Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

sábado, 26 de Maio de 2012

Sapatos Italianos de Henning Mankell


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 288
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722348324

Desconcertante este livro! Por várias razões. De leitura que se faz rápida e muito fluída, fala-nos, no entanto, de temas que não são fáceis, incómodos até! 

O personagem principal tem 66 anos. Os últimos anos repletos de solidão, isolamento a que ele próprio se impôs. Fuga de si próprio, dos seus medos, dos seus erros do passado. Isolado de si numa ilha que serve os seus propósitos. O encontro com esse passado torna-se inevitável quando surge (reaparece melhor dizendo), na sua vida um antigo amor. 

Esta personagem, caracterizada espectacularmente, torna-se para nós, leitores, alguém com quem sentimos empatia mas, ao mesmo tempo, uma certa repugnância pelos actos que pratica, pelos sentimentos que deixa transparecer e com os quais não gostaríamos de conviver... E foi este amor/ódio que involuntariamente sentimos por este personagem que me cativou. Só um escritor no seu melhor pode criar em nós esta ambiguidade de sentimentos acerca de um personagem!

Esta obra fala-nos, também da morte e do sofrimento, dos desencontros que a vida nos trás e naqueles que criamos, às vezes, desnecessariamente. De como, mesmo após muito tempo, se pode atapetar a vida com outras cores que não o cinzento e corrigir o passado... O final desta história, tão em aberto, agradou-me bastante.

Recomendo este livro, de capa e conteúdo belíssimos! 

Terminado em 25 de Maio de 2012

Estrelas: 5*

Sinopse:


Henning Mankell afasta-se do género policial a que já nos habituou para refletir neste romance sobre temas como o amor, a perda, a redenção e a autodescoberta. 


Fredrik Welin passou os últimos doze anos da sua vida numa ilha do Báltico rodeada de gelo, tendo como única companhia o seu cão e a sua gata, e como única visita o carteiro. Um dia, vê uma figura aproximar-se e percebe que nada voltará a ser o mesmo. A pessoa que vem perturbar o seu exílio autoimposto é Harriet, a mulher que ele abandonou sem qualquer explicação há quase quarenta anos. Harriet diz vir obrigá-lo a honrar uma promessa que ele lhe fizera, mas Fredrik está prestes a descobrir que o seu reaparecimento esconde outra surpresa...


1 comentário: