Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 13 de junho de 2012

As coisas que te caem dos olhos de Gabriele Picco



Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 216
Editor: Edições Contraponto
ISBN: 9789896660918
Faixa etária: a partir dos 12 anos

É-me difícil falar deste livro e desta leitura, porque não consegui percebê-lo na íntegra. Creio que algo me escapou, talvez por não conseguir entrar nesta leitura como é hábito ou por falta de concentração. Por essa razão, não posso dizer que gostei ou que desgostei. É bastante original, quer na escrita em si, quer na história e muito diferente. Diferença essa que me impediu de o apreciar verdadeiramente. Sensação esquisita esta, ah?!


Devo acrescentar que a capa e os desenhos, feitos pelo autor, que se encontram no livro são lindíssimos e têm tudo a ver com a história!


Um livro que devia reler com mais calma, para conseguir fazer a leitura adequada...


Terminado em 31 de Maio de 2012

Estrelas: 3*

Sinopse



Alguma vez se perguntou o que há por detrás de uma lágrima?
Ennio é um jovem tímido que tem um interesse muito especial: é fascinado por lágrimas, misteriosas gotas de água salgada que contêm sonhos, lembranças, medos… Quando vê uma, fotografa-a e inventa uma história. Contudo, o próprio Ennio não chora… nunca. Aprendeu a enterrar a dor, a ocultar os seus sentimentos e, com eles, o seu segredo mais inconfessável.
Fugindo do passado, Ennio parte para Nova Iorque. Certo dia, encontra o diário de uma rapariga japonesa: Kazuko. Deslumbrado pela perspicácia e pelos fabulosos desenhos que encontra naquelas páginas, Ennio parte numa busca incessante para devolver o livro à dona. Durante este périplo, a sua história entrecruza-se com a de outras personagens tão excêntricas quanto cativantes: Gianny, que tem uma fisga no nome; Arwin, que filma tudo o que o rodeia com uma câmara escondida no cabelo; Josh, que perdeu a mulher no atentado às Torres Gémeas e agora coleciona pó; e, ainda, uma gaivota ferida, resgatada da neve de abril - que, dizem, dá sorte…


1 comentário: