sábado, 13 de outubro de 2012

Na minha caixa de correio

   
- Estou desejosa de ler O segredo dos pássaros! Oferta do Clube do autor.
- Topo sul de Gil Bastos, um livro de viagens. Oferta da Esfera do Caos.
- Emprestados do Segredo dos Livros chegaram cá a casa os Escândalos de Família e A estranha viagem do Sr. Daldry.