Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

terça-feira, 31 de maio de 2011

Passatempo!


Ganhei dois livros iguais num passatempo e vou sortear um deles aos seguidores deste blog. Basta para isso que mandem um email para                              otempoentreosmeuslivros@gmail.com
a dizer que estão interessados nele e digam qual o vosso nome de seguidor... Infelizmente este passatempo só está direccionado a quem tiver uma morada aqui, em Portugal, e é válido até ao dia 10 de Junho.
Boa sorte!

domingo, 29 de maio de 2011

Arranjar espaço...


"Se arranjarmos espaço na nossa vida, as coisas boas começarão a entrar."

Sarah Addison Allen, "A árvore dos segredos"

sábado, 28 de maio de 2011

A árvore dos segredos de Sarah Addison Allen


Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 280
Editor: Quinta Essência
ISBN: 9789898228567

Os livros reforçam os laços de amizade. Nós que andamos por cá, na blogosfera, sentimos isso muitas vezes. Há pessoas que não chegamos a conhecer mas às quais confiamos os nossos livros; outras, marcamos encontros para nos ficarmos a conhecer pessoalmente e, com outras ainda, que já conhecíamos superficialmente, aumentamos a amizade com encontros, almoços e trocas de livros.

Este livro foi-me emprestado por uma amiga que pertence a esta última "categoria" e que o ganhou num passatempo da Quinta Essência. Tão querida que, antes de o ler, já me estava a dizer: "Leva-o pois sei que vais lê-lo antes de mim"... E se eu sei que ela gosta desta escritora! Obrigada Fernanda! Interrompi por um dia o livro que estava a ler e devorei este... Soube-me bem!

E o que dizer desta leitura? Primeiro, que não leio fantasia. Sim, li os do Herry Potter todos, e gostei muito. Li também os da Marion Z Bradley, que adorei, mas fiquei-me por aí. Gostos... Mas li o "Quarto mágico" e o "Jardim encantado" e fiquei rendida à escrita de Sarah A. Allen. Os seus livros têm uma magia muito especial que nos encantam e seduzem. Lentamente, página a página, vamos ficando rendidas, presas aos ambientes extraordinários que ela elabora com precisão. Possui uma fértil imaginação fazendo-nos transportar para mundos mágicos, mas tão deliciosos, que só mesmo se lerem o livro conseguirão perceber e sentir aquilo a que me refiro. 

Cheiros intensos impregnam o ambiente e as pessoas: pêssego, limão, alfazema... e quase que conseguimos cheirá-los! É fabuloso onde pode chegar a imaginação de uma escritora... Ao mesmo tempo, este livro fala-nos de um assunto muito importante, o valor da amizade, do que devemos fazer para que ela não caia no esquecimento e como reforçá-la.

Recomendo!


Terminado em 28 de Maio de 2011

Estrelas: 5*

Sinopse

Sarah Addison Allen dá-nos as boas-vindas a uma nova povoação: Walls of Water, na Carolina do Norte, onde os segredos são mais espessos do que o nevoeiro das famosas quedas-dágua da cidade, e as superstições são, de facto, reais. 
Willa Jackson vem de uma antiga família que ficou arruinada gerações antes. A mansão Blue Ridge Madam, construída pelo bisavô de Willa durante a época área de Walls of Water, e outrora a mais grandiosa casa da cidade, foi durante anos um monumento solitário à infelicidade e ao escândalo. Mas Willa soube há pouco que uma antiga colega de escola a elegante Paxton Osgood - da abastada família Osgood, restaurou a Blue Ridge Madam e a devolveu à sua antiga glória, tencionando transformá-la numa elegante pousada. Talvez, por fim, o passado possa ser deixado para trás enquanto algo novo e maravilhoso se ergue das suas cinzas. Mas o que se ergue, afinal, é um esqueleto, encontrado sob o solitário pessegueiro da propriedade, que com certeza irá fazer surgir coisas terríveis.
Pois os ossos, pertencentes ao carismático vendedor ambulante Tucker Devlin, que exerceu os seus encantos sombrios em Walls of Water setenta e cinco anos antes, não são tudo o que está escondido longe da vista e do coração. Surgem igualmente segredos há muito guardados, aparentemente anunciados por uma súbita onda de estranhos acontecimentos em toda a cidade.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Segue o coração de Lesley Pearse


Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 784
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892310589

Gostei muito desta leitura, aliás, achei-a fabulosa! Lesley Pearse tem, para além do dom da escrita, uma qualidade que admiro bastante numa escritora: procura documentar-se  muito bem em relação à época em que se passa a acção. Os seus livros são, pois, o resultado da sua imensa e fértil imaginação e dessas pesquisas elaboradas. Mesmo como eu gosto, porque conseguimos apreender outras vivências enquanto estamos "presas" à história! E que história!!!

Viajamos para o século XIX, por volta de 1800 e acompanhamos Matilda desde a sua infância, pobre e sofrida até à sua morte, aos setenta e tal anos... Passamos por Londres, Nova Iorque e S. Francisco e vivenciamos o que é ser mulher naquela época onde a escravatura ainda tinha lugar, a par de um racismo imenso. As doenças que hoje são facilmente curadas significavam uma morte certa. Os hábitos de higiene e os costumes em geral não eram, de forma alguma, idênticos aos de hoje. A pobreza é-nos relatada de uma forma nua, cruel, tal como ela se apresentava. A prostituição, a extrema pobreza, a procura desenfreada de ouro, a medicina na sua forma inicial e a perda de entes queridos são temas explorados magistralmente pela autora.

A força e a coragem de uma mulher numa altura em que o papel que lhe era supostamente destinado seria o de esposa obediente e mãe, onde a subida de classe e estatuto social era quase impensável! A sua luta por um mundo melhor, não só para ela e os seus, mas também e sobretudo, para os mais desfavorecidos, marca a sua vida e os seus relacionamentos amorosos. Ficamos literalmente agarrados às 800 páginas deste livro e à imaginação brilhante desta escritora! Recomendadíssimo!

Terminado em 26 de Maio de 2011

Estrelas: 5*+

Sinopse


Aquele podia ter sido um dia como tantos outros na vida de Matilda, uma pobre vendedora de flores. Mas aquele é o dia em que Matilda salva a vida de uma criança e recebe a mais preciosa das dádivas: a oportunidade de fugir da miséria e construir uma nova vida. Em breve trocará os bairros degradados de Londres pelos recantos misteriosos de Nova Iorque, as planícies do Oeste Selvagem e a febre do ouro em São Francisco. Munida apenas da sua coragem, beleza e inteligência, a jovem está apostada em ditar o seu destino, nem que para tal tenha de lutar contra tudo e todos. 
A sua rebeldia condena-a à solidão. Mas um dia também ela viverá as emoções de um verdadeiro amor. Um amor que terá de suportar a separação, a guerra e os tormentos do nascimento de uma nova nação. Será no Novo Mundo que Matilda vai aprender o que a sua infância não lhe ensinou: que todos nascem iguais, que a coragem e a generosidade são o que de mais nobre pulsa no coração humano, e que, por mais doloroso que seja, a vida tem de continuar e nunca se deve olhar para trás…

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Resultado do Passatempo

A vencedora deste passatempo que decorreu aqui, no blog, em parceria com a Aphabetum Editora foi:

Anabela Santos Nobre de Albufeira

Com a frase: "Ser especial é ver no outro o igual que na diferença vive a sua identidade." 


Parabéns à vencedora! O blog encontra-se disponível para publicar a sua opinião, aquando da sua leitura...

Obrigado, também, a todos os participantes!

terça-feira, 24 de maio de 2011

Um livro, um amor!


Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 80
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892308692

Um verdadeiro achado este livrinho. E tão pequenito! Com ele se prova que o número de páginas não está necessariamente relacionado com a qualidade do seu conteúdo...

Quem gosta de ler, como nós que por aqui andamos, identifica-se com inúmeras frases que são expressas nas suas páginas. É um livro que nos fala do amor pelos livros, da forma como cada pessoa "sente" o livro e também, das necessidades (tão diferentes para cada um) que o leitor tem quando agarra num livro: uns escrevinham nele, outros nem gostam sequer de pensar nisso!

E este amor pelos livros surge-nos integrado num mistério, precisamente à volta de um livro e das mãos por onde ele passou. Bem escrito, com inúmeras referências a escritores, é um hino ao amor. Ao amor pelos livros, evidentemente!

Obrigada Paula pelo empréstimo!


Terminado em 23 de Maio de 2011

Estrelas: 4*

Sinopse

Os livros mudam o destino das pessoas: Hemingway incutiu em muitos o seu famoso espírito aventureiro; os intrépidos mosqueteiros de Dumas abalaram as vidas emocionais de um sem-número de leitores; Demian, de Hermann Hesse, apresentou o hinduísmo a milhares de jovens; muitos outros foram arrancados às malhas do suicídio por um vulgar livro de cozinha. Bluma Lennon foi uma das vítimas da Literatura. 
Na Primavera de 1998, Bluma, uma lindíssima professora de Cambridge, acaba de comprar um livro de poemas de Emily Dickinson quando é atropelada. Após a sua morte, um colega e ex-amante recebe um exemplar de A Linha da Sombra, de Joseph Conrad, em que Bluma escrevera uma misteriosa dedicatória. Intrigado, parte numa busca que o leva a Buenos Aires com o objectivo de procurar pistas sobre a identidade e o destino de um obscuro mas dedicado bibliófilo e a sua intrigante ligação com Bluma. A Casa de Papel é um romance excepcional sobre o amor desmesurado pelas bibliotecas e pela literatura. Uma envolvente intriga policial e metafísica que envolve o leitor numa viagem de descoberta e deslumbramento perante os estranhos vínculos entre a realidade e a ficção.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

A invasão



"Todos os anos ofereço pelo menos 50 exemplares aos meus alunos, mas nao consigo deixar de acrescentar uma nova estante, outra fila dupla; os livros avançam pela casa, silenciosos, inocentes. Não consigo detê-los."

Carlos Maria Dominguez, "A casa de papel"

domingo, 22 de maio de 2011

Último dia!



Não se esqueçam de concorrer, quem sabe se é desta que têm sorte...
Hoje é o ultimo dia para o passatempo que está a decorrer aqui no blog.
O livro da Fátima Marinho, "O mistério das coisas erradas", vale a pena ler!

sábado, 21 de maio de 2011

É obra!


Existem livros que pelo seu volume se torna uma "obra" lê-los... Queremos transportá-los de um lado para outro, mas isso é completamente impossível!


E pensar em abandoná-los, então, é emocionalmente desgastante, surreal...


As suas quase 800 páginas tornam esta obra um pesadelo, a minha coluna reclama com o peso e deixá-lo em casa, quando posso aproveitar a minha hora de almoço para saboreá-lo, torna-se um filme de terror!!!


Optei por ler dois ao mesmo tempo e levo comigo um levezinho, levezinho... mas sinto que os estou a atraiçoar aos dois, pois a minha atenção gosta de estar centrada exclusivamente num. "Despachá-lo" depressa, devorá-lo, mais propriamente!


Mas isto tudo para vos dizer que, mais uma vez, Lesley Pearse (autora de um dos livros que mais gostei) é simplesmente fabulosa e se, em vez de 800 páginas, este livro tivesse 1000, era com muito prazer que o leria...

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Soltas... Reflexos num olho dourado


"Sofria imenso por causa dela, pois tinha a tendência infeliz de se apaixonar pelos amantes da esposa."

"Há alturas na vida de um homemem que ele necessita de ter alguém para amar, um ponto de convergência para as suas difusas emoções. Há também alturas em que as irritações, as desilusões e os medos próprios da vida, inquietos como espermatozóides, devem ser libertados sob a forma de ódio."

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Reflexos num olho dourado.





Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 100
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722345286




Livro pequeno este, mas tão intenso! Somos, logo na primeira página, postos ao corrente da trama central mas, mesmo assim e se calhar devido a isso, ficamos presos logo no início. Tal como gosto! 


Tirem as ideias pré-definidas que possam ter antes ler este livro. Não é um romance fácil e ligeiro. Algumas frases são desconcertantes, rudes até! E o mistério mantém-se até ao final e, quando chega, queremos que o livro tenha mais páginas que as 96 que possui... 


Os personagens, algo estranhos, são psicologicamente bem construídos, fortes, com características marcantes e bem delineadas e transportam para o papel os seus traços, gostos e inquietações de tal forma que os conseguimos visualizar, como se de cinema se tratasse.


Ficamos a querer saber mais, a imaginar mais, depois da leitura terminar! Será defeito? Qualidade? É a forma de escrever de Carson McCullers, autora de O coração é um caçador solitário. Numa palavra: intenso! 


Este livro foi-me gentilmente cedido pela editora.


Terminado em 18 de Maio de 2011

Estrelas: 4*

Sinopse

Numa base militar americana, na Geórgia, a rotina e o isolamento criam um insuportável sentimento de tédio que agudiza a tensão latente entre a «máscara» social e o mundo caótico de paixões, obsessões, frustrações e ódios secretos. Este singular inferno gira em torno de dois oficiais e as respectivas esposas, um excêntrico criado filipino, um cavalo e o jovem soldado Williams, o elemento que virá romper o delicado equilíbrio neste quadro de relações. McCullers escreve a sua história com uma simplicidade despretensiosa, explorando os limites sempre instáveis entre a «normalidade» e a ordem e o foro íntimo das pulsões que movem as personagens deste romance.

Quem postou... Jardim de alfazema


http://leiturasdeaab.blogspot.com

http://esmiucaolivro.blog.com

http://devaneiosdajojo.blogspot.com

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Jardim de Alfazema


Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 354
Editor: Quinta Essência
ISBN: 9789898228314

Confesso que, se há capas que me atraem, outras não...
Esta achei-a um pouco "cor de rosa" demais e acreditei que a história também o fosse! Tirando algumas situações, logo no início, é certo que, com o desenrolar da trama, fui ficando envolvida nos mistérios que envolvem a protagonista e fizeram-me sentir "dentro" da história. 

Todo o livro tem, na verdade, um cheiro a romance que foge um pouco da vida real mas, depois de ter lido de seguida dois livros "pesados", sabe bem variar e viajar para ambientes mais floridos e mais leves.

Ficamos rendidas e presas à imaginação tão fértil desta autora! Os personagens envolvem-nos com os seus variados mistérios e a história é-nos contada em catadupa, tal a variedade e multiplicidade de tramas que os cerca. Brevemente irei ler o livro que vem em seguimento deste, o Perfume da Paixão. Recomendo! Agora que o verão aí vem parece-me uma leitura muito apropriada para esta época!

Terminado em 16 de Maio de 2011

Estrelas: 3*

Sinopse

Jocelyne Minton é uma mulher dividida entre dois mundos. A mãe estudou em colégios particulares e frequentava as melhores salas de chá, mas acabou por casar com o biscateiro local.

Joce tinha apenas cinco anos quando a mãe morreu e, quando o pai volta a casar, a criança sente-se mais só do que nunca - até que conhece Edilean Harcourt que, apesar de já não ser uma jovem, compreende Joce melhor que ninguém.

Quando Miss Edi morre, deixa à amiga todos os seus bens, incluindo uma histórica mansão do século XVIII e uma carta com pistas para a jovem decifrar um mistério que remonta a 1941. Na carta, Miss Edi também revela que encontrou o homem perfeito para Joce, um jovem advogado. Joce fica chocada ao saber que a mansão e o futuro amor da sua vida se encontram em Edilean, de que nunca ouvira falar. Curiosa perante esta reviravolta do destino, Joce muda-se para a pequena cidade , decidida a dar um novo rumo à sua vida.

Em Edilean, todos conhecem a história da jovem e já delinearam o seu futuro, incluindo o homem com quem se deverá casar. Acontece, porém, que Joce tem as suas próprias ideias acerca do homem que terá de conquistar o seu coração e o que fazer aos segredos que ninguém quer ver divulgados. Mas, quando estes lhe revelam parte da sua história, o certo é que a vida parece ganhar uma nova cor…

Em Jardim de Alfazema, Jude Deveraux retrata as paixões, as intrigas e os segredos de uma pequena cidade e dá início a uma extraordinária série centrada em Edilean.

Quem postou... Só vivemos duas vezes

http://www.clubedoslivros.org

terça-feira, 17 de maio de 2011

Soltas... Só vivemos duas vezes


"A forma que encontrei de "levar as coisas para a frente" foi escrever. O papel, o meu diário, passou a ser o meu melhor ouvinte, o meu melhor confidente. O papel passou a ouvir todos os meus desabafos. Escrever passou a ser a minha terapia, o meu melhor tratamento. Escrever passou a ser uma paixão."

"Não podia sair à noite por causa do frio e dos riscos de constipação. Não podia ir a cafés por causa do fumo. A minha vida era uma vida feita à sombra da palavra "não". Aos 15 anos viver à sombra de uma palavra destas, negativa cheia de restrições é um horror, uma tortura. Por mais que eu tentasse ser adulta, essa revolta, a revolta contra os "nãos", surgia no meu espírito a cada momento."

"Já tínhamos chorado muito, juntos. A minha mãe, o meu pai. a minha irmã. E eu com todos eles. O que tínhamos chorado dava para encher um lago, mas as lágrimas que chorávamos agora, abraçados, eram de alívio e esperança."

"Quando adormeci ao lado do sono pacífico do meus bebé, Tiago, redescobri a paz dos meus sonos de infância, como se voltasse a ser a menina enérgica e alegre de 14 anos, a menina dos meus pais, a protegida da minha querida irmã mais velha. Sem medo, adormeci, feliz."

Só vivemos duas vezes de Ana Martins Silva


Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 184
Editor: Editora Guerra & Paz
ISBN: 9789897020155

Quando vi este livro na livraria e li a sinopse pensei logo que gostaria de o ler e foi através do BC que o consegui ter comigo... Lê-se numa tarde e sentimos, realmente, que a história da autora poderia ter sido a nossa ou de alguém que conhecemos. São acasos da vida que surgem sem ninguém esperar e sem uma razão  que o justifique. 

Ana enfrenta muito cedo um cancro - Linfoma de Hodgkin - que a afasta da sua vida de adolescente e passa a ser "visita" constante do IPO de Lisboa. Os seus medos e as suas esperanças estão aqui referenciados e sentimos com ela as suas dores e as suas pequenas-grandes alegrias, a sua força e o seu desespero, as suas ansiedades! Enfrentar a morte de perto e sobreviver significa viver de novo...
Um caso de sucesso que vem dar coragem a quem vive de perto situações semelhantes. A ler!

2% das vendas reverte a favor da Acreditar

Terminado em 14 de Maio de 2011

Estrelas: 4*

Sinopse

A história de Ana pode ser a nossa ou a de alguém de quem gostamos muito. O relato impressionante e corajoso de uma menina de 14 anos que enfrenta um linfoma. Conseguirá Ana vencer a doença? Poderá a menina tornar-se mulher e concretizar o seu maior sonho - ser mãe? Um livro comovente e inspirador, até à última página.

O Linfoma de Hodgkin


O Linfoma de Hodgkin, anteriormente denominado Doença de Hodgkin, corresponde a um dos vários tipos de câncer do sistema linfático.
Recebe este nome em homenagem ao médico inglês Dr. Thomas Hodgkin, que descreveu a doença em 1832.
Pode ocorrer em qualquer faixa etária - no entanto, é mais comum na idade adulta jovem, dos 15 aos 40 anos, atingindo maior freqüência entre 25 a 30 anos. A incidência de novos casos permaneceu estável nas últimas cinco décadas, enquanto a mortalidade foi reduzida em mais de 60% desde o início dos anos 70 devido aos grandes avanços no tratamento. A maioria dos pacientes com o Linfoma de Hodgkin pode ser curada com tratamento atual.
(retirado da Wikipedia)

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Aproveite e viva!


                                       (Imagem retirada da net)

"(Sem a doença) ter-se-ia esquecido, isso é certo, do valor da vida. Porque, se há coisa que a vida faz, é com que nos esqueçamos dela."

          José Fernando Lambelho, "O padre motard"

Sentir a vida.


Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 287
Editor: Estrela Polar
ISBN: 9789898206695

De vez em quando gosto de ler biografias. E esta surpreendeu-me, não tanto pela forma como está escrita (bem escrita por sinal! ) mas, sobretudo, pela vida do "Padre Zé Fernando". 

Há vidas que tocam e influenciam aquelas que lhe estão mais ou menos perto, tanto pela sua coragem como pela coerência. Gosto de ler, de ficar a conhecer como se pratica o que se apregoa.

Desde a sua infância pobre mas alegre e povoada de liberdade e amor, passando pela sua entrada no seminário da Guarda, pelos seus amores, suas dificuldades e dúvidas vocacionais, mas também, pela inovação nos ritos religiosos, pelo seu amor pelas motas, pelas suas obras nas paróquias onde esteve ligado, sempre presente e empenhado, pela sua doença oncológica que o fez encarar a vida de uma outra perspectiva, pela sua força e pelo amor que dedicava aos outros... toda a sua vida é um hino de caridade e de fé.

Gostei muito de ler e tomar conhecimento de como uma vida pode, efectivamente, ser um acto de amor ao próximo!

Terminado em 13 de Maio de 2011

Estrelas: 4*

Sinopse

O livro é uma autobiografia. O padre José Fernando conseguiu conciliar o seu sacerdócio com o amor pelas motas, e foi o universo muito particular dos motards que, ao acolhê-lo, o retirou do anonimato, transformando-o numa figura de enorme popularidade a nível nacional. O seu carisma tem raízes numa profunda genuinidade, na fidelidade inabalável a si próprio, na capacidade de estar próximo das pessoas, de escutar sem julgar, sem nunca excluir e numa contagiante alegria de viver. "O padre Zé Fernando é o Sol!", dizem dele os "seus" motards. O surgimento de um cancro ("uma derrapagem…"), em 2005, leva-o a fazer um desvio no seu percurso e a questionar-se, mas não à sua fé. Aceitando embora algumas limitações, vive agora um dia de cada vez, quase sem compromissos se não com os amigos, com a sua crença em Deus e na vida.


domingo, 15 de maio de 2011

O ódio!

                                      (Imagem retirada da net)

"...ensinaram-me muitas coisas e uma delas foi que o ódio lesa a pessoa que o sente. Como um ácido corrosivo, queima internamente e destrói vidas. Mas o seu alvo nunca sente o efeito."
    Toni Maguire, "Quando o papá voltar"

Querem ganhar um livro?


Com a parceria da Alphabetum Editora vou sortear 1 livro autografado da escritora Fátima Marinho, "O mistério das coisas erradas"! Os livros encontram-se à venda na Fnac e no site da autora.
Para concorrer só precisam de completar a seguinte frase:

        "Ser especial é..."

e procurar ter em atenção o conteúdo e a sinopse do livro. Usem e abusem da vossa imaginação!

Surpreendam-me!

Enviem as vossas participações para:  otempoentreosmeuslivros@gmail.com
Podem participar com mais do que uma frase mas só podem concorrer residentes em Portugal Continental e Ilhas.

Este passatempo encerra dia 22 deste mês, inclusive. 

sábado, 14 de maio de 2011

Surpresa!


Amanhã há aqui uma surpresa. Estejam atentos!

Quem postou...Quando o papá voltar.



http://ideias-minhas.blogspot.com

"Quando O Papá Voltar" de Toni Maguire


Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 256
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892304878
Coleção: Documentos

É sempre angustiante ler um livro que não conta uma história mas sim a História de alguém... E se essa história mais parece um filme de horror e está bem escrita, deixa-nos um travo amargo, os sentidos em alerta.


Para além de bem conseguido, pois ficamos presas à leitura logo nas primeiras páginas, é através da própria autora que ficamos a conhecer o lado das vítimas de violação e maus tratos, muitas das vezes consideradas culpadas e ostracizadas pelas pessoas que lhe estão próximas. Conseguimos perceber porque permanecem junto do agressor, porque se sentem tão inseguras, porque o seu desejo de ser amadas pelos progenitores é muito forte... A submissão é de tal ordem que as impede de reagir e de fugir.


Esta história de vida é marcada pela indiferença da mãe, pela sua passagem num hospital psiquiátrico e seus tratamentos bárbaros, pelas tentativas de se tornar independente, pela sua atracção pelo álcool que a desinibia, e sobretudo, pela sua transformação e luta, deixando a Antoinette e tornando-se Toni Maguire, livre do passado que tanto a atormentou!


Recomendo! O conteúdo é mais forte que a capa, e mais bonito também porque se trata de uma história que se tornou num caso de sucesso. 


Terminado em 11 de Maio de 2011

Estrelas: 4*

Sinopse

A infância de Toni terminou quando ela tinha apenas seis anos e o seu pai lhe roubou a inocência. Já adolescente e após anos de abusos sexuais, ela encontrou por fim a coragem para o enfrentar, conseguindo que fosse condenado à prisão. Toni acreditou então que podia ter uma vida normal. A sua relação com a mãe floresceu, bloqueando por completo as más recordações. Mas, dezoito meses mais tarde, Toni chega a casa e encontra o pai sentado na sala de estar. Foi nesse momento que percebeu que o pesadelo não terminara e que a mãe esperara ansiosamente pelo regresso do marido. 

Sozinha e traumatizada, Toni saiu de casa e mergulhou numa profunda depressão, tendo acabado por ser internada num hospital psiquiátrico. E, quando já ninguém acreditava na sua recuperação, ela começou a melhorar. A sua enorme força de vontade permitiu-lhe começar de novo e, através do seu testemunho, alertar e ajudar todos os que, como ela, são vítimas inocentes das pessoas em quem mais confiam.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Soltas... Quando o papá voltar



"Embora ansiasse pela amizade de outros jovens, aterrava-a a ideia de alguém se aproximar de mais. As colegas podiam tolerar ou até gostar da rapariga que fingia ser, a que acabara de deixar a escola de secretariado e que falava com um sotaque da classe média. Mas se descobrissem o seu passado ostracizá-la-iam por completo."

"Porque não se regozijava com o facto de os pais já não desejarem que ela fizesse parte das suas vidas? Não se libertava assim deles? Mas Antoinette sempre fora demasiado controlada para aprender a ser independente. Um cão que foi espancado durante anos morre se for lançado na rua para se desenvencilhar sozinho."

"Desejara ter-se aberto mais com eles, mas ainda era vítima de um enorme bloqueio mental. Guardava memórias reprimidas que o terror a impedia de encarar e ideias e sentimentos demasiado terríveis para serem exprimidos. Era um tempo em que simplesmente não conseguia pronunciar as palavras necessárias para comunicar mesmo as ideias mais simples, quanto mais o trauma do seu passado."

"Ruth (mãe) transformara a inocência em culpa e a vítima em pecadora e obrigara a Antoinette a aceitar que era assim. Fizera de Antoinette sua cúmplice ao reescrever a verdade."

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Encontros!


Edição/reimpressão: 2011
Páginas:184
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892313764

A vida mostra-nos, muitas vezes, que é feita de encontros e desencontros entre aqueles que se amam (ou não!) e que o passado dificilmente volta da mesma forma. O ser humano fica, frequentemente, preso a recordações mais ou menos fiéis de uma realidade que já passou,  impedindo-o de viver o presente com autenticidade.

Tiago Rebelo fala-nos de tudo isso e relata-nos a história, ou melhor, as histórias de vários personagens que seguem vidas paralelas, sendo que muitas delas não se chegam a cruzar sequer. Amores desencontrados, amores que acabam, amores que nascem de amores que findaram... a vida sempre em aberto!

Se gostei? Não li com desagrado mas também não me empolguei com esta leitura. Achei que faltou qualquer coisa que me prendesse. Como há bastantes personagens, algumas das suas histórias ficaram, a meu ver, por contar. Gostei do final, ficando em aberto o futuro de duas delas que, por um acaso da vida, se juntam em Nova Iorque...

Terminado em 9 de Maio de 2011

Estrelas: 3*

Sinopse

Uma Noite em Nova Iorque é uma complexa história de encontros e desencontros, promessas e desilusões; mas também uma história de descoberta e de esperança, que reflecte o dilema dos protagonistas divididos entre duas forças poderosas: a obrigação de perpetuar uma união que já não lhes traz alegria e a urgência de correr atrás de uma enorme paixão que mais não é do que uma carta fechada.